Clique e assine com até 92% de desconto
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cabos eleitorais em SP, Bolsonaro e Doria são reprovados por mais de 40%

Segundo o Paraná Pesquisas, presidente tem 41,9% de ‘ruim/péssimo’, enquanto o governador ostenta 40,4%; prefeito Bruno Covas (PSDB) tem avaliação positiva

Por Da Redação Atualizado em 1 out 2020, 11h29 - Publicado em 1 out 2020, 11h17

Dois dos principais cabos eleitorais na disputa pela prefeitura de São Paulo na eleição deste ano, o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Doria (PSDB) não têm muito o que comemorar no último levantamento do instituto Paraná Pesquisas, divulgado nesta quinta-feira, 1º de outubro: ambos têm um percentual de “ruim/péssimo” maior que o de “ótimo/bom”.

O presidente, que insinuou apoio a Celso Russomanno (Republicanos) em setembro, na reta final para a inscrição das candidaturas, mas que ainda não fez nenhum gesto público em favor da candidatura do deputado federal, tem 29,9% de “ótimo/bom” na avaliação de sua gestão e 41,9% de “ruim/péssimo” entre os eleitores da cidade de São Paulo – outros 26,2% avaliam seu governo como “regular”.

Bolsonaro é mais mal avaliado entre as mulheres (47,4% de “ruim/péssimo”), os jovens de 16 a 24 anos (49,2%) e os que têm ensino superior completo ou incompleto (50,5%). Já as maiores taxas de “ótimo/bom” estão entre os homens (35,9%), entre os que têm de 45 a 59 anos (37%) e entre os que cursaram até o ensino fundamental (32,2%).

  • Doria, que apoia a candidatura do prefeito Bruno Covas (PSDB), tem números parecidos com os de Bolsonaro: 20,1% acham que o seu desempenho à frente do governo de São Paulo é “ótimo/bom”, enquanto 40,4% o avaliam como “ruim/péssimo” – 37,2% consideram a gestão regular. O tucano deixou a prefeitura de São Paulo em 2018, menos de dois anos após ser eleito, para disputar o comando do estado – foi eleito, mas perdeu entre os paulistanos para Márcio França (PSB) no segundo turno.

    ASSINE VEJA

    A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
    Clique e Assine

    Prefeitura

    Já Bruno Covas tem uma avaliação mais positiva do que negativa dos eleitores da cidade: segundo o levantamento, ele tem 31,8% de “ótimo/bom”, 29,1% de “ruim/péssimo” e 37,1% de “regular’. Os números do tucano permanecem estáveis em relação à avaliação feita em agosto: em todas as faixas, variou apenas dentro da margem de erro.

    Pesquisa

    Russomanno e Covas estão empatados tecnicamente na disputa pela prefeitura, segundo levantamento o Paraná Pesquisas, mas Russomanno aparece numericamente à frente: ele tem 25,6% das intenções de voto contra 21,5% do tucano – a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi a primeira feita pelo instituto após a confirmação dos candidatos e ouviu por telefone 1.000 eleitores entre os dias 26 e 30 de setembro.

    Na disputa pelo terceiro lugar, há quase um empate numérico entre Márcio França, que tem 8,3% das intenções de voto, e o líder do movimento sem-teto Guilherme Boulos (PSOL), que tem 8.2%.

    Continua após a publicidade
    Publicidade