Blogs e Colunistas

PP

24/09/2014

às 19:20 \ Política & Cia

Em debate no RS, Ana Amélia aponta aumento brutal de gastos com diárias de funcionários pelo governo petista

Tarso (PT), segundo Ana Amélia (PP), mais do que dobrou as despesas de  (Fotos: Caco Argemi/Palácio Piratini::Camanha Ana Amélia)

Tarso (PT), segundo Ana Amélia (PP), mais do que dobrou as despesas de (Fotos: Caco Argemi/Palácio Piratini::Camanha Ana Amélia)

Durante debate dos candidatos a governador do Rio Grande do Sul que terminou na madrugada de hoje na TV Pampa, a senadora Ana Amélia (PP), que lidera as pesquisas de intenção de voto, divulgou dados mostrando que os gastos com diárias de funcionários autorizados pelo governador Tarso Genro (PT), que busca a reeleição, mesmo com as restrições orçamentárias do Estado, terão pulado de 61 milhões de reais em 2010 para 155 milhões de reais até o final deste ano.

24/09/2014

às 14:00 \ Política & Cia

VÍDEO/RIO GRANDE DO SUL: O jingle da candidata favorita ao governo do Estado, Ana Amélia (PP), em ritmo gauchesco

20/09/2014

às 18:30 \ Política & Cia

BOA NOTÍCIA PARA OS DEMOCRATAS: Governador Tarso Genro (PT), amigão do terrorista Battisti e candidato de Lula e Dilma no RS, está levando uma surra da senadora Ana Amélia (PP)

Ana Amélia (PP), crítica do lulopetismo e aliada de Ajécio Neves, e o governador Tarso Genro (PT) que, como ministro da Justiça, tudo fez para que o Brasil abrigasse o terrorista italiano Battisti (Fotos: Agência Senado::Governo do Ro Grande do Sul)

Ana Amélia (PP), crítica do lulopetismo e aliada de Ajécio Neves, e o governador Tarso Genro (PT) que, como ministro da Justiça, tudo fez para que o Brasil abrigasse o terrorista italiano Battisti (Fotos: Agência Senado::Governo do Ro Grande do Sul)

Alguns leitores desavisados que não sabem até hoje que esta é uma coluna de OPINIÃO, como tem sido desde seu início, há quatro anos, cobram “imparcialidade” ao titular. A imparcialidade e a objetividade jornalística foi algo que procurei com denodo e afinco durante décadas de carreira — como repórter, redator, editor-assistente, editor, redator-chefe e diretor de Redação.

A partir do momento em que assumi esta coluna, porém — uma coluna de OPINIÃO, de comentários sobre acontecimentos, e não de noticiário isento –, passei a expressar o que pensava sobre homens públicos, partidos políticos, instituições e governos.

E, sim, tenho claramente um lado: sou CONTRA o lulopetismo, sua conduta imoral, sua incompetência administrativa e sua tendência à hegemonia e ao totalitarismo.

O fato de ser um jornalista de OPINIÃO, porém, não me afasta um milímetro da ética, que faz, para começo de conversa, com que eu JAMAIS utilize para argumentar em meus textos opinativos fatos e dados que não sejam verdadeiros. 

Assim sendo, é com JÚBILO que registro o fato de ir muito mal nas pesquisas de intenção de voto para o governo do Rio Grande do Sul o atual governador e ex-ministro da Justiça Tarso Genro — o mesmo que concedeu “asilo político” a um terrorista condenado na Itália por quatro homicídios, como se a Itália fosse uma republiqueta de bananas que estivesse “perseguindo” politicamente a Cesare Battisti, e não um Estado de Direito onde vigoram plenamente as liberdades civis e os direitos individuais.

Tarso está, por enquanto, tomando uma lavada da senadora Ana Amélia (PP), que, embora integre um partido da base de sustentação ao governo Dilma, faz oposição ao lulopetismo e apoia o tucano Aécio Neves para a Presidência.

