Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fear the Walking Dead

O começo do fim

No espírito da mais absoluta transparência, declaro aqui que sou fã incondicional de The Walking Dead.

(Já o Guilherme Gouveia, que desenha e gerencia este blog e está valorosamente casado comigo há muuuito tempo, diz que é um dramalhão com zumbis – uma das nossas poucas áreas de desarmonia doméstica). Acho que TWD não só é eletrizante como consegue discutir o in extremis da moralidade com muito mais contundência e propriedade do que boa parte da literatura e da filosofia que se produz hoje (e meu amigo Jerônimo Teixeira escreveu um texto brilhante a esse respeito alguns anos atrás, na Veja, comparando TWD e o Ensaio Sobre a Cegueira do Saramago). E, claro, TWD tem zumbis! O que pode ser mais sensacional do que o apocalipse zumbi?

Mas, embora não se possa julgar uma série por um episódio apenas, no caso de Fear the Walking Dead o melodrama por enquanto está mesmo levando vantagem, e não necessariamente com a elegância e a capacidade de envolver com que às vezes ele leva, sim, vantagem em TWD – talvez porque o drama da família desfeita seja território já explorado demais e FTWD não acrescente nada de substantivo a ele, talvez por uma falha na calibragem: tempo demais dedicado à exposição de uma trama que, por ser já tão conhecida, poderia ter sido telegrafada com muito mais brevidade neste começo e desdobrada conforme a necessidade mais adiante, no desenrolar dos próximos episódios.

Da metade do episódio em diante, FTWD começou a ganhar o clima que se espera dele: aquela sensação que a primeira temporada de TWD explorou tão bem de que os olhos estão vendo algo que a mente ainda não é capaz de compreender – e a impressão de que o chão está fugindo aos pés, de que tudo aquilo que se dá como certo pode, de um momento para outro, desaparecer.

Em tempo: só pelo Cliff Curtis e a Kim Dickens eu já continuaria a assistir.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Uzi Por Aí (@uziporai)

    Ainda bem que li esse post, porque sempre tive a curiosidade de saber se você era casada. rsrs.

    Sobre a série, critiquei o primeiro capítulo dizendo que era bom, mas no ritmo dos zumbis. Agora já posso dizer que é mais lenta que uma tartaruga.

    Acho que você é tão fã de TWD porque a série tem a mesma profundidade do filme “A Estrada”, o qual considero o melhor longa de drama pós-apocalíptico. Por falar nisso, bem que eu queria saber o que você achou de “O Tempo do Lobo” do Haneke.

    Curtir

  2. Comentado por:

    anthony

    Linda Harrington dessa atriz

    Curtir