Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juíza condena trabalhador que se acidentou a pagar 20 mil reais

O autor da ação sofreu um acidente de motocicleta em 2011, quando estava a caminho do trabalho. Decisão foi baseada nas novas regras trabalhistas

Uma juíza de Canoas, Rio Grande do Sul, rejeitou pedido de um almoxarife que queria ser indenizado por causa de acidente quando estava a caminho do serviço. Ao perder a ação, o trabalhador foi condenado a pagar 20.000 reais de honorários ao advogado da empresa. As informações foram publicadas no site do Conjur.

 

De acordo com o portal, o funcionário terá um prazo de dois anos para se estruturar financeiramente. Se, ainda assim, ele não conseguir reunir o montante, a dívida será extinta.

O autor da ação sofreu um acidente de motocicleta em 2011, quando estava a caminho do trabalho. Geralmente, ele fazia o percurso com o ônibus da empresa. No dia do acidente, porém, o motorista não passou no horário combinado.

Após o acidente, ele ficou afastado e teve sequelas. Voltou ao trabalho meses depois com restrição parcial das atividades. Em 2015, ele foi demitido e, então, entrou com processo cobrando pensão vitalícia, alegando que a empresa teve culpa no acidente.

“É irrelevante na espécie o fato de o ônibus ter ou não passado na casa do autor, porquanto dito acidente também poderia ter ocorrido com ônibus em que os empregados da reclamada são levados ao trabalho e ainda assim a reclamada não teria responsabilidade, visto que decorrente do descuido do outro motorista que acessou a via principal, em confronto com o outro veículo que já transitava nesta mesma via”, diz a sentença da juíza Adriana Kunrath, da 5ª Vara do Trabalho de Canoas, segundo o Conjur.

O ex-funcionário foi condenado a pagar 10% do valor da causa, de 200.000 reais. A juíza baseou a decisão nas novas regras estabelecidas pela reforma trabalhista.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Correta a juíza. Chamada da matéria tendenciosa.

    Curtir

  2. Concordo com a Juíza. Não digo especificamente desse caso, mas tem muito vagabundo que se aproveita pra estorquir empresas, causando desemprego de quem quer trabalhar. Essa mudança foi boa.

    Curtir

  3. João Caetano

    Justiça é bem diferente de JUDICIAMENTO e a nova legislação trabalhista deixa a cabeça do Juiz como a Bunda de nenê nunca se sabe quando vai dar MERDHA. rsrsrsrsrs…

    Curtir

  4. CERTÍSSIMA, O QUE TEM DE VAGABUNDO E ADVOGADO QUE FAZ DE TUDO PARA ROUBAR AS EMPRESAS ….

    Curtir

  5. Marco Aurelio Jandelli

    Acabou a moleza de fazer do judiciário trabalhista uma fonte de salários extras.

    Curtir

  6. josé martins

    Se estivesse preso teria roupa lavada comida balanceada e a esposa teria um salário mensal e o melhor não precisaria trabalhar continuem contentando no pt psdb PCdoB psol psd psc dem

    Curtir

  7. luis silviano marka

    Maravilha! Já passou da hora de fechar essa indústria de ações trabalhistas baseadas em malandragem, mentira, enganações e ganância.

    Curtir

  8. Perfeita, senhora Juíza.

    Curtir

  9. Rafael Rodrigues de Melo Neto

    Parabens,meretíssima!
    Que diabos tem a ver a empresa, se o cidadão acidentou-se na trajeto?
    Estava na hora de acabar com a industria da malandragem, que, inclusive, era incentivado pelo Ministerio do Trabalho!

    Curtir

  10. Hélio Barbosa

    Boa tarde a todos
    Concordo com seu comentário José Martins…
    Estão corrigindo algumas léis trabalhista…
    Mais infelizmente onde tem mais modormia não corrigem.

    Curtir