Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Candidato do PSOL apoiado pelo PT lidera disputa pela Prefeitura de Belém

Edmilson Rodrigues, que já governou a cidade por dois mandatos quando era petista, também terá o apoio do PDT e ainda negocia com a Rede e o PCdoB

Por Redação - 6 ago 2020, 17h34

Um levantamento produzido pelo Instituto Paraná Pesquisas aponta para uma possibilidade real de Belém voltar a ser governada por um partido de esquerda nos próximos quatro anos. O deputado federal Edmilson Rodrigues, candidato do PSOL apoiado por PT e PDT, lidera as intenções de voto na capital do Pará. Na pesquisa estimulada, o psolista registra 39,3% da preferência do eleitorado, contra 11,3% do segundo colocado, o também deputado federal Celso Sabino (PSDB). A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos.

Rodrigues foi prefeito da cidade por dois mandatos consecutivos, entre 1997 e 2004, período no qual foi filiado ao PT. Em troca do apoio na eleição, o candidato concordou em ceder a posição de vice-prefeito para o antigo partido. O PT indicou a vereadora Ivanise Gasparim para compor a chapa com ele.

O candidato do PSOL deve contar com apoio ainda da Rede Sustentabilidade e discute uma aliança com o PCdoB. Este é um dos raros casos em que os partidos de esquerda conseguiram deixar as diferenças de lado para formar uma frente única na disputa pela prefeitura de uma capital. Situação semelhante ocorrerá em Florianópolis, onde as siglas de esquerda também se uniram para apoiar uma candidatura do PSOL.

Já Sabino se apresentou como pré-candidato à prefeitura pelo PSDB, mas corre o risco de ser expulso do partido pela direção nacional. O processo disciplinar poderá ser instaurado caso o tucano seja efetivado na liderança da maioria na Câmara dos Deputados. O presidente do PSDB, Bruno Araújo, afirma que Sabino concordou com a indicação do Centrão para o cargo sem abrir uma discussão com os dirigentes da sigla. Ele ocuparia o posto de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), um aliado de primeira hora do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Ainda segundo a pesquisa, 22,7% dos eleitores declararam que não votarão em nenhum candidato, enquanto 5,4% não sabem. O deputado federal Cassio Andrade (PSB) está em terceiro, com 9%, seguido do delegado Everaldo Eguchi (Patriota), 5,1%, do vice-prefeito Orlando Reis (MDB), 5%, e do deputado estadual Gustavo Sefer (PSD), 2,1%.

Na pesquisa espontânea, 72,7% dos entrevistados disseram que não sabem em quem votar. Outros 12,9% afirmaram que não irão escolher ninguém. Edmilson Rodrigues foi o candidato melhor colocado, com 7,3%, seguido do deputado federal Éder Mauro (PSD), com 2,3%.

Avaliações de governos

O instituto Paraná Pesquisas também avaliou as administrações do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), e do governador Helder Barbalho (MDB). Coutinho, que já está no segundo mandato, acumula alta rejeição, com 73,4% dos entrevistados reprovando sua gestão (22,6% disseram aprovar seu governo). Já Barbalho é aprovado por 64,1% dos paraenses, contra 30,4% que o rejeitam. Chama a atenção que o governador manteve sua avaliação em alta depois de ter sido alvo de uma operação da Polícia Federal que apurava fraudes na compra de respiradores durante a pandemia de Covid-19.

O Paraná Pesquisas realizou o levantamento por telefone entre os dias 1º e 4 de agosto. Foram ouvidas 700 pessoas, seguindo a amostragem estratificada de eleitores por sexo, faixa etária, grau de escolaridade e posição geográfica. O grau de confiança da pesquisa é de 95%.

Continua após a publicidade
Publicidade