Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Arqueologia da tortura: escavações do DOI-Codi tiram passado a limpo

As escavações aconteceram no mês de aniversário da Lei da Anistia e buscam transformar prédio histórico em memorial

Por Marília Monitchele Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 29 ago 2023, 16h48 - Publicado em 29 ago 2023, 16h00

44 anos, em 28 de agosto de 1979, promulgava-se a Lei da Anistia, fundamental para o fim da ditadura militar brasileira e o início da redemocratização. A data será lembrada pelo Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, que participará, até 1° de setembro, da Semana da Democracia e Anistia, com uma série de iniciativas que tem como objetivo propiciar o debate e a reflexão sobre o período de exceção e relembrar a trajetória dos perseguidos pelo regime. Meta semelhante também foi compartilhada pelo primeiro esforço de escavação de um dos maiores marcos do regime militar, o DOI-Codi, que aconteceu na primeira quinzena deste mês. 

O prédio do Doi-Codi, localizado na Rua Tutoia, 921, em São Paulo, foi um dos lugares mais simbólicos (e tenebrosos) da ditadura militar brasileira. O departamento, conhecido como a central de tortura e assassinato dos adversários do regime, recebeu cerca de 7 mil presos, dos quais se estima que mais de 50 foram assassinados entre 1969 e 1975, incluindo o jornalista Vladimir Herzog. O prédio era uma espécie de quintal do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ídolo do ex-presidente Jair Bolsonaro e, reconhecidamente, um dos grandes torturadores do regime militar. Apesar de sua relevância histórica, a construção nunca tinha sido estudada a fundo – até que as recentes escavações trouxessem à tona a memória desse período obscuro da história brasileira. 

Vladimir Herzog, assassinado nas dependências do DOI-CODI, em São Paulo
Vladimir Herzog, assassinado nas dependências do DOI-Codi, em São Paulo (VEJA.com/VEJA)

O local passou por uma varredura completa e foram encontrados vestígios de material biológico, que pode ser sangue, e itens do cotidiano, como botões, solas de sapato e tinta para carimbo. Em um banheiro do primeiro andar achou-se, sob camadas de tinta e cimento, inscrições de um calendário que, de acordo com as datas, pode ser de 1970 ou de 1981. A equipe acredita que a marcação tenha sido feita por uma presa mulher. Além disso, curiosamente, um pedaço de cerâmica indígena pré-colonial também estava entre os achados. Todos os itens encontrados estão no Laboratório de Arqueologia Pública da Unicamp, onde serão processados e estudados. O grupo usará como apoio de pesquisa os testemunhos de presos políticos que passaram pelo local e outras fontes históricas do período. 

“É preciso lembrar que a ditadura não é uma narrativa”, diz Andrés Zarankin, professor do Departamento de Arqueologia e Antropologia da UFMG. “As marcas das torturas, os depoimentos dos sobreviventes são provas, que em outros países se usam para processar os responsáveis. Aqui, já que existe a anistia, tentamos recuperar esses elementos para que sirvam para enxergar criticamente esse momento.”

Continua após a publicidade
Corredor do primeiro andar do prédio do DOI-CODI, um dos principais centros de tortura da Ditadura Militar -
Corredor do primeiro andar do prédio do DOI-Codi, um dos principais centros de tortura da ditadura militar (Joy Camilo/Reprodução)

Durante as escavações, centenas de pessoas puderam acompanhar de perto o trabalho dos pesquisadores. O grupo recebeu, inclusive, ex-presos políticos que passaram pelo local durante o regime militar, a grande maioria não pisava ali havia décadas. A memória dos presos e torturados recuperam minúcias, que se tornam visíveis nos vestígios arqueológicos. Dessa forma, a empreitada pode ajudar a ativar memórias dos detalhes mais importantes do funcionamento do DOI-Codi durante o regime, que podem ter sido apagadas pelo tempo ou pelo trauma. 

 “A gente não teve justiça de transição da ditadura, algo que transformou e fez a sociedade se refazer”, diz Claudia Plens, professora do Departamento de Arqueologia da Unifesp. “Isso deixa a estrutura social muito danificada. As pessoas sofreram e acabaram ficando quietas, mas, assim que a gente entrou aqui, muitos foram motivados a voltar a falar.” 

Escavações encontraram vestígios de material biológico e itens do cotidiano, além da inscrição de um calendário na parede de um dos banheiros -
Escavações encontraram vestígios de material biológico e itens do cotidiano, além da inscrição de um calendário na parede de um dos banheiros (Joy Camilo/Reprodução)

A expectativa é que a recuperação dessa memória possa fortalecer os argumentos que pedem, desde 2001, que o edifício seja transformado em um memorial. Em junho de 2021, o Ministério Público de São Paulo entrou com uma ação judicial para implementar no local um espaço de memória dedicado à reflexão sobre a ditadura.

A ação, entre o MP-SP e a Fazenda Pública do Estado de São Paulo, ainda está em andamento. Enquanto uma decisão nesse sentido não sai, o grupo reúne informações e materiais para a criação de um memorial virtual. Um filme sobre as escavações e a memória histórica do DOI-Codi também está sendo produzido pela cineasta Carla Gallo. 

Uma das salas do DOI-Codi, em São Paulo, usada para tortura e interrogatório de suspeitos de dissidência
Uma das salas do DOI-Codi, em São Paulo, usada para tortura e interrogatório de suspeitos de dissidência (Felipe Bezerra/Unicamp/Divulgação)

“A gente está falando de uma ditadura que aconteceu há algumas décadas, mas a gente ainda vive em um país muito violento”, diz Claudia Plens. “Tocar nessa ferida do passado é lembrar, em certa medida, o que continua acontecendo hoje.” “Essa tradição de sempre virar a página sem apurar nos faz ter essa normalidade de aceitar a violência como parte da nossa estrutura social, a ponto de a gente às vezes nem identificar que ela é um um fator estruturante”, completa Deborah Neves, coordenadora das escavações no prédio.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.