Clique e assine a partir de 9,90/mês

Covas abertas em cemitério de SP viram destaque no ‘Washington Post’

Maior da América Latina, cemitério da Vila Formosa virou destaque na capa do jornal por causa da quantidade de covas abertas

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 19h25 - Publicado em 2 abr 2020, 11h20

A alta movimentação por enterros no cemitério da Vila Formosa, que é o maior da América Latina e fica localizado na zona leste de São Paulo, foi destaque no jornal americano The Washington Post, nesta quinta-feira, 2, que publicou imagem de dezenas de covas abertas para receber vítimas fatais do coronavírus. Na legenda da foto, o jornal lembrou que Jair Bolsonaro já tratou a doença como uma “fantasia”.

Diante do aumento de mortes em decorrência do coronavírus na capital paulista, que concentra o maior número de casos confirmados e de óbitos no país, os cemitérios na cidade têm corrido contra o tempo para sepultar as vítimas. O Vila Formosa é o maior cemitério da cidade com 763.000 metros quadrados. Foram registrados pedidos de contratos emergenciais para a compra de equipamentos de segurança para os funcionários, em função do risco de contaminação nos enterros.

De acordo com funcionários do cemitério, a alta demanda de sepultamentos tem exigido a abertura de cerca de 100 covas por dia, o dobro do habitual antes da pandemia. Nesta quarta-feira, 1º, foram realizados 57 enterros no Vila Formosa, antes esse número era por volta de 40.

 

Cemitério Vila Formosa, em SP, é destaque no jornal americano The Washington Post Reprodução/Reprodução

ASSINE VEJA

Coronavírus: a salvação pela ciência
Coronavírus: a salvação pela ciência Enquanto os melhores laboratórios do mundo entram em uma luta bilionária contra a doença, países trazem experiências bem-sucedidas para que a vida e a economia voltem à normalidade
Clique e Assine
Continua após a publicidade
Publicidade