Blogs e Colunistas

17/04/2012

às 14:00 \ Vasto Mundo

O erro brutal de ir caçar elefantes na África faz o Rei da Espanha atravessar inédita avalanche de críticas. Vai ser difícil recuperar sua imagem

Elefantes próximos ao Rio Chobe, em Botswana: o governo diz que 60 mil desses magníficos animais estão "sobrando" -- e autoriza a caça (Foto: Reuters)

A caça de elefantes em Botswana é uma prática legal, não apenas permitida como incentivada pelo governo de Gabarone, a capital. O custo mínimo, para os caçadores interessados, é de 30 mil euros (algo como 75 mil reais) por animal abatido.

Os interessados devem ir às áreas onde a caça é permitida acompanhados de um funcionário do governo. Morto o magnífico animal, o maior mamífero existente sobre a superfície da Terra – absurdo dos absurdos, pois a gestação de cada elefante chega perto de dois anos –, o funcionário do governo fotografa o corpo, para os arquivos oficiais, e registra a posição por meio de GPS.

Oficialmente, o governo de Botswana – país do sul da África com meio milhão de quilômetros quadrados e uma fauna espetacular – alega que há “excesso” de elefantes no país. Estariam sobrando 60 mil animais. Como o elefante, que é o verdadeiro rei dos animais, não tem predadores – ninguém, nem bandos de leões, pode com ele, a menos que esteja ferido ou doente –, esse suposto excesso estaria dizimando as folhas de árvores e as gramíneas que servem de alimentação de outros herbívoros.

Acomodação para turismo de observação ou para caçadores no interior de Botswana: do simples ao luxo (Foto: pure-botswana.com)

Assim, em vez de, digamos, exportar um animal em extinção para outros países africanos, criar reservas especiais, ganhar mais dinheiro com turismo de observação preservando essa riqueza fabulosa, o governo de Botswana prefere dizer que é preciso reduzir o tamanho das manadas e “vende” a caça do elefante legalmente.

Os caçadores se hospedam em um dos muitos “acampamentos” — instalações que vão desde acampamentos propriamente dito, simples e austeros, até verdadeiros hotéis de luxo.

O Rei Juan Carlos com um amigo, em 2006, junto a um elefante morto, encostado a um baobá, em Botswana (Foto: El Mundo)

Foi nessa tremenda fria, nessa inacreditável fria, que caiu o Rei da Espanha, Juan Carlos, durante um período de caçada em que acabou sofrendo uma queda na cabana em que se hospedava, rompeu o fêmur no sábado e precisou fazer, às pressas, no domingo, já em Madri, uma cirurgia de implante de prótese de quadril.

Um homem cujo papel foi crucial para a implantação da democracia da Espanha, um chefe de Estado que impediu um golpe militar em 1981, num momento crucial para a consolidação do regime constitucional após a longa ditadura do general Francisco Franco (1939-1975), um Rei que resolveu complexos problemas diplomáticos para o país e ajudou a consolidar relações econômicas importantíssimas – sua última atuação decisiva foi na concessão a um consórcio espanhol, pela Arábia Saudita, da construção do trem de alta velocidade que ligará as cidades sagradas de Meca e Medina por 7 bilhões de euros (17,5 bilhões de reais) – está sendo, pela primeira vez, alvo de uma saraivada de críticas vindas de todos os setores.

Imagine-se o chefe de Estado de um país que se pretende moderno e avançado matando elefantes na África! Elefantes, animais preciosos, esplêndidos, ameaçados de extinção por séculos de predação!

E, ironia das ironias , Juan Carlos, como se sabe, é presidente de honra de uma das mais importantes organizações pró-natureza do mundo, o World Wildlife Fund (WWF).

Agora, todas as forças políticas do país estão, muito corretamente, saindo a público para que o rei peça desculpas.

Nem vou reproduzir aqui as inúmeras críticas ao monarca, porque não haveria espaço no post. O leitor pode imaginar.

O Rei indo à TV e chamando seus generais à ordem em fevereiro de 1981: golpe de Estado evitado (Foto: TVE)

Pelo menos, ao que tudo indica, a viagem real a Botswana não custou nada aos cofres públicos: a organizadora teria sido a princesa Corinna zu Sayn-Wittgenstein, anfitriã de nobres de toda a Europa nesse tipo de safari. Além de ser amiga íntima do Rei e da Rainha Sofia, ela tem uma companhia específica para isso, a Boss&Company Sporting Agency.

Mas Juan Carlos, chefe de Estado calejado, experiente e matreiro, vê-se em meio à maior crise de seus 37 anos como Rei por um fraquejo incompreensível e espantoso.

É um milagre, a essa altura – em que alguns políticos chegaram até a sugerir que o Rei abdique em favor do herdeiro, o príncipe Felipe – que a monarquia, como instituição inscrita na Constituição, não esteja sendo questionada, a não ser pelos setores minoritários de sempre, como os pequenos partidos republicanos e setores nacionalistas bascos e catalães.

A Espanha, imersa em profunda crise econômica e de credibilidade, poderia passar sem essa. O Rei, figura invariavelmente discreta e comedida, comandante supremo das Forças Armadas e chefe de Estado respeitado, mais ainda. O episódio arranha sua imagem de forma dificilmente reversível.

 

Leia mais:

Encrenca para o Rei: aparece uma princesa — que não sua rainha — na história da caçada na África

Fotos deslumbrantes: Okavango, o rio que transforma o deserto num luxuriante oásis para milhares de animais selvagens

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

80 Comentários

  1. junior mezianojunio

    -

    09/12/2013 às 17:33

    Seu comentário é tão imbecil e fora de propósito que foi deletado. Quer dizer que por haver crianças miseráveis na África não se pode falar na matança de elefantes?
    Vá procurar sua turma.

  2. lange gonçalves

    -

    28/11/2013 às 12:15

    Acredito que não pode ser nem moderno e nem um homem de bem matando animais como elefantes e qualquer outro !!! engraçado tem muita gente ruim no mundo incluindo ele e nem por isso matamos !!! a vida é o bem maior e dever ser preservada . Os elefantes são nossos de toda nação vamos parar com essa mentalidade imbecil e cruel pelo amor de Deus !!! façam algo para que malditos caçadores e governos como esses que permitem tal coisa sejam extirpados da face da terra, monstros !!!

  3. cassio

    -

    21/03/2013 às 21:55

    Estou vendo que a Espanha, tem é um bandido no poder.

  4. Murilo

    -

    21/02/2013 às 23:51

    Colunista fraquissimo!!

    Leitor fraquíssimo!

  5. Rafael

    -

    17/01/2013 às 9:35

    Procurei seu e-mail e nao localizei, mas fica uma sugestão, pesquise mais sobre a caça esportiva e seus ganhos para a conservação e use esse seu belo poder de escrita para esclarecer melhor o ‘povão’.

  6. Rafael

    -

    17/01/2013 às 9:20

    E digo mais. Só existem elefantes vivos na áfrica por conta da caça esportiva, senão todos já teriam virado marfim na mão de bobalhões que acham uma ‘judiaria’ matar um elefante.
    O tempo nos dará razão, em 50 anos só existirão algumas espécies nos países onde a caça esportiva é legalizada e controlada.

