Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Publicidade
O Leitor Por Maicon Tenfen Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Os antigos costumavam dizer que é melhor se retirar com o olhar altaneiro do que ir morrendo à míngua
Camões, Pessoa e Drummond são indispensáveis, mas há muito a se descobrir fora da sala de aula
Além de escrever livros caudalosos como 'Cem Anos de Solidão', Garcia Márquez deu o melhor de si numa noveleta chamada 'Crônica de Uma Morte Anunciada'
Muitos personagens famosos leem sem que possamos saber o quê. É o caso de Hamlet, o mais inseguro — e por isso o mais forte — dos personagens ocidentais
O fenômeno Michael Jackson não se reduziu a um mero produto empacotado pela indústria cultural.
Longe de sinalizar a decadência da língua, os empréstimos vocabulares aí estão para demonstrar a vitalidade do diálogo que sustentamos com outras culturas
Não deixa de ser curioso que os dois grandes extremos da prosa criativa costumem se tocar sob a pena de um mesmo escritor
Em determinado ponto da carreira, depois de um ou dois livros de sucesso, muitos deles desaparecem da vida literária e social
Todo mundo é antimachista, anti-imperialista e anti-racista, mas ninguém resiste ao charme e à virilidade disfarçada em elegância de Bond, James Bond
Se alguém se ofendeu com a conversa do Cristo gay, existem correntes para as quais Jesus era um marciano dotado de poderes cósmicos
Publicidade