Leiam a matéria abaixo de VEJA.com:

Candidata do PP também lidera na simulação de segundo turno no embate contra o atual governador do Estado

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira aponta que a candidata Ana Amélia (PP) segue na liderança da disputa pelo governo do Rio Grande do Sul, com 37% das intenções de voto, mesmo patamar do levantamento anterior. O atual governador, Tarso Genro (PT), oscilou de 28% para 27%, e José Ivo Sartori (PMDB) oscilou de 11% para 13%.

Vieira da Cunha (PDT) tem 3%, e Roberto Robaina (PSOL), Humberto Carvalho (PCB) e Estivalete (PRTB) não pontuaram. Brancos e nulos somaram 5% e 14% não sabem ou não responderam.

Segundo turno - Na simulação de segundo turno entre Ana Amélia e Tarso Genro, a candidata do PP tem 48% das intenções de voto ante 34% do petista. Brancos e nulos são 7% e 11% não sabem ou não responderam.

O Datafolha também aferiu a taxa de rejeição dos candidatos e mostrou Tarso Genro na frente, com 24% de rejeição, enquanto Ana Amélia tem 13% e Sartori, 6%.

O instituto entrevistou 1.300 eleitores em 50 municípios do Estado entre os dias 17 e 18 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo RS-00018/2014.

(Com Estadão Conteúdo)

15/09/2014

às 17:30 \ Política & Cia

VÍDEO: No horário eleitoral, Romário, candidato ao Senado pelo Rio, diz que quer aperfeiçoar a democracia com auxílio das redes sociais

A coluna tem procurado trazer alguns vídeos de campanha de candidatos em diferentes Estados brasileiros, como fez, mais recentemente, com a senadora Ana Amélia (PP), candidata a governadora do Rio Grande do Sul, e o senador Álvaro Dias (PSDB), candidato à reeleição pelo Paraná.

Hoje, trazemos um vídeo de campanha do ex-craque Romário, deputado federal pelo PSB e candidato que lidera as pesquisas de intenção de voto para o Senado no Rio de Janeiro. Romário diz, no vídeo, que pretende aperfeiçoar a democracia com a utilização das redes sociais, e mostra como.

14/09/2014

às 13:00 \ Política & Cia

VÍDEO: Assistam a um programa eleitoral da candidata que está derrotando o PT na disputa pelo governo do Rio Grande do Sul

Trata-se da senadora Ana Amélia (PP), jornalista, que até entrar na política, em 2010, havia atuado durante 33 anos como repórter e comentarista no jornal Zero Hora, na TV RBS, afiliada à Rede Globo, e na Rádio Gaúcha de Porto Alegre, tanto no Rio Grande do Sul como em Brasília.

Embora filiada ao PP, partido da base de sustentação do governo Dilma, Ana Amélia faz oposição ao lulopetismo e está apoiando o tucano Aécio Neves na disputa pela Presidência.

As pesquisas de intenção de voto colocam-na à frente do governador petista Tarso Genro, que tenta a reeleição.

?list=UUIIM1Bu60rYhb-_D4oRQcHQ

01/09/2014

às 17:05 \ Política & Cia

Aqui, o PT não entra de jeito nenhum: GOIÁS, domínio do PSDB e do DEM

Ronaldo Caiado, deputado pelo DEM: o líder ruralista é o favorito para capturar a vaga do Senado no Estado (Foto: Beto Oliveira/Agência Câmara)

Ronaldo Caiado, deputado pelo DEM: o líder ruralista é o favorito para capturar a vaga do Senado por Goiás — onde o PT não tem vez (Foto: Beto Oliveira/Agência Câmara)

O Estado é o único a ter seus três senadores e o governador de partidos de oposição ao governo lulopetista. Nestas eleições, isso não deve mudar

Por Gabriel Castro, de Brasília, para VEJA.com

Nos últimos catorze anos, as eleições têm mostrado um contínuo crescimento nacional do PT, que passou de uma agremiação de força média, sem capilaridade, para um dos partidos mais poderosos do Brasil, com presença nas capitais e nos grotões. Há um lugar, entretanto, que parece ter ficado imune a essa onda: Goiás.

