Clique e assine a partir de 9,90/mês

Carta ao Leitor: A hora da verdade

A leviana inclusão do nome do presidente em um assassinato de tamanha repercussão é mais um lamentável capítulo de uma investigação incompetente

Por Da Redação - 1 Nov 2019, 11h58

Na semana seguinte à morte de Marielle Franco, VEJA estampava em sua capa a seguinte pergunta: A quem interessava matar essa mulher? Passados dezenove meses, a questão ainda permanece no ar, algo inaceitável. Ainda mais depois que o nome do presidente Jair Bolsonaro foi envolvido no caso, a partir de um depoimento fajuto feito por um porteiro à policia e vazado na quarta-feira passada. A citação leviana do nome de Bolsonaro em um assassinato de tamanha repercussão é mais um lamentável capítulo de uma investigação incompetente, que já apontou mandantes diferentes e claramente tem sido manipulada por alas distintas da polícia do Rio.

Diante de tal cenário — e da dor dos familiares de Marielle —, não se pode mais aceitar a demora no pleno esclarecimento do crime. Por isso, VEJA continua a perguntar: A quem esse crime interessava? Quem mandou executar Marielle? Mais do que nunca, o país precisa de respostas.

Publicidade