Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que os doces portugueses são tão parecidos?

Quase todos trazem como ingredientes principais gema de ovo, farinha e açúcar. Chocolate, quase nunca

Os portugueses são muito orgulhosos dos seus doces. Com os turistas que chegam por lá, eles insistem que cada iguaria deve ser comida em seu lugar de origem. O pastel de Belém perto do Monastério de São Jerônimo, no bairro de Belém, em Lisboa. O de Santa Clara, em Coimbra. E por aí vai.

Que ninguém diga para eles que, apesar de maravilhosos, são muito parecidos. Quase todos trazem como ingredientes principais gema de ovo, farinha e açúcar. Às vezes, com um pouco de amêndoas ou frutas cristalizadas.

A razão para isso é que os doces portugueses que ficaram famosos são aquilo que se chama de doçaria conventual. Eram elaborados por freiras e monges em conventos.

Os primeiros doces conventuais portugueses, chamados “fartéis” chegaram ao Brasil nas caravelas, mas foram recusados pelos índios. Assim a cena é relatada por Pero Vaz Caminha:

“Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, fartéis, mel, figos passados. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provavam alguma coisa, logo a lançavam fora”.

O sucesso dos doces só aconteceu vários anos depois. “Foi com a instalação da família real no Rio de Janeiro que a doçaria conventual se desenvolveu no Brasil”, diz o gastrônomo português Virgílio Nogueiro Gomes, que dá aulas de história da alimentação e é autor do Dicionário Prático da Cozinha Portuguesa.

Veja também

Os doces, antigamente, eram feitos com mel. Quando teve início a exportação de açúcar do Brasil, no século XVI, a cozinha nos conventos de Portugal se transformou.

A gema de ovo passou a ser muito usada porque dá uma consistência mais delicada aos doces. A clara, por sua vez, podia provocar defeitos e tinha outros fins. Era utilizada para engomar parte das vestimentas das religiosas e para clarificar o vinho“, diz Gomes.

De início, os doces conventuais só eram provados pelos que viviam nos conventos. Mas isso mudou com o tempo. “Em tempos de crise, eles passaram a ser vendidos fora dos conventos pelas freiras, como forma de sustento. Quando eles pularam o muro dessas instituições, conquistaram o mundo”, diz Luis Santos, português e consultor do Arte Conventual, no Rio de Janeiro.

Nos conventos, além das mulheres que tinham optado por viver nessas instituições para se dedicar à fé, os conventos também recebiam as mais abastadas que não tinham se casado. Elas se mudaram para esses lugares com suas criadas, as quais também foram importantes para ajudar a desenvolver essa culinária.

Sobre a ausência de chocolate nas receitas, diz o gastrônomo Virgílio Gomes:

Não há chocolate na doçaria conventual portuguesa porque foram os espanhóis que levaram o cacau do México para a Europa. Eles  boicotaram o acesso de Portugal ao cacau da mesma forma que os portugueses não comercializaram pimentas e cravinho com os espanhóis. Quando as relações entre os dois países foram normalizadas, em meados do século XIX, as ordens religiosas já tinham sido extintas. Aí, a criatividade da doçaria conventual já tinha acabado”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    mauri

    Pensei que o Brasil foi descoberto por Pedro Álvares Cabral??? Caminha não era o escrivão????

    Curtir

  2. Comentado por:

    Duda Teixeira

    Oi Mauri, mexi no texto para deixar mais claro. Obrigado.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Oberlício Lemos

    Nunca reparei no excerto em que se oferece os “fartéis” e outros alimentos aos índios e eles jogam fora, a carta de Caminha é qualquer coisa de espantoso. Mas, caro senhor, resido perto e não entendo porque os saborosos pastéis de Tentúgal de igual fama nacional habitualmente não aparecem junto dos citados. Meus cumprimentos.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Fernando Davillar

    Muito instigante a matéria. Não sabia do uso da clara no processo de clarificação dos vinhos brancos. Fui pesquisar e até hoje pode ser utilizado em toda a Europa, bastando que seja citado no rótulo. Penso que o valor histórico da matéria é maior que o valor como “guia turístico”, já que por conhecer muito bem Portugal, acho importante dizer que HOJE, não é mais assim, já que o famoso Pastel de Belém é muito diferente, de um Quéque de Lisboa, ou a Queijadinha de Sintra.
    Entretanto, isso é apenas um detalhe e saúdo o Jornalista pelo tema inusitado.

    Curtir

  5. Comentado por:

    joão

    Chocolate é bom

    Curtir

  6. Comentado por:

    Francisco S

    Os portugueses são muito espertos, apesar da gozação que fazemos deles. O mesmo ingrediente, uma pequena variação de sabor e os turistas vão comprando e eles faturando, principalmente os brasileiros.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Edu

    Ora poixxx, lá nada se cria, tudo se copia, haja visto que os Portugueses deixam o bigode para ficarem parecidos com as mães.

    Curtir