Assine VEJA por R$2,00/semana
VEJA 55 ANOS

Legalização das drogas, uma polêmica antiga

Em 1º de fevereiro de 1995, VEJA destacava em sua capa um assunto que seria pauta do Legislativo e do Judiciário em 2024: a descriminalização da maconha, que resultou na PEC das Drogas e elevou o tom entre Senado e STF

Por Natália Hinoue Atualizado em 18 abr 2024, 19h15 - Publicado em 18 abr 2024, 14h00
Continua após publicidade

TBT 1º DE FEVEREIRO DE 1995 | “A estratégia número 2 contra a droga: crescimento do consumo do tráfico reacende discussão sobre legalização de entorpecentes. ”

Há quase 30 anos, VEJA já discutia um assunto que seria pauta do Legislativo e do Judiciário em 2024: a descriminalização da maconha, que resultou na PEC das Drogas.

“Armados até os dentes, policiais e exércitos de um sem-número de países não conseguiram reduzir o consumo. As áreas cultivadas com pés de coca, maconha e papoula (de onde se extraem o ópio, a heroína e a morfina), em vez de diminuir, aumentaram. As apreensões de drogas continuam sendo mínimas face às quantidades que chegam aos mercados de consumo. Todos esses dados parecem sugerir a necessidade de mudar a estratégia de combate ao uso e ao tráfico de entorpecentes”.

Assim iniciava a reportagem de oito páginas que trazia um panorama da guerra às drogas e até opiniões de algumas personalidades. “O escritor Gabriel García Márquez, Prêmio Nobel de Literatura, acha que álcool, cigarro e cocaína deveriam ter o mesmo tratamento: `É tudo droga!`”, destacava o texto.

Nesta terça-feira, 16, o Senado aprovou, em primeiro turno, a PEC das Drogas que confronta o STF sobre a descriminalização do porte de maconha para uso pessoal. A proposta prevê “a necessidade de diferenciar o traficante do usuário, aplicando a este último penas alternativas à prisão e tratamento contra a dependência”, mas mantém a criminalização de qualquer quantidade.

O texto reforça o que já está previsto na Lei de Drogas, sancionada por Lula em 2006, que determina penas para o porte e a posse de drogas. A legislação atual, porém, não estabelece critérios quantitativos para diferenciar o usuário do traficante, deixando a decisão para cada autoridade — um dos principais problemas apontados por estudiosos do assunto.

Todas as quintas-feiras você, leitor, poderá conferir uma edição antiga no nosso #TBT e ainda consultá-la na íntegra na home do nosso site.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.