Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

João Vaccari é alvo (de novo) de operação da PF

Vaccari já está detido em Curitiba desde abril do ano passado e foi condenado pelo juiz Sergio Moro a cerca de 25 anos de prisão em dois processos

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h26 - Publicado em 23 jun 2016, 16h17

Por Laryssa Borges, de Brasília
O notório ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que comandou as finanças do partido no auge do escândalo do petrolão, é alvo – mais uma vez – de investigações policiais que combatem escândalos de propina. Ao lado do também ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, Vaccari é alvo de apurações da Operação Custo Brasil.

Vaccari já está detido em Curitiba desde abril do ano passado e foi condenado pelo juiz Sergio Moro a cerca de 25 anos de prisão em dois processos. A nova ofensiva contra Vaccari agrava a situação do petista que, conforme revelou VEJA, ameaça fechar um acordo de delação premiada e detalhar os meandros do esquema de arrecadação de propina do partido, incluindo minúcias da campanha eleitoral de Dilma Rousseff em 2014 e as traficâncias do ex-presidente Lula.

Paulo Ferreira, por sua vez, já havia aparecido em depoimentos do delator Alexandre Romano, conhecido como Chambinho, como um dos destinatários de “repasses” e conhecedor do esquema de pagamento de propinas por meio da empresa Consist. “Paulo Ferreira, ex-secretário de Relações Institucionais do PT, lhe procurou, de forma autônoma, pedindo repasses ao escritório Portanova para ‘ajudá-lo’. Paulo Ferreira já sabia do contrato da Consist porque o declarante já havia comentado com ele sobre o contrato, especialmente porque estava preocupado com a situação do contrato”, diz trecho de um depoimento prestado por Chambinho.

O Portanova a que o delator se refere é o escritório Portanova&Advogados Associados, que tem como sócio Daisson Portanova, também alvo da Operação Custo Brasil. O escritório já havia sofrido buscas na 18ª fase da Operação Lava Jato, em agosto do ano passado, após revelações de que recebeu dinheiro do esquema da Consist.

Segundo o Ministério Público, as investigações apontam para a “participação ativa de Ferreira e Vaccari para que a Consist fosse contratada” e parte dos valores desviados para o PT.

Continua após a publicidade
Publicidade