Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O aperto que evangélicos deram em Bolsonaro e Guedes por taxação a igrejas

Grupo fez pressão, até com power point; sessão no Planalto durou uma hora

Por Evandro Éboli - Atualizado em 15 maio 2019, 15h14 - Publicado em 15 maio 2019, 10h40

Os evangélicos estão com tudo e não estão prosa. Os líderes dessa bancada fizeram uma apresentação em power point do que entendem ser um excesso de cobrança contra suas igrejas,  ontem, no Planalto. Levaram até um técnico no assunto.

Durante uma hora, Bolsonaro, Paulo Guedes e o secretário da Receita, Marcos Cintra, ouviram os queixumes sobre um tanto de instruções normativas que cobram taxas de instituições religiosas.

Cintra disse que em dois anos se resolve isso. Guedes falou em dois meses. Bolsonaro pediu duas semanas para a questão estar solucionada.

Agora, só faltam os votos dos evangélicos no Congresso. No mesmo momento, a Câmara aprovava a convocação do ministro da Educação.

Publicidade