Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brasil fica no ‘G5’ dos países que temem golpe de estado, mostra Google

Troca-troca ministerial e mudança no comando das Forças Armadas acenderam alerta

Por Manoel Schlindwein Atualizado em 3 abr 2021, 12h47 - Publicado em 3 abr 2021, 12h02

Às vésperas da fatídica data de 31 de março, quando em 1964 houve um golpe militar no país, a hipótese da história se repetir ganhou força no imaginário dos brasileiros. Os primeiros sinais começaram na segunda, 29, quando o ministro Fernando Azevedo e Silva foi demitido por Jair Bolsonaro, em um dia que começara tenso, com a saída do chanceler Ernesto Araújo e que culminaria com uma dança das cadeiras ministerial a envolver outros quatro nomes.

O dia seguinte seria palco para a renúncia conjunta do comando das Forças Armadas, movimento excepcional na história recente do país. A temperatura já era por demais elevada quando, no início daquela noite, o recém-empossado ministro da Defesa Walter Braga Netto fez saber-se a “Ordem do Dia Alusiva ao 31 de março de 1964”. Na mensagem, trata o golpe como “movimento” e diz que o episódio deve ser “celebrado”.

Era o que bastava para que os brasileiros buscassem no Google informações relativas a “golpe de estado”. Naquele dia, o Brasil subiria ao pódio, ficando atrás de Mianmar, onde de fato ocorreu um golpe em fevereiro, e da Argentina, que lembra em 24 de março a queda de Isabelita Perón.

O temor da população se manteria elevado por mais um dia. Na quarta, nem mesmo a tentativa de golpe de estado no Niger, que acabou contaminando as preocupações dos vizinhos Togo e Mali, faria com que o Brasil saísse de uma espécie de “G-5” dos países que mais procuravam por golpe de estado na ferramenta de busca.

Continua após a publicidade
Publicidade