Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fogueira das vaidades

Sérgio Cabral relatou a um grupo de secretários do seu governo que ficou incomodado com uma rodada de entrevistas que Jorge Picciani, presidente do PMDB do Rio de Janeiro, deu a sites e programas de TV no fim do ano. Picciani sugeriu que o filho de Cabral, Marco Antonio, seja candidato a deputado daqui a […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 09h51 - Publicado em 26 dez 2011, 09h33

A relação de Sergio Cabral e Jorge Picciani já teve dias melhores

Sérgio Cabral relatou a um grupo de secretários do seu governo que ficou incomodado com uma rodada de entrevistas que Jorge Picciani, presidente do PMDB do Rio de Janeiro, deu a sites e programas de TV no fim do ano.

Picciani sugeriu que o filho de Cabral, Marco Antonio, seja candidato a deputado daqui a três anos. Com isso, Cabral teria que renunciar ao cargo de governador e Luiz Fernando Pezão, seu pré-candidato à sucessão, assumiria faltando alguns meses para as eleições. A movimentação faria com que Pezão não pudesse tentar uma suposta reeleição em 2018 e, assim, Picciani poderia voltar a dar as cartas nas escolhas que realmente tem importância no PMDB fluminense.

A quantidade de palpites e projeções para os próximos seis anos acabou irritando Cabral que, pelo menos por enquanto, ainda não definiu o que vai fazer da vida quando deixar o Palácio Guanabara.

Continua após a publicidade
Publicidade