O Estado é a única das 27 unidades da federação onde o governador e todos os três senadores fazem oposição ao PT. O governador é Marconi Perillo (PSDB). Dois senadores são tucanos; o outro é do DEM. O cenário não deve mudar: nas eleições deste ano, Perillo caminha para a reeleição, enquanto Ronaldo Caiado (DEM) é o favorito para vencer a disputa por uma cadeira no Senado.

Na Câmara dos Deputados, apenas um dos 17 parlamentares é petista. O candidato do PT ao governo do Estado, Antonio Gomide, aparece em quarto lugar nas pesquisas, com 5% das intenções de voto. Marina Sant’anna, a petista que disputa o Senado, tem números um pouco melhores, mas a vantagem de Caiado é confortável.

O que explicaria a falta de sucesso do PT no Estado? O professor de Ciência Política Itami Campos, da Universidade Federal de Goiás, diz que o perfil socioeconômico da população explica os insucessos petistas. “O agronegócio é muito forte, e o que predomina entre os eleitores é uma mentalidade mais tradicional”, diz ele.

Hoje, 70% da população do Estado é urbana, mas as pequenas cidades são ampla maioria. Cerca de 80% dos municípios goianos têm menos de 20.000 habitantes.

Outra razão: tradicionalmente, a política goiana tem uma participação intensa de grandes fazendeiros e empresários, o que minou desde o início a possibilidade de ascensão do PT, historicamente ligado ao sindicalismo e ao funcionalismo público.

Em Goiás, o PT ainda possui o perfil eleitoral que tinha antes da chegada de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência: o típico eleitor petista é de classe média, concentrado nas grandes cidades. Não por acaso, o partido governa os dois principais municípios do Estado: Goiânia e Anápolis. O presidente do PT goiano, Ceser Donisete, usa esses dados para afirmar que o petismo tem sua força em Goiás.

Ainda assim, o saldo das eleições municipais não é bom: o partido tem menos prefeituras do que siglas médias, como DEM, PP e PSD. E comanda apenas um terço do número de cidades administradas por PMDB e PSDB.

Donisete diz que o cenário não é permanente. ”É conjuntura, mesmo. Depende do nome que é apresentado. Agora quem lidera as pesquisas para governador é o Marconi Perillo, mas dentro da aliança dele tem pelo menos cinco partidos que apoiam Dilma”, afirma. Esse dado, entretanto, só reforça as diferenças entre o cenário local e o federal.

O predomínio de políticos de centro ou de direita também causou em Goiás uma polarização curiosa: PSDB e DEM estão em lados opostos. O partido de Ronaldo Caiado, aliado ao PMDB, enfrenta os tucanos nas urnas.

Caiado diz que o perfil do eleitor goiano é naturalmente avesso às ideias petistas: ”Aqui existe uma tendência mais liberal, de que o Estado deve ter funções específicas, sem muita interferência na iniciativa privada. A maioria do Estado acredita capacidade do cidadão”, afirma.

Ele havia firmado uma parceria com o então candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, até que, por exigência de Marina Silva, o acordo foi desfeito. O democrata aliou-se, então, ao PMDB do ex-governador Iris Rezende mas, em nível nacional, estará ao lado de Aécio Neves (PSDB) se ele for eleito presidente.

O PMDB local, que já foi anti-PT, chegou a se aliar aos petistas e agora se separou novamente. Rezende, o candidato da sigla ao governo, luta para reverter a vantagem de Perillo, mas a tendência é que o tucano conquiste o quarto mandato.

