Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Janot pediu afastamento depois de ver que Cunha não renunciaria

A Procuradoria-Geral da República monitorou os passos de Eduardo Cunha depois das operações de busca e apreensão realizadas em endereços ligados a ele. A expectativa da equipe de Rodrigo Janot era que Cunha tomasse a iniciativa de renunciar ao cargo de presidente da Câmara. Quando ficou claro que Cunha não sairia, o procurador-geral se convenceu […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h50 - Publicado em 17 dez 2015, 06h01
Busca foi aviso final a Cunha

Busca foi aviso final a Cunha

A Procuradoria-Geral da República monitorou os passos de Eduardo Cunha depois das operações de busca e apreensão realizadas em endereços ligados a ele.

A expectativa da equipe de Rodrigo Janot era que Cunha tomasse a iniciativa de renunciar ao cargo de presidente da Câmara. Quando ficou claro que Cunha não sairia, o procurador-geral se convenceu do que a equipe vinha defendendo há mais de uma semana: a permanência do deputado à frente da Casa era uma ameaça às investigações.

A nova acusação contra Cunha, de ter cobrado 52 milhões de reais em propina para liberar recursos do fundo de investimento do FGTS, pagos em novas contas no exterior, reforçou a convicção do Ministério Público de que o mandato do peemedebista foi usado para cometer atos ilícitos.

Continua após a publicidade
Publicidade