Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que a Apple tirou a entrada de fones de ouvido do iPhone?

Em reportagem de VEJA desta semana – nas bancas! –, escrevi sobre como o fim da típica entrada para fones de ouvido do iPhone mostra como a Apple quer antever um futuro no qual não teremos mais de lidar com uma penca de emaranhados de cabos de eletrônicos em casa… sim, é o fim do […]

Em reportagem de VEJA desta semana – nas bancas! –, escrevi sobre como o fim da típica entrada para fones de ouvido do iPhone mostra como a Apple quer antever um futuro no qual não teremos mais de lidar com uma penca de emaranhados de cabos de eletrônicos em casa… sim, é o fim do fio! Entretanto, muitos consumidores reclamaram da iniciativa – assim como, na virada para esta década de 2010, se queixavam do fim do drive de CD-ROM de Macs (depois, todo mundo se adaptou).

Agora, indo além da proposta de desenhar um futuro sem cabos, o que, em curto prazo, a Apple quer com o extermínio do fio dos fones? Resumo em 2 pontos:


Há o objetivo comercial. A Apple sabe que demorará para os clientes se adaptarem à novidade. Tanto que, junto com o iPhone 7, vem fones de ouvido com cabo! Como assim? A entrada usada seria a mesma do carregador. O “porém” é que se necessita de um adaptador para os fones tradicionais. Além disso, é bem desconfortável andar por aí com um acessório pendurado na parte inferior da carcaça do smartphone. Em outras palavras, essa alternativa é mais um afago em quem ficou irritado com a mudança. A mensagem real é que, para a Apple, esse é o início do fim dos fios.

Pelo ponto de vista de negócios, a tática é clara: em curto prazo, a Apple quer vender seus novos AirPods, os fones sem fio para iPhone 7 (que, contudo, têm de ser adquiridos separadamente). Em médio, é uma boa forma de promover os produtos da Beats, marca de propriedade da empresa, em muito baseados na tecnologia wireless (principalmente, nas versões mais caras desses dispositivos).

Mais que isso, trata-se ainda de uma maneira de dar início a uma integração maior, por wi-fi e bluetooth, de todos os produtos Apple. Ao incutir o hábito de ativar os recursos wireless, a companhia pode instigar as pessoas a usufruir da tecnologia para se conectar com outras ferramentas, a exemplo do software CarPlay (da Apple, claro), lançado em 2014 – com pouco sucesso até agora – e desenhado para tornar automóveis, como se diz na indústria da tecnologia, smart (ou seja, integrados a smartphones, tablets e seus aplicativos).


Além de antever como serão os gadgets do futuro próximo, há outra razão, digamos, tecnológica para a estratégia da marca. Ao se eliminar a entrada para fones, livra-se espaço no hardware para aumentar o chip de processamento, o HD etc. Isso sem precisar engrossar o aparelho.

Será que, mais uma vez, a Apple conseguirá prever os desejos dos clientes (antes mesmo que eles saibam que querem algo), que deixarão de se queixar da manobra – quiçá, passar a elogiá-la? Ou essa é uma bola fora da gigante da maçã, que vem apresentando lucros decrescentes no último ano?

Antes de morrer, em 2011, Steve Jobs, o genial fundador da Apple (como sabemos, evidentemente), não gostava muito da ideia de fones sem fio. Frente a essa possibilidade, ele questionou: “Você realmente quer outra coisa para carregar?”. E ele não estava falando de guardar na bolsa, diga-se. Ao que se referia: a energia dos acessórios wireless só aguenta umas poucas horas e, depois disso, tem de ser colocada na tomada, ou, veja só, conectada por um fio ao tocador de música, ao smartphone, ao tablet. Será que Jobs estava errado ao supor que a resposta para sua pergunta seria “não”?

Pelo sim, pelo não, é óbvio que isso não quer dizer que, hoje, ele continuaria a concordar com sua indagação. Jobs era tão conhecido por prever o que queriam as pessoas quanto por mudar de opinião conforme se transformam, também, as vontades dos consumidores.

Em tempo: não gostei do design do iPhone 7 e falo sobre isso neste link. Além disso, ao leitor que já quer adquirir um novo aparelho, repito o que afirmei no ano passado sobre os lançamentos anuais de novos iPhones: Não troque seu iPhone (ainda).