(CLIQUEM AQUI PARA LER ENTREVISTA DO DEPUTADO RONALDO CAIADO)

11/08/2014

às 19:05 \ Política & Cia

A charge de SPONHOLZ: A contadora que contou tudo a VEJA sobre “malas e malas de dinheiro” utilizado por políticos do PT, do PMDB e do PP

a charge contadora

04/08/2014

às 20:30 \ Política & Cia

A senadora gaúcha que ameaça o PT na terra de Dilma

PEDRA NO SAPATO – A senadora Ana Amélia Lemos (PP), que pode complicar os planos de reeleição de Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul (Foto: Agência Senado/VEJA)

PEDRA NO SAPATO – A senadora Ana Amélia Lemos (PP), que pode complicar os planos de reeleição de Tarso Genro (PT) no Rio Grande do Sul (Foto: Agência Senado/VEJA)

Ana Amélia Lemos, do PP, lidera as pesquisas para o governo gaúcho contra o petista Tarso Genro e dará palanque a Aécio Neves, adversário de Dilma

Por Marcela Mattos, de Porto Alegre, para o site de VEJA

No dia 25 de junho, às vésperas do término do prazo para as convenções dos partidos, a reunião do Partido Progressista (PP) terminou em confusão. A cúpula do partido não conseguiu aprovar, como pretendia, o apoio à candidatura à reeleição da presidente-candidata Dilma Rousseff. Um dos diretórios que capitaneou a dissidência foi o do Rio Grande do Sul, com a senadora Ana Amélia Lemos à frente.

A briga não reverteu o quadro porque, numa canetada, o presidente da sigla, Ciro Nogueira (PI), reuniu a cúpula do partido em seu gabinete no Senado e, a portas fechadas, decidiu pelo apoio a Dilma. Mas o embate foi um claro prenúncio do tamanho da dificuldade que o PT e Dilma enfrentarão pelos oito milhões de votos gaúchos em outubro.

Com o protagonismo nacional enfraquecido por uma longa crise nas contas públicas, o Rio Grande do Sul terá nas urnas oito candidatos ao Palácio Piratini, entre eles o atual governador, Tarso Genro, do PT, que tenta a reeleição.

A gestão do petista acabou marcada pelo endividamento do Estado – mais de 41 bilhões de reais –, aumento de 22% dos homicídios e uma crise permanente com professores da rede estadual, além do desgaste por ter criado uma estatal para gerenciar as estradas.

“Sou muito mais beneficiada pela fragilidade do Tarso Genro do que exatamente por alguma qualidade que eu possa ter. Estamos vivendo um bom momento para a renovação no Estado, e a política é imponderável”, diz Ana Amélia.

Segundo a última rodada de pesquisas feitas pelo Ibope, Ana Amélia tem 37% das intenções de voto, contra 31% de Tarso. Ex-prefeito de Caxias do Sul, José Ivo Sartori (PMDB) está em terceiro, com 4%, e o deputado federal Vieira da Cunha (PDT) tem 2%. Sondagens feitas pelo PP apontam um cenário ainda mais favorável à senadora, que chega a 42%, ante 27% do rival petista.

Com uma conhecida dificuldade de relacionamento com Tarso, a presidente Dilma chegou a negociar um palanque com Ana Amélia, mas esbarrou na resistência do PP gaúcho. “O Tarso e seu governo desastrado vieram para atrapalhar a Dilma e jogá-la para baixo”, diz o deputado federal Jerônimo Goergen (PP).

O PP gaúcho dará palanque ao tucano Aécio Neves, numa parceria que incendiou os ataques dos adversários. Ana Amélia passou a ser comparada à ex-governadora Yeda Crusius (PSDB), cuja gestão foi marcada por um esquema de corrupção no Detran, investigado pela Operação Rodin da Polícia Federal.

Segundo políticos gaúchos, a trajetória de Ana Amélia agrada o eleitor do Estado: filha de mãe merendeira e pai carpinteiro, ela saiu de casa aos 9 anos para ser dama de companhia de uma idosa. Concluiu os estudos graças a uma bolsa escolar concedida pelo ex-governador Leonel Brizola e formou-se em jornalismo, profissão que exerceu nas últimas três décadas. A visibilidade na televisão lhe rendeu 3,4 milhões de votos nas eleições de 2010.

Viúva do ex-senador Omar Cardoso, Ana Amélia tem 69 anos e não tem filhos. Declarou à Justiça Eleitoral patrimônio de 2,5 milhões de reais. Segundo aliados e assessores, ela leva uma vida simples: evita comprar roupas em lojas de shopping e prefere recorrer a uma costureira de Taguatinga, no entorno de Brasília. Em dias corridos no Senado, leva o almoço de casa.

