Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Juros – Alta na Selic é apenas o começo de nova série, dizem analistas

Por Denyse Godoy, na Folha:Efeito imediato a elevação de juros anunciada na noite de ontem não deve ter, explicam especialistas. O que conta mesmo é a mensagem passada para os empresários e o mercado: o BC não deixará a inflação fugir da meta. Espera-se que o Copom dê continuidade ao ciclo de aumento da Selic […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 19h38 - Publicado em 17 abr 2008, 07h07
Por Denyse Godoy, na Folha:
Efeito imediato a elevação de juros anunciada na noite de ontem não deve ter, explicam especialistas. O que conta mesmo é a mensagem passada para os empresários e o mercado: o BC não deixará a inflação fugir da meta. Espera-se que o Copom dê continuidade ao ciclo de aumento da Selic ao longo do ano -até que ela fique entre 12,75% e 13,25%- para de fato conseguir esfriar o consumo. O crescimento do país só seria afetado em 2009.
“O Brasil tem mostrado que consegue crescer mesmo com juro mais alto. Existem outros fatores que limitam o seu avanço, como a infra-estrutura precária e um ambiente regulatório que gera incertezas”, afirma Rafael Guedes, diretor-executivo da Fitch Ratings no país. “Não é função de uma agência de classificação de risco avaliar as medidas tomadas, mas lembro que o BC tem um histórico de acertos.”
Como fará a dívida interna do governo se avolumar, a elevação dos juros pode atrasar um pouco a obtenção do tão desejado grau de investimento se a administração federal não se preocupar em cortar e melhorar a qualidade dos seus gastos.
Mesmo assim, parte dos analistas considera correta a decisão de voltar a aumentar os juros. “Embora a inflação observada atualmente se deva bastante ao aumento de preços das commodities, dos alimentos, os indicadores também apontam que a economia está aquecida. Esse aumento dos juros já estava sendo considerado pelo mercado financeiro no preço dos ativos.
Assinante lê mais aqui
Publicidade