Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Metrópolis: o levante social de uma sociedade dividida

Distopia alemã aborda luta de classes por meio de um mundo hipotético onde trabalhadores habitam andar subterrâneo

Por Raquel Carneiro Atualizado em 29 nov 2019, 11h43 - Publicado em 29 nov 2019, 07h00

Metrópolis, de Thea Von Harbou (tradução de Petê Rissatti; Aleph; 416 páginas; 99,90 reais) Marco do expressionismo alemão, o filme Metrópolis (1927), do austríaco Fritz Lang, ganhou status de clássico ao apresentar uma sociedade dividida em dois andares: um superior, da elite, e o outro subterrâneo, dos trabalhadores — o que culmina num levante. A ideia nasceu na mente da alemã Thea Von Harbou, mulher de Lang, autora do livro que o inspirou e do roteiro do filme. A edição de luxo tem tradução inédita do alemão e bons extras. Uma das análises examina a figura complexa de Thea: a roteirista abraçou o nazismo, enquanto Lang, filho de uma judia, fugiu para os Estados Unidos.

Publicidade