Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Convidada da Flip, argentina Graciela Mochkofsky lança 1º livro no Brasil

A escritora e jornalista argentina Graciela Mochkofsky (Crédito: Daniel Mordzinzki/Divulgação)

A escritora e jornalista argentina Graciela Mochkofsky (Crédito: Daniel Mordzinzki/Divulgação)

Em 22 de fevereiro de 2012, o choque de um trem contra a plataforma da estação Once, na capital da Argentina, Buenos Aires, e seu posterior descarrilamento deixaram 51 mortos e 795 feridos. Nesse ano, a jornalista argentina Graciela Mochkofsky, convidada da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) de 2014, deixou de lado seus outros projetos para se dedicar à investigação do caso, detalhado em seu primeiro livro traduzido para o português, o recém-lançado Estação Terminal – Viajar e Morrer como Animais (tradução de André de Oliveira Lima, e-galáxia, 220 páginas, 9,90 reais). A obra, disponível apenas em formato digital, já pode ser adquirida nas lojas virtuais Amazon, iBooks (Apple), Google Play, Livraria Cultura, Saraiva e IBA, a banca digital da Editora Abril.

Estação terminalEm Estação Terminal, Graciela tece dura crítica ao governo Cristina Kirchner a partir do drama pessoal das vítimas e de seus parentes, pessoas que vivem à mercê de um sistema político perverso e corrupto. A jornalista denuncia a precariedade do serviço de transporte ferroviário no país, que mal se sustenta com trilhos danificados e trens antigos, e sistemas falhos de freios, velocímetros e amortecedores.

Graciela, considerada um dos grandes talentos do jornalismo atual no país, se especializou na cobertura de política e costuma abordar em seus trabalhos as relações entre mídia e poder. Na Flip, ela trata do tema durante a mesa “Narradores do Poder”, ao lado do jornalista americano David Carr, no dia 2 de agosto, às 21h30.

Leia também:
Millôr Fernandes inspira a ‘Flip da contestação’
Escritores latinos são os primeiros confirmados na Flip

[lista id=”3010″]

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Alfredo

    A “tragedia argentina” é a mesma do Brasil, ou seja, um grupo alçou ao poder e valorizou uma moeda sem que nela houvesse trabalho ou riqueza reais. Essa valorização visava dois objetivos: esconder a ineficiência de um Estado inchado, gerador de inflação, e permitir que multinacionais importassem bens e remetessem lucros para suas matrizes. E percebem, a semelhança desses governos é clara: todos se dizem “SOCIALISTAS”…
    Agora, as consequencias para a infraestrutura desses infelizes países é exatamente a mesma, destruição da industria nacional, da educação, da saude, da segurança.
    A “tragédia argentina” foi simplesmente a consequencia da opção do povo por um governo que visa seu proprio bem estar, não o da população.
    Votaram errado.

    Curtir