Com pouco tempo na política, Ana Amélia também é criticada pelos opositores do PP pela falta de experiência na administração pública e o fato de viver há anos em Brasília.

“É o mesmo do que colocar o governador para apresentar um programa de televisão. Ela só tem experiência de administrar a pequena sucursal de sua empresa em Brasília”, critica o também jornalista Lasier Martins, que vai seguir o mesmo caminho e tentar o Senado pelo PDT.

Conservadora, a candidata ao Piratini carrega a bandeira do agronegócio, uma das principais fontes de renda do Estado, o que lhe garante simpatia no interior. É ferrenha defensora dos pequenos produtores de fumo.

“Eu não sou defensora do tabaco, mas sim dos trabalhadores. Eu estou falando de uma produção que é legal e é a indústria mais taxada do país. Eu respeito os médicos que são contra o tabagismo. Mas, atualmente, estamos aceitando contrabando paraguaio que não se sabe de qual jeito é feito. Pode ser mais danoso em todos os aspectos”, diz Ana Amélia.

Para se aproximar do público jovem, que pouco acompanhou seus programas na televisão, Ana Amélia montou seu QG de campanha em Porto Alegre, em um casarão onde trabalham 40 integrantes da cúpula da campanha. Pelo menos duas vezes na semana, reúne-se com os coordenadores para definir estratégias.

Ela também optou por coligar-se ao PRB, partido ligado ao eleitorado evangélico, e escalou como vice o ex-jogador e treinador do Grêmio Cassiá Carpes (SD). “Nós formamos a dupla Grenal”, brinca a senadora, torcedora do Internacional – ela carrega na carteira um cartão de crédito com brasão do time colorado.

A preferência pelo Inter, aliás, é a única comparação que Ana Amélia permite com o adversário petista. ”Apenas isso!”, adverte, em tom de brincadeira.

24/07/2014

às 18:00 \ Disseram

Nome na testa

“Tu pode botar na minha testa o nome do Aécio. E vou fazer isso, se for preciso.”

Senadora Ana Amélia, do PP e candidata ao governo gaúcho, apoiada pelo tucano, reagindo à contrariedade da cúpula de seu partido por estar com Aécio Neves e a possíveis restrições da Justiça Eleitoral a fazer propaganda para o presidenciável pela TV

24/06/2014

às 14:06 \ Política & Cia

ELEIÇÕES 2014: Depois de o PTB abandonar Dilma e aliar-se ao tucano Aécio Neves, agora é o PP quem se rebela. Diretórios de 8 Estados querem o partido neutro na disputa presidencial

Maluf (na foto beijando a mão da presidente Dilma em solenidade no Planalto) é um dos maiores defensores do apoio do PP à presidente. Seções estaduais do partido, porém, estão se rebelando (Foto: Estadão)

O deputado Paulo Maluf (na foto beijando a mão da presidente Dilma em solenidade no Planalto) é um dos maiores defensores do apoio do PP à presidente. Seções estaduais do partido, porém, estão se rebelando (Foto: Ed Ferreira/Agência Estado)

PP FAZ ÁGUA 

Por Ilimar Franco, em sua coluna no jornal O Globo

Os diretórios do PP de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul lideram a rebelião contra o apoio à reeleição da presidente Dilma.

Ontem, fizeram um documento para apresentar na convenção pedindo que o PP fique neutro na eleição presidencial.

Ganharam adesões de Rio, Ceará, Paraná, Santa Catarina, Goiás e Amazonas.

Não deixarão a Executiva decidir sem votação.

[Comentário do blog: o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) colocou seu nome à disposição do partido para candidatar-se à Presidência e é um dos que mais se opõem ao alinhamento do PP a Dilma.

Até agora, porém, o PP não permitiu oficialmente sequer que seu nome fosse incluído nos levantamentos realizados pelos institutos de pesquisa de intenção de voto.]

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados