Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sinal de alerta

Smartphones e aplicativos lançam recursos que auxiliam a controlar o uso exagerado dessas tecnologias, quase onipresentes na rotina do século XXI

Por André Lopes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 16h21 - Publicado em 4 jan 2019, 07h00
(./.)

Em uma entrevista concedida ao The New York Times em 2010, Steve Jobs (1955-2011), o fundador da Apple, foi questionado sobre como era a relação de seus filhos com duas de suas criações, o iPad e o iPhone. A resposta foi enfática: “Eu limito a quantidade de tecnologia a que eles têm acesso”. A afirmação do célebre empreendedor americano acendeu um sinal de alerta: certamente existiria algo de muito preocupante no uso exagerado de tablets e smartphones, tanto assim que até seu inventor apresentava restrições àquelas inovações.

A ressalva de Jobs tem se provado pertinente nos últimos anos. Um estudo publicado em novembro de 2017 pela Universidade de Seul (Coreia do Sul), por exemplo, mostrou que a utilização excessiva de telas como a de celular gera alterações químicas no cérebro que levam a reações idênticas às da síndrome de abstinência e a outras similares às que decorrem da dependência de drogas. Ou seja: os gadgets modernos e as redes sociais podem ser danosos — e, por esse motivo, é indicado limitar o acesso a eles. Não por acaso, surgiram recentemente ferramentas que visam a ajudar as pessoas a controlar as horas que passam em aplicativos e sites.

Uma ajuda, ressalte-se, para lá de providencial. O estudo sul-coreano apontou também os resultados da utilização descontrolada de tablets e celulares no convívio com familiares, na produtividade e na forma de lidar com emoções. Os adictos, constataram os acadêmicos, apresentam maiores níveis de depressão, ansiedade, insônia e impulsividade. Já outro levantamento, de 2015, feito pela Universidade Nottingham Trent (Inglaterra), revelou indícios de vício nesses dispositivos. Usuários costumam ficar mais de cinco horas por dia diante do smart­phone. Descontando-se o tempo médio de sono, as pessoas passam, portanto, um terço da vida curvadas sobre um celular.

Alarmado, o Google, dono do Android — o sistema operacional de smartphones mais popular do planeta —, indicou um caminho para atacar o problema. Em pesquisa de 2017 realizada pela empresa, descobriu-se que a medida mais eficaz para incentivar indivíduos a maneirar no uso do celular é fornecer a eles dados de como navegam pela internet no smart­phone. Só de saber quantos minutos gasta com esse hábito, a pessoa tende a diminuir o acesso.

Continua após a publicidade

Nessa linha, a Apple lançou, em setembro passado, uma nova ferramenta para o iPhone. O aparelho passou a registrar as horas gastas com sua utilização. O Android seguiu a corrente, estreando recurso semelhante em novembro. Antes, em outubro, as redes sociais Facebook e Instagram já haviam disponibilizado opções similares. Pode­-se, inclusive, determinar um tempo máximo de uso, e, quando se ultrapassa o limite, recebe-se uma notificação.

“Para saber se o hábito se transformou em vício, é preciso autoanalisar-se, como faz, por exemplo, um fumante”, diz o psiquiatra Cristiano Nabuco, do Grupo de Dependências Tecnológicas da USP. “Caso sinta alterações como sudorese, ansiedade e irritabilidade quando estiver diante do aparelho, preocupe-se”, esclarece ele. Em alguns países, como Estados Unidos, Inglaterra e Japão, a dependência de tecnologias já é tida como um problema de saúde pública. Sim, Jobs tinha toda a razão.

Publicado em VEJA de 9 de janeiro de 2019, edição nº 2616

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.