Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na contramão do Brasil, governador do Rio ignora alertas sobre Covid-19

Enquanto governadores se mobilizam contra agravamento da crise, Claudio Castro tem agenda de visitas a fábricas e cidades do interior

Por Mariana Muniz Atualizado em 4 mar 2021, 15h51 - Publicado em 4 mar 2021, 10h31

Enquanto os demais governadores do Brasil se desesperam em busca de formas para conter a propagação do coronavírus, no Rio da Janeiro Claudio Castro tem cumprido uma agenda bem diferente.

Ao longo de toda a semana, o governador em exercício fez um périplo por cidades da Baixada Fluminense e inaugurou obras, parques e anunciou projetos. Nada de Covid-19. Na contramão, o governador vetou um projeto de lei que autorizava a compra pelo estado de vacinas fora do Programa Nacional de Imunização.

Na terça-feira, dia em que representantes dos estados foram a Brasília para tratar da crise gerada pela Covid-19 com Arthur Lira, e que o Brasil chegou à pior marca de mortes desde o início da pandemia, Castro se reuniu com diretores de uma empresa de armas não letais. 

Em tempo: pronto desde junho de 2020, um hospital previsto para atender à segunda onda da Covid-19, o Hospital Modular de Nova Iguaçu, só será inaugurado em abril. Foi o terceiro adiamento da data pelo governo estadual.

 

ATUALIZAÇÃO, ÀS 15H51 de 04 de março de 2021 – A assessoria de imprensa do Palácio Guanabara procurou o Radar para encaminhar a seguinte manifestação do governador em exercício do Rio: “Como tenho dito desde o início, esta é uma questão técnica. A situação do Estado hoje, na última atualização, é a seguinte: das nove regiões do estado, sete estão em bandeira amarela, uma em bandeira laranja, a do Médio Paraíba, e uma em bandeira vermelha, a região Noroeste. Dentro da cidade do Rio, apenas a região de Copabacana está em bandeira vermelha. Estamos acompanhando diariamente e tenho falado com prefeitos de outras cidades. A situação da capital não se aplica a todos os municípios. Então, temos de acompanhar e ver o que pode ser aplicado em cada situação”.

Continua após a publicidade
Publicidade