  7. Rafael

    -

    17/01/2013 às 9:15

    Meu irmao vc é muito ignorante. Devia pesquisar mais sobre um assunto antes de escrever. Os únicos países africanos onde há abundância de animais são onde a caça é legalizada. Veja o Quenia, onde qualquer tipo de caça é proibida… estima-se que lá os elefantes acabarão em 15 anos. Em Botsuawana a população de elefentes cresce a cada temporada de caça.
    Enquanto no Quenia é preciso abater 10 elefantes para gerar 30.000 euros, em botsuwana com apenas um este valor é gerado, não esqueça da pobreza que impera naquele continente.
    A vida selvagem só prosperará quando o bicho valer mais em pé do que deitado.
    Além disto, a WWF apóia a caça esportiva como forma de preservação da espécie.

  8. iago

    -

    20/10/2012 às 22:33

    pow 30 mil euros ta muito caro botswana devia vende a caça por uns 5 mil euros ia ser melhor , pow o cara ja gasta 50 mil so pra fica duas semana hospedado num bom hotel com safaris e tudo mais ,e tenque gasta o olho da cara pra mata um elantinho

  9. regina

    -

    11/06/2012 às 10:46

    Conseguencias de um líder que tem prazer de matar, matar por matar , é hediondo e não tem nada de nobre. DEUS É FIEL, E DELE É A VINGANÇA ,ELE RECOMPENSARÁ!

  10. vanny

    -

    05/06/2012 às 21:27

    vc é q ue deveria ser caçado seu monstro … como pode fazer tamanha crueldade , com um animal tão bonito … tomara q um dia Deus venha fazer justiça em favor dos animais , no mínimo oq vc merece é se enterrado vivo seu covarde . Eu fico muito triste quando vejo seres racionais q deveria dar bom exemplo de boa condulta cometer tantas crueldades irracionais , tenho vergonha de certos seres humanos , por isso q eu prefiro os animais , eles se respeitam mais do q os proprios seres humanos … Lámentavél só posso te dizer q vc não vai escapar das mãos Divinas vc e todos os outros q fazem esse tipo de crueldade vão pagar , e vão pagar bem caro …

  11. Anderson take

    -

    05/06/2012 às 12:46

    Esse mundo e essa terra, que o homem tanto destroi tem que acabar logo! afundar de vez, pra ver se na proxima era, o ser ( humano ) seja menos ganancioso, menos egoísta e covarde. Que venha logo o fim do mundo! Pq para os indefesos, o mundo ja esta acabando..maltida raça, se se diz Humana…

  12. RENATA MORAES

    -

    01/06/2012 às 17:58

    ISSO É GROTESCO,E VERGONHOSO PARA OS HUMANOS.
    ”Matar animais por esporte, prazer, aventura e por suas peles, é um fenômeno que é ao mesmo tempo cruel e repugnante . Não há justificativa na satisfação de uma brutalidade dessas.”
    Dalai Lama (1935)

  13. Daniel Della Savia

    -

    18/05/2012 às 19:42

    Lamentável esse sadismo.

  14. bia figueira

    -

    04/05/2012 às 21:11

    Obrigada por sua resposta.

  15. ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    01/05/2012 às 9:21

    “Se poner esto asesino mano a mano con un elefante”? vou responder em português chulo mesmo: no mínimo este “valente” iria “cagar” todo o traje real.

  16. maxi

    -

    29/04/2012 às 22:37

    QUERIA DECIR QUE NO SOBRAN 60000 MIL ELEFANTES COMO DICE EL GOVIERNO,LO QUE SOBRAN ES GENTE COMO ESTE REY QUE CREE QUE TIENE EL PODER O EL DERECHO DE SACARLE LA VIDA A UN ANIMAL PARA QUE LOS AMIGOS LE DIGAN QUE ES MUY VALIENTE Y ÉL SENTIRCE CON SU ORGULLO Y AUTOESTIMA ALTO,PERO PODRIA MEJORAR SU PROBLEMA PSICOLOGICO DE OTRA MANERA SIN MATAR A NINGUN ANIMAL.ME GUSTARIA PONER A ESTE ASESINO MANO A MANO CON UN ELEFANTE Y VER SI ES TAN REY COMO DICE QUE ES.

  17. Moraes , Marcos

    -

    28/04/2012 às 18:35

    Ainda bem que ele tem os dias contados por Deus.
    Paz de Cristo a todos.

  18. jeff

    -

    27/04/2012 às 9:54

    Viva a republica!!??

    Ferias de Michele Obama na espanha custam U$$ 500.000 dolares aos contribuintes.
    As férias que a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, passou na Espanha junto de sua filha Sasha, em agosto de 2010, tiveram um custo de quase US$ 500 mil, informou nesta quinta-feira o grupo Judicial Watch. O grupo, de corte conservadora e dedicado a investigar casos de corrupção governamental, disse em sua página na internet que, segundo documentos que obteve do Serviço Secreto e da Força Aérea dos EUA, o montante total da viagem de cinco dias à Espanha foi de pelo menos US$ 467.585.
    Os arquivos do Serviço Secreto indicam que essa agência federal, encarregada de dar proteção ao chefe de Estado e a outros líderes políticos, teve uma despesa total de US$ 254.461. Esse número incluiu US$ 26.670 por um passeio com motorista na Costa del Sol, e outros US$ 50.078 pelos serviços da agência de planejamento de viagens SET P&V, S.L. “Os contribuintes também custearam o alojamento separado para um cachorro e sua cuidadora”, disse o Judicial Watch.

  19. Constantin

    -

    23/04/2012 às 18:37

    Atitude lamentável do rei. Aliás, não foi sua primeira caçada.
    Ao menos, deveria ser expulso da WWF.

  20. Emanuel

    -

    23/04/2012 às 13:37

    CAÇADORES COVARDES, DESGRAÇADOS E MALDITOS ! UM DIA CHEGARÁ A HORA DE VOCÊS E TOMARA QUE SEJA EM BREVE!!!

  21. Regina Julia Nouh

    -

    23/04/2012 às 1:34

    Caro Ricardo Setti,
    Excelentes título e artigo!
    Só lamento não haver menção sobre um acontecimento muito sério envolvendo a figura de Sua Majestade. Há que se lembrar que desde 1956 pesa sobre as costas do rei Juan Carlos a suspeita de ter matado o próprio irmão. Na ocasião os dois estavam sozinhos e foi dito ao povo que o tiro foi ‘acidental’ enquanto o irmão limpava a arma.
    Depois do acontecido, numa manobra bastante cômoda, já que ele era o preferido e apoiado do general Franco, prevaleceu o dito pelo não dito e uma investigação oficial nunca aconteceu, apesar de uma parte do povo até hoje reivindicá-la. A coisa toda ficou no ar e por lá vai continuar boiando pois, a chance de esclarecimento tem exatamente o tamanho da fração de um átomo.

    Quanto à WWF, agora é ela quem corre um sério risco de ser alvejada por um tiro no próprio pé, caso não o tire dessa presidência de honra. Perder colaboradores financeiros fará uma grande diferença, não só na Espanha como em outras partes do mundo.

