Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Picciani e conselheiros do TCE-RJ são alvos da Polícia Federal

Cinco dos sete conselheiros do órgão tiveram prisão preventiva decretada, e Jorge Picciani, presidente da Alerj, teve condução coercitiva

A Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Quinto do Ouro, que investiga pagamentos de vantagens indevidas possivelmente desviadas de contratos públicos no Estado do Rio de Janeiro, que teriam beneficiado membros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) e da Assembleia Legislativa (Alerj).

Jorge Picciani (PMDB), presidente da Alerj, sofreu condução coercitiva, e cinco dos sete conselheiros do TCE tiveram prisão preventiva decretada: Aloísio Neves, atual presidente da corte de contas, José Gomes Graciosa, José Maurício Nolasco, Marco Antônio Alencar e Domingos Brazão (vice-presidente da corte) e um ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Houve também bloqueio de bens e valores, com  43 mandados na cidade do Rio de Janeiro, Duque de Caxias e São João do Meriti.

As investigações têm os trabalhos supervisionados pelo Superior Tribunal de Justiça e pela Procuradoria-Geral da República. A Operação Quinto do Ouro não faz parte dos trabalhos da Lava Jato, mas originou-se dos depoimentos da força-tarefa: as delações do ex-presidente do Tribunal de Contas, atual conselheiro Jonas Lopes, e de seu filho, alvos da Operação Descontrole, desdobramento da Lava Jato no RJ, em dezembro do ano passado, foram usadas na operação. Jonas Lopes, por sua vez, foi citado em delação do sócio da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco Junior, que acusa o ex-presidente do TCE de cobrar propina de R$ 1 milhão, e delatado por Leandro Andrade, ex-executivo da Odebrecht, que diz ter pago a Lopes propina de R$ 4 milhões por obras no Maracanã.

A empresa da família Picciani também foi citada no acordo de leniência de Tânia Fontenelle, executiva da Carioca Engenharia, que afirmou que ‘”comprou vacas superfaturadas” de uma empresa da família, a Agrobilara Comércio e Participações Ltda., para caixa 2 de empreiteira.

A Polícia Federal vê indícios de que agentes públicos teriam recebido propina para possibilitar o uso de um fundo especial do TCE-RJ para pagar contratos do ramo alimentício atrasados junto ao Poder Executivo do Estado e para não criar embaraços na análise de contratos públicos possivelmente superfaturados.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Esse Picciani é o progenitor, daquele filho aplicado que encontra-se em Brasilia, colocando em pratica tods os ensinamentos recebidos do Papi. De pai para filho, enganando os incautos eleitores. Será??

    Curtir

  2. Nunca na história do país 2018 será um ano especialmente importante para passar o Brasil à limpo. Acordem povo brasileiro, vamos fazer uma faxina e, não reelejam ninguém!

    Curtir

  3. Alexsandro Vieira

    A Rei, filho de peixe, será, bem, pra mim os tribunais regionais de contas, seja do estado ou municipio
    Estão todos contaminandos, eu dissolviria tudo….

    Curtir