Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

EUA aplicam sanções contra PCC e colocam grupo em ‘lista proibida’

Medidas foram aplicadas por meio de decreto do presidente Joe Biden para sufocar financeiramente a organização por meio do bloqueio de bens

Por Da Redação Atualizado em 15 dez 2021, 17h52 - Publicado em 15 dez 2021, 17h49

Em uma medida inédita, o governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira, 15, que irá aplicar sanções econômicas contra o grupo criminoso brasileiro Primeiro Comando da Capital (PCC). O anúncio representa a primeira vez que uma organização brasileira é colocada na lista de organizações ou pessoas proibidas de movimentar bens no sistema financeiro americano.

As sanções foram aplicadas pelo Departamento do Tesouro americano por meio de um decreto do presidente Joe Biden, com objetivo de modernizar medidas contra o tráfico de drogas e sufocar financeiramente a organização por meio do bloqueio de bens de seus principais integrantes no exterior.

O departamento federal antidrogas americano, o DEA, monitora há cerca de dez anos a atuação do líder do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, conhecido como Marcola, diante das suspeitas de contato com cartéis mexicanos.

O decreto permite que o Tesouro sancione estrangeiros que, conscientemente, recebam bens que constituam, ou sejam derivados de, atividades ilícitas relacionadas ao tráfico. Além disso, também estão bloqueadas todas as entidades que possuem, direta ou indiretamente, 50% ou mais por uma ou mais indivíduos bloqueados.

“O tráfico de drogas ameaça a segurança nacional, economia, comunidades e famílias”, afirmou o subsecretário de Terrorismo e Inteligência Financeira, Brian Nelson, em nota à imprensa. “Com a nova Ordem Executiva do presidente Biden, o Tesouro conseguirá aplicar suas sanções com maior rapidez, poder e efeito em todo o ecossistema das drogas ilícitas, especialmente aqueles que lucram com a morte e a miséria da epidemia de opiáceos”.

Além do PCC, uma das maiores redes de tráfico de cocaína do mundo, outras 15 entidades e 10 indivíduos em quatro países também foram mirados. Além do tráfico, o grupo criminoso brasileiro também está envolvido em lavagem de dinheiro, extorsão, assassinato por aluguel e cobrança de dívidas de drogas, com atuação em toda a América do Sul e presença financeira que se estende até EUA, Europa, África e Ásia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)