VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Metrópolis: o levante social de uma sociedade dividida

Distopia alemã aborda luta de classes por meio de um mundo hipotético onde trabalhadores habitam andar subterrâneo

Por Raquel Carneiro - Atualizado em 29 nov 2019, 11h43 - Publicado em 29 nov 2019, 07h00

Metrópolis, de Thea Von Harbou (tradução de Petê Rissatti; Aleph; 416 páginas; 99,90 reais) Marco do expressionismo alemão, o filme Metrópolis (1927), do austríaco Fritz Lang, ganhou status de clássico ao apresentar uma sociedade dividida em dois andares: um superior, da elite, e o outro subterrâneo, dos trabalhadores — o que culmina num levante. A ideia nasceu na mente da alemã Thea Von Harbou, mulher de Lang, autora do livro que o inspirou e do roteiro do filme. A edição de luxo tem tradução inédita do alemão e bons extras. Uma das análises examina a figura complexa de Thea: a roteirista abraçou o nazismo, enquanto Lang, filho de uma judia, fugiu para os Estados Unidos.

Publicidade