Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Previdência de Doria fica para fevereiro e a culpa não é só da oposição

Discussão do projeto que muda as aposentadorias estaduais foi parar nos tribunais

Por Pedro Carvalho - Atualizado em 20 dez 2019, 14h09 - Publicado em 20 dez 2019, 13h09

A reforma da previdência de João Doria (PSDB) na Assembleia Legislativa de São Paulo ficou para 2020. E a culpa não pode ser creditada apenas ao trabalho da oposição.

É que um dos dispositivos da nova reforma foi questionado na Justiça pela oposição por ter sido atropelado. A proposta passou pela CCJ sem parecer do colegiado. O relator, então, o apresentou em Plenário.

Por causa da ação da oposição, o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), recorreu ao Supremo Tribunal Federal para derrubar a liminar. Teve efeito contrário. Macris afirmou que não votaria mais nada em Plenário até que o pedido de suspensão da decisão que barrou a tramitação da Reforma da Previdência estadual seja avaliado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo..

No TJ, o prazo era de cinco dias para posicionamento das partes; no STF, aumentou para quinze, sem prazo para julgamento.

Continua após a publicidade

Com a demora, o judiciário deve entrar em recesso sem julgar a matéria.

Uma das propostas de mudança na Previdência do estado prevê aumento no recolhimento dos servidores, com desconto na folha de pagamento passando de 11% para 14%

Publicidade