    Bastante alarmante também a asneira em dobro que a nobre figura se propôs a fazer. Ir caçar elefantes e ainda achar que, na posição que ocupa, poderia fazê-lo às escondidas, na atual era digital em que o mundo se encontra, onde em qualquer esquina do mundo, mesmo um pequeno deslize pode ser perfeitamente documentado e percorrer os noticiários planeta afora numa velocidade altíssima. Prova é que, mesmo sendo da caçada de 2006, está aqui na net para o mundo ver, a foto do pobre elefante morto ou agonizante e seu real matador ou matador real, como queira.

    E em função desse multi revoltante episódio, chego à conclusão que, há muito tempo e para muita gente, a expressão ‘senso de ridículo’ não passa de uma entidade fantasma que habita dicionários impressos ou virtuais.

  22. Ricardo

    -

    22/04/2012 às 20:25

    Caçar tem com armas modernas tem a mesma aventura que comprar carne na seção de congelados do supermercado. Que tolo! Se quisesse um esporte com tiro deveria jogar Counter Strike ou outro FPS. Aposto que ia levar uma coça. Já o elefante o que podia fazer? O mesmo que faz o touro numa tourada espanhola: ou seja, sangrar e morrer para um sádico esquecer de sua vida maçante.

  23. bia figueira

    -

    22/04/2012 às 18:54

    Ricardo Setti, será que você pode me ajudar a entender o motivo da manutenção das monarquias em países europeus,em pleno século XXI? Pelo que li, o Rei Juan Carlos foi perdoado por mais esta “caçada”. Já que este elefante é só mais um animal abatido por ele, segundo artigo do jornal El País.

    Cara Bia, há uma série grande de razões históricas, sociológicas e outras.

    Haveria que produzir um tratado para explicar isso, o que está além da minha competência.

    Mas, tal como você, fico perplexo com o fato de países de altíssimos níveis democrático e cultural como Reino Unido, Dinamarca, Suécia, Holanda, Bélgica e Espanha, entre outros, terem como sistema de governo a monarquia constitucional.

    Um abração

  24. Ricardo

    -

    22/04/2012 às 12:54

    Esse imbecil,também conhecido como rei da Espanha,deve ter pago uma grana para matar elefantes livres na natureza.Que seu país,que já quebrado,vá a banca-rota.Pra mim esse reizinho de ponta de rua,não passa de um BOÇAL.Minha vingança?? BLOQUEIO TOTAL AOS PRODUTOS ESPANHOIS,JÁ!,DE BANCO AO MAIS BANAL PRODUTO DE CONSUMO.”COMECEI HOJE”.

    Caro Ricardo, sua indignação é compreensível, mas, se você reler o post com calma, verificará que está assinalado: 1) o Rei foi convidado para essa aventura absurda e não desembolsou dinheiro, muito menos dinheiro público; 2) é um absurdo, é uma barbaridade, mas em Botswana a caça de elefantes é legal, mediante certas condições.

    Um abraço

  25. ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    -

    22/04/2012 às 11:49

    Para começar,este “Rei” foi “trabalhado” por nada menos que o cruel ditador fascista FRANCISCO FRANCO, cuja guerra iniciada por ele contra a democracia espanhola em 1936 causou um milhão de mortos, portanto,vendo a barbaridade de se matar um animal que nunca lhe fez mal e que estava no seu habitat à milhares de quilômetros de distância, numa sanha psico-patológica de MATAR, é que eu alerto o povo espanhol, mande-o TRABALHAR, pois ele pode fazer voltar a ditadura franquista com o garrote vil. REI JUAN CARLOS, CALA-TE PARA SEMPRE.

  26. Caio Lima

    -

    21/04/2012 às 13:58

    Isto é o cúmulo do absurdo (ou da palhaçada!).
    No momento em que a Espanha atravessa uma de suas piores crises econômicas,seu ‘monarca’, que por acaso também é Presidente da WWF, uma da maiores ONG’s ambientalistas do Mundo, larga tudo e vai …MATAR elefantes na África!!!

    E depois de arrebentar seu real rabo num acidente, ainda teve a desfaçatez de pedir hipócritas desculpas ao Mundo… Ora, ora, seu “rei” (ou seria seu réu?)vá pedir desculpas para os diabos que o carreguem!!

  27. Observador

    -

    21/04/2012 às 7:18

    O rei se pôs a nu e agora eu entendo porque ele tão automaticamente aconselhou Hugo Chaves a ficar calado. É claro, agora, que está acostumado a esconder as suas “nobres” ações.

  28. Rinaldo

    -

    20/04/2012 às 18:13

    É lamentável a atitude desse “Rei”,ele pensa que está no período onde os europeus saiam pelo mundo saqueando,roubando,explorando,escravizando e torturando pessoas e as terras que não as pertenciam.Por que não te calas.O mundo quer preservar e esses parasitas da sociedade acabando com o que resta.Vão trabalhar,produzir.Vocês europeus vão pagar por tudo o que já fizeram ao mundo.Tanto roubaram e estão na pior e isso é só o começo do castigo.

  29. Teresa

    -

    20/04/2012 às 16:02

    Que tristeza…
    No meio disto tudo há algo de bom, no entanto. A elite está finalmente a acabar! Leiam o que disse há muito DAVID WILCOCK…. Vale a pena :)

  30. LaraAS

    -

    20/04/2012 às 12:50

    Na verdade, está me parecendo que esse artigo está tendo uma visão muito idealizada do Rey, está que os que falam mal demais dele também não tem a ver. Mas a verdade, é que há um grave problemas com armas na família real Espanhola. Houve um grave episodio com o Rei quando ele tinha 18 anos e era o herdeiro real….ele matou o seu irmão num suposto acidente e ele já era cadete com treino de tiro nessa época….Isso é grave, é muito grave….e também a poucos dias, um dos netos do Rei, se deu literalmente un tiro no pé, numa caçada…e ele tem só 13 anos e é inclusive ilegal, menores dessa idade terem armas, no entanto em vez de ir visitá-lo no hospital, o Rei foi caçar na África….Que família desunida…

  31. DÉCIO AMORIM PIMENTEL

    -

    20/04/2012 às 7:19

    O VÔVÔ SÓ TEM CARA DE SIMPÁTICO, ELE É UM CRUEL CAÇADOR DE ELEFANTES; CRUEL PORQUE ELE NÃO PRECISA CAÇAR PARA SOBREVIVER…ESSE SIM, É UM ANIMAL IRRACIONAL.

    DÉCIO AMORIM PIMENTEL
    BEL EM TEOLOGIA/PSICANALISTA/PSICOPEDAGOGO
    CLINICO E ESCOLAR/LIC. EM HISTÓRIA/PASTOR BATISTA
    POLICIAL MILITAR

  32. Mari Labbate *44 Milhões*

    -

    19/04/2012 às 9:27

    REI JUAN CARLOS: SEM PERDÃO!

  33. nena

    -

    18/04/2012 às 21:59

    Verdade Raul esse texto fala tudo de maneira clara e sensível,devo admitir que eu como cidadã espanhola amante dos animais,em particular dos elefantes,fiquei profundamente decepcionada e me sentindo enganada,porque sempre admirei o rei juan carlos.Quem sabe o que aconteceu lhe sirva para que possa refletir..e como errar é humano..a partir daí ele mudará seus conceito falho..e cruel dessa aventura…

  34. Raul Ferreira Bártholo

    -

    18/04/2012 às 18:26

    Sobre o assunto, nda melhor do que reproduzir o texto abaixo:

    Jen De Lacroix
    CARTA DEL ELEFANTE

    Señor Rey de España:

    Soy un elefante de Botsuana, el país africano en el que me dicen que su Majestad ha estado recientemente para descansar de sus fatigas, cazándonos en un safari.
    Los elefantes somos mansos, aunque fieros cuando nos atacan. También nuestros dioses, los de la sabana, son dioses buenos, no vengativos, aunque sí celosos de sus habitantes.

