Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dança das cadeiras

Com a aposentadoria de Cezar Peluso, uma dança das cadeiras foi feita no STF. Marco Aurélio Mello, que não é dos maiores fãs de Joaquim Barbosa (sendo a recíproca verdadeira), senta-se, agora, ao lado do colega, na bancada que fica à esquerda de Ayres Britto. Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, únicos a absolver João Paulo […]

Por Da Redação - Atualizado em 18 fev 2017, 13h26 - Publicado em 3 set 2012, 20h27

Novo lugar no STF

Com a aposentadoria de Cezar Peluso, uma dança das cadeiras foi feita no STF.

Marco Aurélio Mello, que não é dos maiores fãs de Joaquim Barbosa (sendo a recíproca verdadeira), senta-se, agora, ao lado do colega, na bancada que fica à esquerda de Ayres Britto.

Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, únicos a absolver João Paulo Cunha, mudam de bancada, vão para a que fica à direita de Britto, mas seguem juntos, sentados lado a lado.

Publicidade

No STF, a antiguidade do ministro determina em que cadeira ele vai sentar. O decano Celso de Mello, por exemplo, fica na primeira cadeira à direita do presidente. O segundo mais antigo, Marco Aurélio de Mello, fica na primeira à direita, e assim consecutivamente.

Publicidade