Para acompanhar este blog, siga-me no Twitter, em @FilipeVilicic, e no Facebook.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    capeta

    Eu ja abandonei todos os meus fones wireless. Cansei de carregar os aparelhos em portas USB. Horas carregando para pouco tempo de funcionamento. Abandonei também meus fones de ouvido com bolotas para enfiar na orelha. Voltei aos grandes e confortáveis fones tipo concha. Uso meu celular como reprodutor do Spotify, adeus Itunes, o app que mais odiei da Apple, que misturava filme com musica. As tecnologias wireless no carro funcionam relativamente bem. Entretanto se resolver espeta o aparelho na porta usb para aproveitar para carregar sera o caos. Não importa o modelo do veiculo o problema esta no Iphone. Ja o wireless em casa ‘e muito mais instável pois depende da distancia entre fonte e receptor ou estabilidade da coneccao com internet, que no nosso pais ‘e bastante sofrível. Econômia de espaço para ver um Iphone menor retirando a entrada dos fones não se justifica pois então para que os modelos plus. Tem publico para fone de todos os tamanhos.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Nelson Marchetto (79)

    Ele deixou a empresa estruturada e com ótimos profissionais mas, se ele estivesse vivo as novidades estariam bem aceleradas, e qualquer decisão seria uma tirada de gênio!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Edson E Jesus

    Filipe pense bem? Porque alguém vai usar um adaptador para o fone? Se eu comprar um iPhone 7 não preciso de adaptador e quem tem as outras versões vai continuar usando o fone normal e, se quiser gastar, compra um sem fio.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Israel

    Eu estava assistindo a apresentando e gostando de tudo, especialmente de como resolveram o problema do botão físico e da resistência à água, dois dos 3 maiores problemas de design de todos os iPhones (o outro continua sendo a frágil tela), mas esta solução do fone de ouvido realmente pegou mal no final. É uma solução ainda grosseira, e enquanto não resolverem os problemas de: 1-preço, 2-bateria, 3-diversidade de modelos, não vai substituir absolutamente nada.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Steve Jobs

    1. Péssima comparação com os as unidades de “cd-rom”. Elas seguem presentes na maioria absolutas dos desktops e notebooks.
    2. Ninguem arriscaria realinhar a rota do crescimento promovendo uma nova cultura num cenário tão forte de perdas. Mais um argumento frágil do texto. O “sem-fio” está consolidado há anos.
    3. Aumentar o espaço para HD? Deu ruim.
    Péssimo texto, Filipe. Péssimo. Refaz por favor.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Andrieux

    Gostei muito do iPhone 7 plus. Não vejo a hora de chegar o meu.
    Acho não custa nada colocar o adaptador no fone que vem com ele.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Carlos

    Achei ótima essa de fones sem fio. E o que acontece quando cai um de seu ouvido enquanto você está atravessando a rua ou fazendo algo pior? Cair em um bueiro por exemplo. Toque de gênio?

    Curtir

  8. Comentado por:

    Alberto

    Jobs “morreu no tempo certo”. Claro que não quis a morte dele, ninguém quis, mas estou dizendo isso pela sorte de ter morrido logo depois de ficado com a fama de ter tido mais acertos do que erros. Mas se vivo estivesse, continuaria inovando no mesmo ritmo? Duvida-se. Jobs ficou vários anos só atualizando o iPhone de “recursos incrementados”, a Apple errou no projeto da antena de um dos iPhones na época dele e Jobs nunca quis iPhones de telas grandes. Ele não teria tanta capacidade para inovar todo o tempo. Aliás, quem trocaria um celular que a bateria durava uma semana inteira por um outro que tivesse que carregá-la todos os dias? Demorei anos para fazer essa troca por achar que não teria paciência nessa rotina, e agora que tenho um smartphone vejo quanto ele é útil, que vale a pena se estressar com a carga da bateria. A mesma coisa vai acontecer com fone de ouvido wireless. A chiadeira é grande no início e depois vira padrão. Quem inova corre o risco de ver cara feia, mas colhe os benefícios por ter saído na frente. Mais uma vez.

    Curtir

  9. Comentado por:

    João H Silva

    Como a fonte do iPhone vai secando precisam vender algo novo. Creio que vai ser um bom tiro no pé. Os outros fabricantes estão muito na frente e a Apple perdendo terreno tem que achar mais alguma forma de aumentar a receita…

    Curtir

  10. Comentado por:

    Lucas

    Eu não gostei desse lançamento foi muito previsível a Apple só lançou o que todos já sabiam. Mais acredito que para o próximo vem coisa boa, essa parceria Apple e Nintendo tem tudo para um celular totalmente diferente, pois o novo iPhone 7 plus vem com duas câmeras eu acredito que isso é um beta para o que vai vir, a Nintendo tem a tecnologia de tela 3D sem óculos acredito que venha um novo iPhone com a possibilidade de ativar o 3D na tela.

    Curtir