Clique e assine a partir de 9,90/mês

Covid-19: Mortes têm queda geral no Nordeste, mas a Bahia ainda preocupa

Estado teve o segundo pior recuo entre os nove da região nas últimas duas semanas e acumula uma média móvel alta, de 59,4 óbitos; Ceará vê sua taxa desabar

Por Mariana Zylberkan, Alexandre Senechal - Atualizado em 31 ago 2020, 20h49 - Publicado em 31 ago 2020, 20h16

Dois dos estados mais afetados pela pandemia do novo coronavírus no país, Bahia e Ceará vivem ritmos diferentes na desaceleração geral de mortes pela doença que vem ocorrendo no Nordeste – na região, a média móvel de óbitos caiu 19,5% nos últimos quatorze dias, e todos os nove estados sofreram retração nesse período.

O Ceará viu a sua taxa de mortes cair de 26,3 para 16,7 nesta segunda-feira, 31 – o recuo de 26,5% só ficou atrás do de Sergipe, que liderou o ranking positivo com 38,1%. Já a Bahia, que experimentou uma redução de apenas 10,41%, pior apenas que a do Maranhão (10,1%), ainda ostenta a maior média móvel da região: 59,4 óbitos.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine

Em número de casos, no entanto, o Ceará manteve uma média móvel alta, de 1.341,30, nesta segunda-feira, 31, praticamente a mesma de quatorze dias atrás (1.363,30). Percentualmente, a Bahia se saiu um pouco melhor, com uma queda de 15,2%, ainda assim inferior à do Nordeste, que teve um recuo de 17,1% – como ocorre com mortes, o estado também tem a maior média móvel da região (2.788,4 casos).

Diante dos números ainda altos, principalmente na região metropolitana, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), não descartou adotar o lockdown, medida mais drástica de isolamento social, caso as cenas de pessoas sem máscaras nas ruas e aglomerações continuem a serem registradas na capital soteropolitana. “Nenhuma medida está descartada”, disse em entrevista coletiva no sábado, 29. Na mesma ocasião, ele anunciou a redução do horário de funcionamento do comércio em quatro bairros da cidade por até sete dias. Bares e restaurantes também vão funcionar em escala reduzida de horário, das 12h às 16h, durante a próxima semana como medida para conter o avanço da doença.

Por outro lado, o Ceará se prepara para retomar a rotina de aulas presenciais em creches e pré-escolas, sessões de cinema e de teatro a partir desta terça-feira, 1º. De acordo com decreto estadual, essas atividades terão liberação gradual na região metropolitana de Fortaleza. Salas de cinemas e de teatros, além de museus e bibliotecas vão poder receber o público até o limite de 35% da capacidade total.

Continua após a publicidade
Publicidade