Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Menino Bernardo teve morte ‘violenta’, indica certidão de óbito

Garoto de 11 anos foi encontrado enterrado em um matagal na cidade gaúcha de Frederico Westphalen; o pai e a madrasta são os principais suspeitos

Por Eduardo Gonçalves 16 abr 2014, 21h51

A certidão de óbito do menino Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, atesta que ele morreu de “forma violenta” em 4 de abril, dois dias antes de o pai relatar à polícia sobre o desaparecimento do filho. O corpo de Bernardo foi encontrado nesta segunda-feira, dez dias depois da morte, enterrado em um matagal na cidade de Frederico Westphalen, no interior do Rio Grande do Sul. Segundo a Polícia Civil, os principais suspeitos são o pai do garoto, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Boldrini, e a amiga do casal Edelvania Wirganovicz. Eles foram presos.

Segundo a certidão de óbito, o corpo estava em “adiantado estado de putrefação” quando foi encontrado. A causa da morte não foi informada.

A Polícia Civil suspeita que o menino tenha sido morto depois de receber uma injeção letal. A informação ainda precisa ser confirmada pela perícia. O pai de Bernardo trabalhava como médico-cirurgião e a madrasta, como enfermeira. A amiga do casal, Edelvania, era assistente social.

O advogado Marlon Balbon Taborda, que trabalha para a avó materna de Bernardo, Jussara Uglione, 73 anos, afirmou que os suspeitos “tinham conhecimento técnico” para manusear substâncias capazes de matar o menino. Ele representa a avó de Bernardo em disputas judiciais para permitir que ela visitasse o neto, que morava em Três Passos (RS) com o pai e a madrasta e a irmã, de 1 ano.

Sumiço – Em depoimento à polícia, o casal relatou que o menino foi dormir na casa de amigos no dia 4. Ele não retornou depois de dois dias. Leandro, então, acionou a polícia e uma rádio local para descobrir o paradeiro de Bernardo. Nos dias que se seguiram, a população de Três Passos (RS), onde a família mora, mobilizou-se para encontrar o garoto.

Após fazer buscas pela cidade, a polícia chegou a Edelvania Wirganovicz, a amiga do casal. Na casa dela, foram encontradas uma pá e uma cavadeira. Por fim, ela acabou levando a polícia ao local onde o corpo havia sido escondido, além de ter afirmado que ele morreu com uma injeção letal. Depois disso, a polícia descobriu que a madrasta havia sido multada por excesso de velocidade ao dirigir em uma estrada que liga Três Passos a Frederico Westphalen em 4 de abril, mesma data em que o garoto foi morto. Policiais rodoviários informaram que a criança estava no carro na ocasião.

O corpo de Bernardo foi sepultado nesta quarta-feira em Santa Maria (RS), no mesmo túmulo em que está o corpo da mãe, morta há quatro anos. Odilaine Uglione morreu com um tiro na cabeça no consultório do então marido, Leandro Boldrini, em fevereiro de 2010. Na época, a polícia concluiu o caso como suicídio.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)