Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Manobra militar 1

Enquanto a ala do governo ligada aos direitos humanos e as Forças Armadas se engalfinham devido à criação da Comissão da Verdade, os clubes Naval, Militar e da Aeronáutica realizam amanhã um seminário fadado a alimentar a polêmica. O painel, batizado de “A revolução de 31 de março de 1964 – com os olhos no […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 12h28 - Publicado em 24 mar 2011, 20h55

Enquanto a ala do governo ligada aos direitos humanos e as Forças Armadas se engalfinham devido à criação da Comissão da Verdade, os clubes Naval, Militar e da Aeronáutica realizam amanhã um seminário fadado a alimentar a polêmica. O painel, batizado de “A revolução de 31 de março de 1964 – com os olhos no futuro”, contará com as participações de Ives Gandra Martins, Sandra Cavalcanti e o general da reserva Sérgio de Avellar Coutinho.

Para se ter uma ideia do tom do evento: em recente artigo publicado na Folha de S. Paulo, Ives Gandra Martins ponderou que lutou pela redemocratização do país. Mas anotou que não considera a ditadura militar apenas “anos de chumbo”, acrescentando que o Brasil “evoluiu economicamente” e o Executivo nunca pressionou o STF durante o período.

Publicidade