Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PDT de Ciro lança nome contra frente de Lula e Freixo no Rio

Ex-prefeito de Niterói, Rodrigo Neves é o escolhido do partido

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 5 jul 2021, 20h00 - Publicado em 5 jul 2021, 19h06

Está cada vez mais difícil a articulação de uma possível aliança ampla entre partidos de centro-esquerda e centro-direita para rivalizar com um candidato bolsonarista nas eleições para o governo do estado do Rio. 

Acontece neste momento na sede do PDT, no centro da capital, um evento de lançamento do nome de Rodrigo Neves, ex-prefeito de Niterói, para uma possível pré-candidatura ao cargo de governador no ano que vem. 

Neves foi um prefeito bem avaliado na cidade vizinha. Nas eleições municipais do ano passado, conseguiu inclusive eleger seu sucessor, Alex Grael. 

O evento de lançamento é comandado pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que foi ministro nos governos dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Lula. 

O partido tentará pela segunda vez emplacar o nome de Ciro Gomes à presidência. A dificuldade de compor com o PT no Rio, onde as duas legendas têm proximidade histórica, pode melar o desejo de um setor da esquerda local de ter uma frente ampla anti-Bolsonaro no pleito de 2022. 

Essa frente é uma iniciativa que tem sido verbalizada pelo deputado Marcelo Freixo, recém filiado ao PSB justamente com o propósito de trazer partidos para o espectro de apoio de Lula, que deve ser o principal rival de Bolsonaro na disputa presidencial do ano que vem. 

O lançamento de mais um candidato de esquerda ou centro-esquerda, avaliam analistas da política do Rio, pode enfraquecer a formação de uma frente de oposição. Desde que a possibilidade de aliança foi ventilada que alguns atores políticos dizem ser possível ter um conjunto de partidos que aceitem dar ou receber apoios vindos de dois palanques presidenciais, a saber Ciro e Lula. 

Na ilusão de alguns apoiadores de Freixo, seria possível sonhar com dois presidenciáveis pedindo voto para sua campanha ao governo, algo que ficou claro que está descartado com o movimento pedetista na noite desta segunda.  

Continua após a publicidade
Publicidade