Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cartéis mexicanos têm parceria com PCC no Brasil

Informação é complementada por relatório de embaixada no México, que mostra que Sinaloa e Jalisco Nueva Generación estão avançando na fronteira do país

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 9 jan 2022, 12h59

Um documento produzido pela embaixada do Brasil no México a partir de informações confidenciais de autoridades mexicanas e de colaboradores em nações fornecedoras de cocaína traçou um raio-X do rápido avanço de dois dos mais violentos cartéis mexicanos de drogas do mundo e acendeu o sinal de alerta em autoridades brasileiras. As conclusões do levantamento, a que VEJA teve acesso, mostram que os cartéis de Sinaloa, cujo mais famoso chefe, ‘El Chapo’ Guzmán, cumpre prisão perpétua nos Estados Unidos, e o Jalisco Nueva Generación (CJNG), atualmente o maior grupo criminoso do país latino, têm ocupado posições estratégicas na fronteira brasileira e há pelo menos quatro anos têm uma “parceria de conveniência” com a maior facção do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Segundo unidades de inteligência do governo mexicano informaram ao Brasil, pelo menos desde 2018 os dois cartéis começaram a estabelecer “conexões concretas” com o PCC por meio de contatos construídos pelo traficante Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, braço direito do líder do PCC Marco Wilians Herbas Camacho, o Marcola. Fuminho foi preso em Moçambique em abril de 2020 e hoje está detido no presídio de segurança máxima de Catanduvas (PR).

O objetivo da parceria entre os narcos mexicanos e a facção brasileira ainda não está totalmente desvendado. A Polícia Federal diz que os mexicanos não têm bases montadas em território nacional, mas os contatos com o PCC, acreditam investigadores, podem pavimentar futuras transações comerciais, novas rotas de transporte da droga e alianças para lavagem de dinheiro. Em todo o ano passado, a PF fez 63 operações para combater facções e organizações criminosas ligadas ao tráfico e que atuam nas fronteiras brasileiras, prendeu 229 pessoas e confiscou 76,7 milhões de reais.

Conforme mostrou VEJA, os cartéis têm se aproveitado também de fragilidades governamentais na Venezuela e no Peru para avançar sobre a América do Sul. Um dos relatórios produzidos pela embaixada afirma que os grupos criminosos têm se beneficiado da deliberada baixa fiscalização contra o narcotráfico no governo do venezuelano Nicolás Maduro e do abandono de políticas de destruição de plantações de coca na administração peruana de Pedro Castillo, cujos integrantes chegaram a defender publicamente o banimento da DEA, o Departamento Antinarcóticos dos Estados Unidos, do país.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.