Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
O jardineiro casual Por Marcelo Marthe Ideias práticas e reflexões culturais sobre jardinagem, paisagismo e botânica

Jacarandá: um argentino que é bom de bola – ops, de flores

A árvore que deixa tudo azul por aqui nessa época vem do país vizinho e é espetacular. Mas os jacarandás brasileiros não ficam atrás em beleza

Por Marcelo Marthe - Atualizado em 24 out 2017, 15h02 - Publicado em 24 out 2017, 14h58

Quem é melhor: Pelé ou Maradona? No futebol, todo mundo sabe que só há uma resposta possível para essa questão, claro. Mas a coisa se inverte diante de certa bola dividida botânica: quando o assunto é a beleza dos jacarandás, não é que os hermanos levam ligeira vantagem no jogo? Ou, pelo menos, têm a seu favor a torcida do senso comum.

Pois bem: este momento do ano é perfeito para o brasileiro tirar a conclusão por si próprio na disputa dos jacarandás. Em cidades como São Paulo, o último suspiro da seca antes da chegada das chuvas de verão deixa tudo azul: sim, a florada dos jacarandás é a responsável pelo tom de roxo quase anil ofuscante que toma as ruas e parques. E, na maioria da vezes, tais árvores imponentes são da espécie Jacaranda mimosifolia – o famigerado jacarandá vindo de países que são nossos vizinhos ao sul, como a Argentina. O que poucos sabem é que, yes, a gente tem belíssimos jacarandás nativos que merecem ser cultivados.

Jacarandá Mimosifolia
Jacarandá Mimosifolia, vulgo jacarandá argentino IStock/Getty Images

A importação do jacarandá mimoso não é uma fraqueza exclusiva dos brasileiros: até em cidades europeias e americanas, ninguém abre mão de cultivar em espaços públicos esse espetáculo do paisagismo. Rústico e frondoso, o jacarandá cresce rápido e proporciona ótima sombra. Tendo sol e espaço o bastante, a árvore vai que é uma beleza. E a cor de sua florada é inigualável: um azul vivo, profundo, de efeito durável.

Como não me considero um jardineiro xiita, não tenho nada contra o uso do jacarandá gringo no plantio urbano. Ele é tão nobre e adaptado ao nosso clima que a questão da origem passa a ser irrelevante. Mas defendo vivamente que se dê chances aos jacarandás das matas brasileiras. Das inúmeras espécies nativas, duas merecem especial atenção: o Jacaranda brasiliana e o Jacaranda cuspidifolia.

Publicidade
Jacarandá Brasiliana
Jacarandá Brasiliana, vulgo jacarandá boca-de-sapo Mauro Guanandi/Flickr

O primeiro é também conhecido como Jacarandá boca-de-sapo, porque sua vargem seca lembra vagamente a boca larga de um batráquio. Ele lembra o jacarandá argentino, mas tem menor porte e crescimento mais lento – detalhe que certamente o desfavoreceu na disputa com o similar estrangeiro no cultivo urbano.

Jacarandá Cuspidifolia
Jacarandá Cuspidifolia, vulgo jacarandá de Minas Mauricio Mercadante/Flickr

Já o Jacaranda cuspidifolia tem o nome popular de jacarandá de Minas, por ser originário dos cerrados e matas daquele estado. E é uma joia incomum: suas flores são ainda mais azuladas que as dos outros jacarandás, e vêm geralmente acompanhadas das novas folhas de delicado formato pontiagudo. É o meu favorito.

E você, leitor: vai de Pelé ou Maradona?…

 

Publicidade

 

Publicidade
Publicidade