Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“Eles são humanos”: o autor no comando da biografia de Elon Musk

A atividade de Walter Isaacson, de 71 anos, extrovertido e risonho, é feita muito mais de transpiração do que de inspiração

Por Fábio Altman Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 set 2023, 11h29 - Publicado em 14 set 2023, 19h00

Foi o próprio Elon Musk quem, nas redes sociais, anunciou há alguns meses: o jornalista americano Walter Isaacson preparava sua biografia — é um erro, contudo, imaginar que Elon Musk, a obra, tenha um quê de chapa-­branca. Não tem. O vaidoso Musk intuía que se deixar acompanhar por Isaacson e conceder horas de depoimentos o ajudaria a escrever a obra “definitiva”, atalho para muito ruído e comentários, fama multiplicada — e dinheiro. O empresário sabia muito bem para quem abriria sua vida. Isaacson é hoje o mais reputado biógrafo do mundo. Fascinado por personagens que “se rebelaram contra o conhecimento estabelecido e construíram coisas novas”, ele já iluminou as vidas de Leonardo da Vinci, Steve Jobs, Benjamin Franklin, Albert Einstein e Henry Kissinger, o diplomata americano do tempo em que se vivia na delicadeza da corda bamba entre Estados Unidos, União Soviética e China. De Kissinger, aliás, ele tomou emprestado uma frase que o move: “Como professor, tendia a pensar na história dirigida por forças impessoais. Mas quando você a vê na prática, percebe a diferença que as personalidades fazem”. Foi fácil, portanto, cutucar o ego de Musk, sempre em busca de afagos.

Difícil foi levar tudo para as páginas, porque a atividade de Isaacson, de 71 anos, extrovertido e risonho, é feita muito mais de transpiração do que de inspiração. Ele devora bibliotecas, rigoroso ao consultar fontes de informações primárias. Vibra ao encontrar relação entre as vidas íntimas e o caminhar da sociedade. Trabalha de nove da noite até 2 da madrugada. Organiza minuciosos bancos de dados de modo a cruzar informações. A conduzi-lo, uma trilha sonora que chama de funk de Nova Orleans, especialmente pendurada em Wynton Marsalis e Jon Batiste. Diz usar os recursos de concisão e clareza do tempo em que dirigiu a revista Time e depois a CNN como ferramenta de construção dos textos. O segredo: “Ao escrever biografias, seja de Benjamin Franklin, seja de Einstein, descobre-se algo incrível: eles são humanos”.

Publicado em VEJA de 15 de setembro de 2023, edição nº 2859


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.