    Quizás por ello, han querido reservar su vida, importante para su país, aunque han querido advertirle con su caída y sus fracturas en el campamento desde donde salía para cazarnos, que sería mejor ya para su Majestad que ha vivido ya más de lo que vivimos uno de nosotros, dedicase su tiempo a otras cosas, en vez de venir a matarnos.

    Por ejemplo a seguir a esa España que se está desmoronando económicamente, a ese 52% de jóvenes que sufren el aguijón del paro después de tantos años de estudios, o simplemente a disfrutar de ver a los animales correr y divertirse en su habitad natural, pero sin escopetas, con las manos vacías o llenas de flores.

    Nosotros sabemos que no ha hecho nada ilegal viniendo y pagando muchos miles de euros para matar a uno de los nuestros. Se lo permiten las leyes de mi país. Para muchos, matar gratuitamente animales es como lo era antiguamente cazar a lazo a los negros o indios para esclavizarlos.

    ¿Pero basta que algo sea legal para realizarlo? Existen también las leyes del corazón, no escritas, las de los sentimientos humanos, que dicen por cierto que son superiores a los nuestros y existen ciertos ejemplos que un Rey debe ofrecer de su vida incluso privada.

    Su Majestad, desde su primer discurso como Rey, afirmó que quería serlo de todos los españoles.
    Yo sé que en España hay aún mucha gente que no se importa de ver sufrir o morir a los animales y que hasta se divierte observándolo.
    Pero existen también millones, sobretodo de jóvenes, que aman a los animales, que quieren protegerles y conviven con ellos.
    A esos millones de españoles, no creo que les guste especialmente la imagen de su Rey llegando a esta África, que es nuestro territorio, escopeta al hombro, para distraerse disparándonos sin que podamos defendernos.

    Nos han dicho, Majestad, que posee una de las mejores colecciones de escopetas de caza que existen.
    ¿Podemos hacerle una sugerencia?
    Haga de ellas un museo y anuncie a los españoles, que su Rey ya no va a matar a ningún animal y que los años que aún le queden de existencia- que le deseamos sean aún muchos más de los que nosotros vivimos, los va a dedicar a distraerse a favor de la vida y no de la muerte.

    Sabemos que nosotros, los elefantes, como el resto de los animales, no tenemos derechos. Nacemos para ser cazados y muertos.
    Pero queremos recordarle que nosotros no hacemos mal a nadie. Somos sensibles y humildes y hasta nos parecemos a ustedes los Homo Sapiens. Dicen los zoólogos que somos de los pocos animales que respetamos a nuestros difuntos y de los pocos que saben reconocerse, como los humanos, en un espejo.

    Es verdad que quizás para ustedes los humanos los elefantes seamos inútiles, no somos indispensables para nada, pero, no por ello deben tener el derecho de matarnos. También las monarquías hoy- y lo digo con todo el respeto- aparecen inútiles para muchos y no por eso se hace la caza a los reyes y reinas.

    Y hablando de reinas, nos gustaría saber qué piensa su discreta y querida reina Sofía de su amor por la caza de elefantes. Ella como mujer y como madre, debe saber que en nuestra organización en la sabana, vivimos un reino matriarcal. Ellas, las elefantas, organizan y dirigen nuestra comunidad. Son madres amorosas, dan de mamar a sus hijos durante tres y hasta cinco años y sufren como ustedes los humanos cuando se los matan por capricho.

    Por último nos gustaría que sus nietos y biznietos, Majestades, un día consiguieran divertirse sin necesidad de venir a África a cazarnos y arrancar nuestros colmillos de marfil para adornar los palacios reales con sus trofeos de muerte.

    Quizás, ni queriendo podrán ya hacerlo porque quedamos sólo 30.000 elefantes en todo el mundo y al ritmo con el que nos matan, sus nietos ya no tendrán como hacerlo, porque habremos sido extintos. Tendrán que conformarse con cazar cucarachas que al parecer tienen un millón de años y resisten hasta a las radiaciones atómicas. Nosotros, no. Somos más grandes, pero más frágiles. Quizás por ello nos amen tanto los niños a los que les gusta divertirse con nosotros. Vivos, no muertos.

    Sólo desearle, Majestad, en nombre de nuestros dioses, que se recupere pronto del susto que le hemos dado, que no era para matarle, sino para hacerle pensar que sería mejor para su Majestad, que a la hora de dejar este Planeta, los elefantes que aún estemos vivos, podamos llorar por usted en vez de alegrarnos por haber perdido a un verdugo.

    Los vientos de la selva son misteriosos, Majestad. ¿ Por qué no nos regala sus escopetas en vida?

    Con respeto y en nombre de todos los elefantes de Botsuana.

    Autor: Juan Arias. — com Jorge Ciraolo, Colo Jime, Jorge Tanzola, Patricia Bocchi, Cintia Salazar Juarez, Richard Figan, Cristian Nieto, Ailin Älybel Cantante, Jorge Cotellessa, Alicia Beatriz Gonzalez Cossio, Frank Ajeno, Patricia Mosca, Mapyporsiempreanimal Valinotti, Gabriel Angel, Leandro Welsch, Pablo Maya, Graciela Patrón, Hannia Michelle Barron Perez, Paola Donatella Cameli, Carlos Fiorenzi, Isabel Hidalgo De Caviedes, Antonella Lobo, Marcelo Alejandro Cayún, Richard Figueroa, Huellitas de Ángel, Javier Victor Paredes Milla, Viviana Lopez, Marcela Donato, Nantzin Reyes, Susy Tardeo, Maria Teresa Pintos, Mirta Elena, Mary Godoy, Julio Torres, Patricia Dasisam, Susy Strang, Vanina Animalista, El Campito Refugio Perfil, Eduardo Pierce, Alejandra Villa, Alicia Llorca Darias, Nan Nan Mon, Susana Beatriz Fernandez, Marcelo Gonzales, Laura Francisca, Hilda Rodriguez, Maria Eugenia Armanino e Alejandra Eyheralde.

  35. Magno

    -

    18/04/2012 às 17:34

    Caçar animais por esporte ou expô-los a tormentos para o regozijo de multidões são atos desprovidos de qualquer racionalidade, dada sua absoluta futilidade. Por essa razão, entendo que a proibição das touradas na Catalunha e as campanhas internacionais contra a caça de animais selvagens se constituem em inegáveis avanços civilizacionais. Considero um tanto inusitada, contudo, a celeuma que foi gerada pela revelação de que o rei Juan Carlos participou recentemente de uma caçada a elefantes em Botswana, pois o soberano espanhol dedica-se à caça de animais antes mesmo de Franco nomeá-lo seu herdeiro político. A monarquia não foi reinstaurada na Espanha pelas Cortes, pois vigorou formalmente durante o regime fascista do general Francisco Franco. A Assembléia Constituinte que teve lugar após a morte de Franco limitou-se a expressar sua anuência com a manutenção da monarquia, que tornou-se benquista entre os espanhóis graças em boa medida à respeitabilidade angariada pelo rei Juan Carlos por conta de sua firme atuação em prol da redemocratização.

