Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A morte do “Volta, Lula”

No dia 2 de maio de 2014, cinco meses antes do primeiro turno das eleições presidenciais, Lula foi ao 14º Encontro Nacional do PT, no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo, levando no bolso o discurso em que anunciaria sua candidatura à Presidência da República em substituição à presidente Dilma Rousseff. Lula estava […]

Por Da Redação - Atualizado em 10 Feb 2017, 09h19 - Publicado em 3 Oct 2015, 07h18
Lula e Dilma: radiante, abatida/abatido, radiante

Lula e Dilma: radiante, abatida/abatido, radiante

No dia 2 de maio de 2014, cinco meses antes do primeiro turno das eleições presidenciais, Lula foi ao 14º Encontro Nacional do PT, no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo, levando no bolso o discurso em que anunciaria sua candidatura à Presidência da República em substituição à presidente Dilma Rousseff. Lula estava radiante. Dilma, abatida. Antes que tivesse chance de falar aos delegados do encontro, Lula atendeu ao pedido de Dilma para uma conversa a sós. Eles conversaram durante vinte minutos trancados em uma sala. Lula saiu abatido. Dilma, radiante. Ato contínuo, Rui Falcão, presidente do PT, pediu aos 800 delegados presentes que, se concordassem com a indicação de Dilma como candidata, erguessem seus crachás vermelhos. Quando a presidente e seu padrinho irromperam diante da plateia, a candidata era Dilma. O “Volta, Lula” estava enterrado. Lula falou de improviso e não rimou lé com cré.

Publicidade