Clique e assine a partir de 8,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A entrada de Lula no velório-comício inventado pelo criador do governo do Além e pelo zelador de cadáver bom de voto

Na melosa mensagem aos participantes do Foro de São Paulo reunidos em Caracas, gravada em 6 de julho de 2012, o ex-presidente Lula incluiu o aviso aos eleitores venezuelanos: todos tinham o dever de premiar Hugo Chávez com mais um mandato. O bolívar-de-hospício merecia continuar no poder, explicou, tanto pelos serviços prestados ao país quanto […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 31 jul 2020, 06h34 - Publicado em 2 abr 2013, 19h12

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=oL8ia9dBpCE&w=460&h=259%5D

Na melosa mensagem aos participantes do Foro de São Paulo reunidos em Caracas, gravada em 6 de julho de 2012, o ex-presidente Lula incluiu o aviso aos eleitores venezuelanos: todos tinham o dever de premiar Hugo Chávez com mais um mandato. O bolívar-de-hospício merecia continuar no poder, explicou, tanto pelos serviços prestados ao país quanto pela inestimável contribuição à modernização política e econômica do continente. Só o próprio Chávez, preveniu o amigo brasileiro, poderia completar o serviço ainda em andamento.

“Nossos países ainda são marcados pela pobreza e pela desigualdade”, explicou Lula no vídeo republicado na seção História em Imagens. Essa frase vale só para os outros, deveria ter ressalvado o falastrão que jura de meia em meia hora ter acabado com a pobreza em 2005, com a injustiça social em 2007 e com a crise mundial em 2009 ─ o que lhe permitiu parir o Brasil Maravilha registrado em cartório no fim de 2010. A discurseira termina com o recado olho no olho endereçado a Chávez: “Tua vitória será nossa vitória”.

Nesta segunda-feira, novamente a bordo de um vídeo, o palanque ambulante voltou a atropelar fronteiras geopolíticas e regras diplomáticas elementares para intrometer-se ostensivamente em eleições presidenciais no país vizinho ─ agora como parceiro de Nicolás Maduro. Nove meses depois da declaração de apoio a um moribundo, resolveu recomendar a permanência no Palácio Miraflores do vice que virou titular sem ter disputado uma única eleição.

(Ele sempre tem algo a dizer sobre qualquer assunto. Menos sobre o escândalo que protagonizou ao lado da Primeira Gatuna Rosemary Noronha. Faz 131 dias que a Polícia Federal desbaratou a quadrilha que, com as bênçãos do ex-presidente, transformou em esconderijo o escritório da Presidência da República em São Paulo. O protetor de Rose ainda não deu um pio sobre a lucrativa chanchada pornopolítica).

“Não quero interferir nos assuntos internos da Venezuela”, promete num trecho da gravação abaixo reproduzida. Em seguida, faz o contrário: “Uma frase resume tudo que sinto: Maduro presidente é a Venezuela que Chávez sonhou”. Se país nenhum merece ser dirigido por gente assim, essa gente decididamente se merece. Chávez inventou a posse sem empossado, o gabinete na UTI e o governo do Além. Maduro inventou o emprego de zelador de cadáver bom de voto. E Lula, para ensinar o povo a optar por um poste, transforma até câncer em cabo eleitoral.

Nenhum dos três gigolôs da morte poderia ficar fora do primeiro velório-comício da história destes trêfegos trópicos.

Continua após a publicidade
Publicidade