  36. Elbez

    -

    18/04/2012 às 17:09

    UM REI DE RISOS; NÃO FOSSE GROTESCA E MEDÍOCRE A FOTO E A POSE DESSE CIDADÃO ESPANHOL, ELA É DE PÉSSIMO MAU GOSTO. ALIÁS, OS EUROPEUS CONTINUAM FAZENDO O QUE ELES MAIS SABEM E GOSTAM DE PRATICAR: DIZIMAR AS RAÇAS QUE ELES DIZEM INFERIORES. OS INDIOS DAS AMÉRICAS E SUAS CULTURAS FORAM DIZIMADOS A MANDO DOS FIEIS REIS EM DEUS – E VIVA A EUROPA, SUA CRISE E A IMPERIOSA ESTUPIDEZ DE SEU POVO.

  37. Andre

    -

    18/04/2012 às 16:43

    Questão de opinião, não vi nada de mais. O país está lotado de paquidermes, é necessario, e o dinheiro do abate ia para a manutenção da própia reserva. Foi assim no Brasil no caso das capivaras e dos pássaros-preto. Já essa questão de crueldade é totalmente desnecesssaria e envolve religião e fanatismo veganista. Na politica é pratica normal colecionar podres dos adversários para usá-los no futuro. Esse é mais um dos casos.Infelizmente, as massas não gostam de se informar por puro comodismo. Lamentável.

  38. Tico Tico

    -

    18/04/2012 às 11:22

    Revoltante caro Setti!
    Em um país em que um toureiro pede proteção a deus, ou preposto, e com torcida para o touro,
    pode tudo.
    Vossa Majestade ficou manco, mesmo que se recupere do acidente. Terá que ser cauteloso como raposa (espero que não seja caçador do pobre animal), de escolher onde pisa e usar muleta com trocadilho também. Ficou 1×1 com Chavez, com gol contra. Vergüenza do Varti. Para não mandar a figura plantar batatas, então que vá plantar azeitonas.

  39. Marcelo

    -

    18/04/2012 às 9:33

    Pô, esse rei também, tenha paciência, isso lá é hora de caçar elefante em botswana?

  40. Mari Labbate *44 Milhões*

    -

    18/04/2012 às 8:48

    DOUTOR MARCO: matar fetos-saudáveis e animais-saudáveis são práticas inaceitáveis, no Universo, porque representam projetos maravilhosos de VIDA! A tendência do Terceiro Milênio consiste em educar os Seres Humanos no Vegetarianismo, pois é mais saudável e NADA CRUEL. Somente sentindo, na carne, aprendemos a ser civilizados.

  41. veiaco

    -

    18/04/2012 às 7:00

    O Rei lá, Demóstenes aqui. Algum dia um idiota aperta o botão e vamos todos pelos ares. É da natureza humana.

  42. Victor

    -

    17/04/2012 às 23:12

    É possível que haja mesmo uma superpopulação de elefantes na África, como já houve (ainda há?) superpopulação de capivaras e jacarés no Pantanal e de Cangurus na Austrália, mas isso não responde à pergunta que não quer calar: que prazer pode haver em atirar e matar um bicho?

  43. Jefff

    -

    17/04/2012 às 22:24

    Acredito que as pessoas acham a monarquia esquisita porque nem param para pensar como se dá a escolha do chefe de estado em uma republica. Nas republicas parlamentaristas o presidente normalmente é um velhinho em fim de carreira politica que é escolhido num conchavo e que parte da população e a quase totalidade do mundo exterior nem sabe o nome. Nas republicas presidencialista a presidencia é comprada… porque sem muito dinheiro ninguem chega lá. A escolha é pelo dedaço (vide Lula) ou via previas para filiados que recebem todo tipo de incentivo para votar em fulano de tal. Depois que me dei conta disso não acho tão estranho a chefia de estado acontecer por via hereditária. Pelo menos não é comprada.

  44. Claudio Costa

    -

    17/04/2012 às 22:21

    Apenas uma pequena nota a quem escreveu o artigo. Muito bom artigo, mas tem uma falha que devia ser corrigida ” O elefante nao e o maior mamifero que existe, este titulo e da baleia Humpback ( ja que as baleias sao mamiferos e nao peixes), este sim o maior mamifero do planeta.

    Obrigado, Claudio, mas o texto explicita que é o maior mamífero terrestre.

    Abração

  45. wilson

    -

    17/04/2012 às 21:42

    O politicamente correto chegou ao estado de arte,
    e junto com o progressista de plantão é a fome com
    a vontade de caçar os desafetos burgueses e reais.
    Nada como ter uma certa idade Brezhenev, Khrushov,
    Erich Roenecker todos proceres do paraiso socialista caçaram muito urso e outros animais,quando de férias da caça de humanos mas um rei não pode.

  46. Julio

    -

    17/04/2012 às 21:41

    Que pena. Nada mais a dizer. Peço licença a você para citar um post do Reinaldo Azevedo sobre outra situação, mas igualmente intrigante. Fala o Reinaldo sobre uma frase de Terêncio : ” Sou homem, nada do que é humano considero estranho a mim “. Conforme você demonstrou, o Rei está nu. Grande abraço, Julio

  47. marco

    -

    17/04/2012 às 18:40

    Em tempo: escrevi antes de ler as postagens; o comentarista que escreveu “na Espanha o aborto é livre até as 22 semanas, então o Rei pensou: que mal tem matar um elefante?” resolveu a questão. Então, ilustres críticos da caça: eu preservo fetos e mato animais nas minhas caçadas (obs.: fora do Brasil, destaco). Não vou convidá-los a caçar comigo, mas que tal convocarmos todos ecologistas a proteger essa espécie tão ameaçada e absolutamente indefesa que está dentro do útero das mulheres? Na ‘caça maior’, o chamado ‘big game’, o caçador corre riscos, mas para ‘caçar’ um feto dentro do útero não precisa coregem nenhuma. Lanço a questão para os “humanitários” de plantão, acreditando que a grande maioria dos chamados ecologistas é favorável á legalização do aborto.
    Nota: sou médico, e garanto para vocês que o resultado de um aborto tem uma imagem bem mais assustadora do que a do belo elefante que o Rei matou.

  48. mat

    -

    17/04/2012 às 18:39

    O Rei conseguiu transformar-se num idiota do maior calibre.

