Clique e assine com até 92% de desconto

#47 O CORPO: Transplantes, não

As cirurgias serão substituídas por órgãos criados em impressoras e por injeções de células-tronco que reconstituirão as funções do organismo

Por Natalia Cuminale 21 set 2018, 07h00
TUM-TUM-TUM - Um coração sintético em 3D: cumprindo as funções do órgão doente Shutterstock/.

Há cinco décadas, o primeiro transplante de coração do Brasil, realizado pelo médico Eury­clides de Jesus Zerbini, deu início a uma revolução. A possibilidade de transferir um músculo cardíaco saudável para substituir o órgão doente salvava vidas. O primeiro transplantado, João Ferreira da Cunha, o João Boiadeiro, morreu 28 dias após a cirurgia. O segundo transplantado viveria 378 dias. Em ambos os procedimentos, celebrou-se o sucesso. Mas havia um problema incontornável: era preciso encontrar um meio de combater a rejeição ao órgão transplantado — e, enquanto isso não acontecesse, os transplantes ficariam limitados a casos extremos.

Cinquenta anos se passaram. A ciência evoluiu e, agora, há medicamentos eficazes contra a rejeição. O transplante tornou-se corriqueiro para quase todos os órgãos. Em 2017, foram realizadas mais de 27 000 operações do gênero no Brasil. Ainda assim, o tempo de sobrevivência é mais ou menos limitado, dependendo do órgão. No caso do coração, a expectativa média é de dez anos. Como expandir o limite de tempo? “Enxergar a medicina de outra maneira”, responde Juliana Giorgi, cardiologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Essa outra maneira envolve uma estrada de duas vias: o uso de impressoras 3D e a manipulação de células. As impressoras serão capazes de criar estruturas personalizadas de acordo com a anatomia do paciente. Pesquisadores do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, deram os primeiros passos, usando a técnica para a criação de uma cartilagem desenvolvida a partir do material genético do próprio paciente. Em paralelo, a ciência estuda o uso de células-tronco embrionárias, que podem se transformar em unidades especializadas de qualquer órgão ou tecido do corpo humano.

Nas próximas décadas, em vez do órgão doado, o paciente poderá ter células saudáveis implantadas em uma cirurgia pouco invasiva. Em 1969, o médico americano Walton Lillehei previu que as cirurgias de transplante se tornariam uma forma rotineira de salvar vidas. E vaticinava: “Para predizer esse futuro, basta olhar o passado, quando a simples ideia de abrir um coração vivo era um sonho demoníaco”. É, enfim, a abertura de uma avenida que norteará a medicina: já não se tratará de transplantar, mas sim de substituir, tal como já fazemos com as peças de máquinas.

Publicado em VEJA de 26 de setembro de 2018, edição nº 2601

Continua após a publicidade
Publicidade