Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Papatinho: Com o toque de Midas

Por trás de hits de sucesso como 'Onda Diferente', o produtor flerta com funk, o samba e o rap além de atuar na garimpagem de novos artistas

Por Da Redação - 13 dez 2019, 16h48

Em sua adolescência, o carioca Tiago da Cal Alves não cultivava lá grandes objetivos na vida. Papatinho tinha como principal atividade a venda de coletâneas de canções que baixava na internet e passava para CDs virgens. Enquanto praticava a pirataria em pequena escala, desenvolveu outra habilidade: tornou-se um ás do sampler, técnica da colagem de trechos de músicas.

Usou esse talento num projeto musical, o combo de hip-hop Cone Crew Diretoria, e posteriormente nas produções de artistas como Marcelo D2 e Gabriel O Pensador. Hoje, aos 33 anos, Papatinho pertence a uma casta valorizada no showbiz: a dos superprodutores. Ele tem no currículo parcerias com o rapper americano Snoop Dogg. Meses atrás, uniu-se a will.i.am, produtor e líder do grupo Black Eyed Peas, para a criação de uma canção. “Ele queria um funk porque acha que é a música do futuro”, diz.

Papatinho possui o Papatunes, que lançou os cantores L7nnon e Baker. Lapidar um novo hit pode ser exaustivo. Muitas vezes o produtor trabalha com um rascunho de canção ou refrão, que vai sendo aperfeiçoado no estúdio. O esforço compensa: Papatinho ganha entre 30 000 e 60 000 reais para produzir uma música, fora a participação nos direitos autorais.

Publicidade