  49. marco

    -

    17/04/2012 às 18:28

    Gostaria que alguém me dissesse qual a incompatibilidade insanável entre caça e conservacionismo. Nós caçadores temos tanto interesse na preservação quanto qualquer ecologista, com a diferença que, tenho certeza, conhecemos mais de vida natural do que a maior parte dos “ecologistas escoseses” (parafraseando o Gal. Heleno quando citava os ‘amazonistas de Ipanema’). Na vida natural não há morte por idade avançada: o único animal que morre de velho, em asilos ou na companhia de familiares, é o homem, além de alguns de seus animais de estimação (lembrando que praticamos eutanásia em nossos amados cães e gatos quando a idade avançada dos mesmos assim indica). O animal ou vai ser morto por predadores ou por doença e fome, e a caça organizada escolhe espécimes maduros, de pereferência machos, etc. Querem garatir a sobrevivência de uma espécie? Basta dar valor comercial a ela. A galinha e o boi já estariam extintos não fosse terem sido transformados em mercadoria. Vocês acham que há risco de extinção para animais avaliados em 75 ou 100 mil dólares a cabeça? O que é mais interessante, para a ecomomia e a própria preservação: deixar esse animal (magnífico, sim) morrer de fome, se arrastando e sofrendo, ou levando um tiro e desabando de uma vez? Todo mundo gosta dos bichinhos, etc ( eu também!), mas então vamos ser coerentes: quem for contra a caça que pare de comer carne. Em tempo: passei momentos da minha infância em matadouros de gado no RS e estou acostumado a matar porcos com tiro na cabeça (obs.: sou atirador registrado junto ao Exército), algo que me parece mais respeitoso com o animal do que pendurá-lo de cabeça para baixo e lhe cravar uma faca no coração para que se esvaia, ou seja, conheço um pouco dessa lida. A quem quiser criticar a caça, peço que faça uma visita a um abatedouro antes.
    Espantosa é a reação de parte dos ecólatras que parecem gostar mais dos animais do que do ser humano: no link em que vi essa notícia, ainda ontem, vi várias manifestações imprecando todo tipo de infortúnio ao Rei, com a presença da inefável B. Bardot, desejando que ele não se recuperasse da fratura na perna (!). Isso é humanitário? Aqui não espaço para tanto, e não sou especialista no tema (eu reconheço, já os ecologistas escoceses…), mas para quem quiser melhores informações sugiro visitar, por exemplo, sites norte-americanos das inúmeras associações de caça lá existentes, onde pode ser visto o primoroso trabalho conservacionista por elas executado.

  50. Nelo de Carvalho

    -

    17/04/2012 às 18:22

    Não publico críticas à revista VEJA por não ser este o espaço adequado. E, para sua informação, eu não “sou” a revista VEJA. Sou um colunista que tem um blog no site de VEJA.

    E, pela baboseira que você escreveu, você com certeza não leu o post.

    Faça-o da próxima vez antes de criticar, tá?

  51. Reynaldo-BH

    -

    17/04/2012 às 18:13

    Parabéns a Silvia Lakatos Varuzza.
    Excelente texto. Dá prazer em ler. E concordo com as colocações. (Não conhecia o episódio da Rainha estrangulando um faisão).
    Os comentários da Silvia reforçam o imenso – e desnecessária – erro de um rei que sempre foi um símbolo em sua própria terra. E pior, presidente de honra de uma organização de defesa da vida selvagem.
    Como disse o Ismael Silva de Portugal, de fato “el rey meteu a pata na poça!”.

  52. valdeci

    -

    17/04/2012 às 18:09

    ESSE SR JA MATOU UM MONTE DE URSO NA ROMENIA ELE E SO UM BURGUES QUE PSEUDAMENTE REPRESENTA UM PAIZ QUE ESTA PERDENDO SUA IDENTIDADE E SUA AUTO ESTIMA

  53. Mari Labbate *44 Milhões*

    -

    17/04/2012 às 18:05

    O prepotente e ingênuo Rei Juan Carlos I, da Espanha, e seus irresponsáveis familiares cavaram as próprias sepulturas com as suas inaceitáveis caçadas. Os mesmos erros cometeram a Rainha Elizabeth II, da Inglaterra, e os seus alienados familiares, que ainda pretendem tornar-se os “Donos-do-Mundo”, com as suas tendências colonialistas. Juan Carlos, além de caçador, envolveu-se com arma de fogo com o seu irmão. Não é bonzinho, portanto, e nada é esquecido no Universo. Afirmo-lhe que: quem toca em armas, fere-se brutalmente. Basta somente a intenção! Conclusão: as Monarquias Espanhola e Britânica estão extintas, espiritualmente, como os adorados-animaizinhos que assassinaram POR PRAZER! Perceba, querido Setti, que essa lastimável fotografia do “Rei” nessa terrível caçada manchou-o, irreversivelmente, de SANGUE-DIVINO. Chorei! VIVA O TERCEIRO MILÊNIO: A ERA-DO-JUÍZO NO PLANETA TERRA! VIVA A VIDA! VIVA A LIBERDADE! Caro fratello: Parabéns pela maravilhosa sensibilidade… Grazie tante, Anjos de Guarda.

  54. Silvia Lakatos Varuzza

    -

    17/04/2012 às 17:43

    Não sou dessas pessoas que desprezam a Monarquia por princípio. Acho até que, em muitos aspectos, a serenidade política proporcionada pela existência de uma família real ajudou diversos países a consolidarem suas instituições e a atravessarem períodos de grande turbulência, como a I e a II Guerra Mundiais, sem sofrerem maiores danos, inclusive no que tange à Economia. As figuras do rei e da rainha transmitem uma força simbólica que não somos capazes de compreender – mas, com certeza, ela existe e é importante para os súditos. No entanto, vez por outra, deparamos com alguma imagem chocante, de agressão à vida animal, protagonizada por expoentes das principais casas reais europeias. A mais recente mostra o rei Juan Carlos. Mas ele não é o único nobre que se diverte tirando vidas. Há cerca de uma década, causou indignação uma foto do Príncipe William (hoje Duque de Cambridge), e de sua então namorada Kate Middleton: ambos sorriam, ao lado de um filhote de cervo que haviam acabado de abater. E William teve a quem puxar. O Príncipe Philip, marido de Elizabeth II e avô dos princípes William e Harry, é notório caçador. Não há tripulante da Arca de Noé que o distinto senhor já não tenha alvejado, picado e sangrado. Ele se orgulha disso e fez questão de transmitir sua “arte” aos netinhos… E o que dizer da própria Elizabeth II? Em 2000, as câmeras de um tabloide inglês registraram o momento em que um dos cães da rainha aproximou-se dela, levando entre os dentes um faisão ferido por bala. Elizabeth então se abaixou, apanhou a ave e torceu-lhe o pescoço com as próprias mãos. A repercussão foi péssima! Na sequência da reportagem, a popularidade da família real despencou e permaneceu em baixa por um bom tempo, obrigando o Palácio de Buckingham a emitir um comunicado no qual explicava que o ato tivera uma finalidade humanitária: abreviar o sofrimento do bicho agonizante. O fato é que a caça faz parte da cultura dessa gente desde os tempos em que só os nobres dispunham do direito de caçar em suas vastas propriedades. Mas não é razoável que barbaridades sejam legitimadas porque são “parte da cultura” – seja extirpar clitóris de meninas, assassinar bebês deficientes ou caçar, os “costumes” que não passam de autênticos horrores devem ser abandonados. Simples assim. Acredito que, congelados no tempo, talvez enfastiados por não fazerem nada além de “reinar” – e no caso de um Príncipe Philip, nem isso, uma vez que o trono pertence à sua esposa –, esses indivíduos se divertem em matar. Talvez este seja o momento em que chegam mais perto da vida “verdadeira”: quando o sangue jorra, o brilho da vida se esvai dos olhos da presa, e o inútil “nobre” se sente um pouco deus… Um deus da destruição, claro, mas ainda assim poderoso e onipotente perante sua vítima.

  55. saulo

    -

    17/04/2012 às 17:34

    vergonha!!!!

  56. maria rita

    -

    17/04/2012 às 17:32

    A vida de um monarca é muito monótona, não tem o que fazer, então para se distrair ele mata elefantes!!!
    Pode ser legal, mas é “imoral”.

  57. Diogo

    -

    17/04/2012 às 17:29

    Josep Maria – Certo, mas o que isto que você escreveu tem a ver com o caso dos elefantes? Não estou a par das últimas news sobre a família real espanhola, apenas sei do grande papel histórico que este homem exerceu no passado. E sei que hoje em dia muitas miudezas ganham uma repercussão muito grande por causa desta famigerada onda politicamente correta.

  58. bereta

    -

    17/04/2012 às 17:27

    Não devemos nos esquecer que a caçada faz parte da memória atávica do homem. Caçamos para sobreviver e por isso estamos aqui. Poderá alguém alegar que já não dependemos da caça para sobreviver, mas o instinto é inerente ao homem e aos animais. Deixemos Sua Majestade em paz. Se a consciência o acusa, ele saberá como administrar a situação. Alguém aí se preocupou com a fome em muitos países da África? Mas é só falar que mataram um bicho e o mundo todo se posiciona. O ser humano é mesmo um enigma!

  59. Sandro Rodrigues

    -

    17/04/2012 às 17:13

    Acredito que quem critica o rei é porque mora na cidade e acha os elefantes fofinhos, e também porque não tem conhecimento do que está acontecendo. Eu também gosto de animais, mas em Botswana há uma superpopulação de elefantes, gostaria de perguntar aos críticos se eles tem alguma sugestão para que a população de elefantes não vire praga. E gostaria de perguntar também qual a diferença entre matar um elefante e um boi, será que o boi é menos animal? Engraçado, criticam que o rei matou um elefante, mas comem churrasco de boi morto na marreta ou no choque, moral de cueca pra não dizer hipocrisia.

  60. Josep Maria

    -

    17/04/2012 às 17:06

    Diogo- O problema e mais profundo que isso. Juan Carlos e um bom Rey da Espanha, mais ele fala uma coisa e faz outra,ele tem mulheres demais e precisa ser mais cauto,alem dos problemas de seu genro que ganhou muitos milhões de euros indevidamente. A Monarquia na Espanha esta em perigo. As Autoridades não podem pedir ao povo austeridade e eles gastar milhões. Se precisa ter dignidade moral.

  61. percy batista

    -

    17/04/2012 às 16:57

    Esse rei representa apenas a mais ordinária e contundente exemplificação do que se tornou a representatividade humana: uma hipocrisia imensurável. O que nos acalenta é saber que, mais cedo ou mais tarde, o bicho homem será extinto da face da terra, que vai se reciclar e quem sabe originar um outro ser mais inteligente e preparado para aqui viver.

  62. Daniel

    -

    17/04/2012 às 16:54

    Na Espanha o aborto é livre até 22 semanas. Então o Rei deve ter pensado: se pode matar bebês, por que não pode matar elefantes?

  63. Diogo

    -

    17/04/2012 às 16:46

    Beleza…
    Um homem que protagonizou a saída de seu país do obscurantismo e ajudou a contruir a moderna Espanha vai ser linchado publicamente pq matou uns elefantes?????
    Por mais que ele possa ser recriminado, não fez nada de ilegal e o seu legado para os HUMANOS do seu país é algo infinitamente maior do que a vida de alguns animais.

  64. Vera Scheidemann

    -

    17/04/2012 às 16:38

    Essa notícia me deixou com muita raiva ! Ver a
    foto daquele pobre elefante morto causou-me
    tristeza, indignação e repugnância. A título de
    que um ser humano comete tamanha covardia contra
    um animal indefeso ?! Como classificar um ato tão
    desumano de diversão ?!
    Já aderi à lista de assinaturas para tirar essa
    criatura da posição de honra (que ironia !!) que
    ocupa na WWF. Tomara que funcione.
    Vera

  65. Lecen

    -

    17/04/2012 às 16:36

    Independente do que se pense a respeito do rei Don Juan Carlos I, não podemos esquecer jamais que ele foi o único chefe de Estado que mandou Hugo Chávez calar a boca, algo que milhões de pessoas em diversos países há muito sonhavam ver.

    Dito isto, o Ricardo Setti relembrou diversos outros momentos importantíssimos da vida pública do rei, que sempre teve uma postura muita correta.

    Foi um deslize? Foi. Se ele estivesse matando aranhas, ninguém teria reclamado, mas como são elefantes, a reclamação é geral. Ocorre que ele não fez absolutamente nada ilegal. Mas a situação é muito parecida com o que ocorreu com o filho de Eike Batista: a inveja pega fogo na maior parte das pessoas, que sentem um prazer mesquinho íntimo em ver alguém rico se dar mal.

    Quanto aos que se divertem ridicularizando a monarquia como instituição (principalmente na seção de comentários deste blog), me pergunto se são tão orgulhosos assim da república, principalmente a nossa, que já teve seis constituições, quatro ditaduras, inúmeros golpes de Estado, etc, etc…

    A Espanha como república foi um fracasso, alternando entre o puro caos e a ditadura de Franco (que oficialmente era uma monarquia, mas papo furado!). Aliás, nesse período a Espanha era conhecida, tal qual Portugal, como um país atrasado e obscurantista. Desde que se tornou uma monarquia constitucional parlamentarista, o país se tornou moderno e rico (independente da crise, ainda é um país rico).

    E por último, e não menos importante: tirem da cabeça essa noção equivocada de que as famílias reais européias são parasitas que não trabalham, vivendo no luxo sem merecerem. Cada membro de uma família real trabalha, representando dia após dia, o dia inteiro, o seu país em inúmeros eventos, solenidades, negociações, etc… Não ficam deitados numa rede tomando uma cervejinha, e nem ganhando milhões em palestras-fantasmas.

    Por mim, eu preferiria ter o rei Don Juan Carlos I como chefe de Estado, mandando o Chávez calar a boca, do que um Lula abraçando ditadores párias e chamando-os de irmãos.

    Melhor ser um súdito numa monarquia parlamentarista do que um bobo na corte em nossa república presidencialista falida.

  66. Felipe

    -

    17/04/2012 às 16:33

    Prezado jornalista, busque mais informações sobre a situação real dos elefantes na África. Eles não correm perigo de extinção e realmente estão sobrando, em superpopulação (não somente em Botswana). O manejo legal da caça é a maior fonte de divisas de preservação. A atribuição de valor econômico ao animal pode representar a sua garantia de existência futura e limita o mercado negro, além de estar alinhado com o que existe de mais atual em pesquisa econômica e conservacionismo. Qualquer dúvida estou ai para ajudar, basta contactar meu e-mail.

  67. pericles

    -

    17/04/2012 às 16:06

    O rei espanhol matou UM ELEFANTE. Aquele norueguês FDP matou mais de SETENTA PESSOAS. Parece que o mundo já esqueceu!

  68. Pedro Luiz Moreira Lima

    -

    17/04/2012 às 15:54

    Meu amigo Setti:
    Sei que é republicano,democrata e uma pessoa adorável.Nunca fui simpático ao Rei Juan Carlos – embarcou num processo político que tinha que embarcar – perder os anéis para não perder os dedos.
    Enquanto generalíssimo Franco no poder foi um vassalo fiel.
    É minha opinião e como vc sabe direta e sincera.
    Recebeu minha mensagem e convite?
    Grande abraço a um jornalista republicano,democrata e com amplo respeito de todos os colegas e leitores.
    Longa Vida a Setti!
    Pedro Luiz

    Recebi, sim, caro Pedro, e vou despachá-la para o Luiz Cláudio.

    Quanto a Juan Carlos, li muito a respeito dele e de sua vida — inclusive livros de historiadores mais isentos, que são os britânicos especialistas em Espanha — e tenho opinião diversa da sua.

    Um abração e obrigado por suas boas palavras.

  69. carlos nascimento

    -

    17/04/2012 às 15:49

    O tempo é cruel, dá voltas, algum tempo atrás, o rei protagonizou um puxão de orelhas no maluco bolivariano – chavéz – quem não há de se lembrar do famoso: “por que não te callas……idiota”.
    Agora, creio que o rei mereça também ouvir na lata, “por que não te mancas…..Juan Carlos”

  70. Patrícia

    -

    17/04/2012 às 15:39

    Eu não consigo entender a existência de monarquias ainda hoje. Fosse eu inglesa, detestaria trabalhar enquanto o príncipe Charles e sua pavorosa Camilla desfrutam das riquezas do país sem mexer o traseiro gordo pra nada (ou quase nada). Estivesse eu desempregada na Espanha e o rei saracoteando pela África contribuindo para a extinção de animais, atearia fogo em Madrid.

  71. Ismael

    -

    17/04/2012 às 15:32

    Lamentável, repugnante. Já fui assistir uma tourada em Sevilha e enfrentar um touro face a face, mesmo com o animal debilitado, requer muita bravura, sem dizer que o corpo do toruo é respeitosamente vendido no açougue depois. Mas que serventia tem matar um elefante? o Rei vai comê-lo?

  72. Pedro Luiz Moreira Lima

    -

    17/04/2012 às 15:29

    Rei bom rsrsrssrsr:
    A facilidade que as elites têm para serem perdoadas é fantástica – tudo gente boa – tudo de bom coração.
    Tudo podre de atitude e caráter – ter sido nomeado o herdeiro do Generalíssimo Franco pelo próprio Franco demostra uma ternura e uma bondade ímpar. Vamos cantar juntos: – ” se um elefantinho chateia muita gente,dois elefantinhos chateiam muito mais,se dois elefantinhos chateiam muita gente,três elefantinhos…”nosso reizinho já nos poupou de uma chateação,não é mesmo?
    Longa vida ao Franquinho Juan Carlos – eta menino bão!
    Abraços
    Pedro Luiz

    Calma lá, Pedro. A monarquia — goste-se dela ou não, e eu obviamente sou republicano — foi aprovada pelas Cortes Constituintes, com o voto inclusive dos partidos Comunista e Socialista Operário Espanhol, e depois ratificada por gigantesca maioria pelo povo espanhol. EStá inscrita na Constituição democrática da Espanha.

    E ignorar o papel do Rei na implantação e na manutenção da democracia, me desculpe, Pedro, é ignorar a história do país. Há um livro esplêndido sobre a tentativa de golpe de 1981, “Anatomia de un Instante”, que vale a pena ler. Não foi traduzido, mas pela Amazon é fácil comprar.

    Abraço

  73. Jefff

    -

    17/04/2012 às 15:20

    Acho que o anti-monarquismo, anti-catolicismo, anti-capitalismo, anti-petismo bebem na mesma poça do ignorancia, truculencia e fanatismo. Ser anti é ser raso!

  74. JB/RJ

    -

    17/04/2012 às 15:18

    Ora..ora El Rey! Caçar um inocente elefante é uma covardia! Mas se for mesmo bom de tiro, podia começar a temporada de caça à mocréia na Argentina. Podia até caçar um pouco aqui por Banânia que presas não faltam…

  75. Jefff

    -

    17/04/2012 às 15:16

    Setti vc acha que isso poderá prejudicar de morte a monarquia? Os espanhois são republicanos? Nas redes sociais só falta pedirem a guilhotina para o rei.

    Caro Jefff, todas as pesquisas de opinião pública feitas ao longo dos anos dão grande maioria de respostas favoráveis à monarquia. E há até pessoas inteiramente indiferentes à monarquia, ou até que não gostam desse regime, que apreciam o rei e seu papel e se dizem “juancarlistas”. Minha mulher e eu temos amigos que se definem exatamente assim.

    As redes sociais de fato estão espumando com a história, o rei está com a imagem arranhada mas não credio que a monarquia constitucional espanhola — uma instituição obsoleta, mas que no país tem funcionado — esteja ameaçada.

    Abraços

  76. Cleia Maria Ramos

    -

    17/04/2012 às 15:10

    Tomara que se dane por completo….vivemos num tempo que animais são pra ser respeitados..ai chega um idiota deste pra matar…maravilha…o bom agora,é com toda a tecnologia tudo que é feito é filmado,fotografado,etc…então..não faça..

  77. Reynaldo-BH

    -

    17/04/2012 às 14:49

    Quase inacreditável. Um rei, como Juan Carlos – lembro-me que a início tinha o apelido de El Breve – conseguiu reverter a expectativa negativa que envolvia o início do reinado. Criado – ou educado – por Franco, conseguiu ter uma personalidade forte e na crise de 1981 (como vc bem lembrou) conseguiu se fazer respeitado pelos espanhóis. Mais, admirado. E com prestígio internacional. Exerceu, durante todos estes anos, o papel que lhe cabia. Discreto, democrata, sem nada que manchasse uma biografia exemplar. No momento que a Espanha passa pelo que parec e ser a mais séria crise (econômica, de autoestima, incertezas, ect.) Juan Carlos vem contribuir para a piora do cenário.
    Mesmo que não tenha gasto um euro com a “aventura”, não era hora nem momento de estar em férias na África. E ainda mais, em uma caçada brutal. Os elefantes são mortos quase que inocentemente, sem reação, a longa distância com armas que parecem canhões portáteis. Fuzis de alto poder de destruição. Como presidente de honra da WWF, chega a ser acintosa esta participação. A pergunta que todos por aí devem estar fazendo é: se como presidente da WWF é capaz de enganar a todos desta maneira, o que não fará em outras situações?
    Uma pena. Não sou monarquista. Mas tenho (ou tinha) por Juan Carlos um grande respeito. Que não some pelo que já fez no passado, com o fiador da democracia espanhola no momento em que esta mais precisou.
    Mas que este episódio mancha a biografia, não resta dúvidas. NA verdade, os ídolos (todos) são humanos. E cada vez mais se revelam possuidores de uma “segunda vida”, como avatares.
    Pena.

  78. Luiz Perira

    -

    17/04/2012 às 14:29

    Setti, boa tarde,
    O Rei é um Bourbon – de valor, já o provou. Mas, dessa estirpe, já foi dito, quando da assunção de Carlos X, “não aprenderam nada, não esqueceram nada”.
    Eu simpatizo com o Rei. Mas que foiu uma bola fora, foi.
    abs

  79. Ismael Silva - de Portugal

    -

    17/04/2012 às 14:17

    Como se diz em Portugal: “Desta vez El Rey meteu a pata na poça”!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados