Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dê play para assinar: indústria de jogos aposta em serviços de streaming

Seguindo exemplos de sucesso da música e do cinema, serão disponíveis centenas de títulos a uma taxa mensal

Por Luiz Felipe Castro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h20 - Publicado em 16 jan 2022, 08h00

Bill Gates, o bilionário fundador da Microsoft, disse certa vez que “a chave do sucesso é perceber para onde o mundo se dirige e chegar lá primeiro”, preceito seguido à risca ao longo de sua trajetória como precursor da computação doméstica. Outros setores seguiram o bom e esperto conselho. A música e o cinema tiveram de se adaptar à revolução digital, transformando CDs e fitas VHS em itens de museu, enquanto plataformas como Spotify, Netflix e semelhantes se consolidaram ao oferecer um catálogo vasto a uma taxa mensal acessível. A lógica — a sacada de quem chegou antes — vem invadindo a seara de Gates, especificamente o mundo dos games.

A essência permanece a mesma desde que o primeiro console Odissey foi vendido, em 1972, seguido por Ataris, Nintendos e cia. O prazer de sentar-se à frente de uma tela e passar horas desbravando novos mundo, afinal, nunca saiu de moda. Pelo contrário. A indústria dos games é líder no ramo do entretenimento, com 175 bilhões de dólares movimentados em 2021. O que mudou foi o modo de consumir os jogos. Vale experimentar de tudo um pouco, como as séries de TV. Nesse universo de possibilidades, o Xbox, da própria Microsoft, deu tiros certeiros. Em 2017, foi lançado o Xbox Game Pass, apelidado de “Netflix dos games” por oferecer mais de 200 títulos, para console e PC, incluindo os nativos e de estúdios independentes, a uma taxa mensal que varia, hoje, de 29,99 reais a 44,99 reais. Estão lá franquias de sucesso, como Age of Empires 4, Forza Horizon 5 e o recém-lançado Halo Infinite. É uma pechincha, visto que o valor somado de todos os games, se comprados individualmente, ultrapassaria 36 000 reais.

arte games

Contudo, como diz o adágio, quando a esmola é demais, o santo desconfia — e a concorrência torce o nariz. Executivos do PlayStation, da Sony, chegaram a dizer que o modelo de assinaturas não seria sustentável, mas parecem ter voltado atrás. A empresa japonesa prepara o lançamento da Spartacus, plataforma nos moldes do Game Pass. Outras grifes, como EA, Google, Apple e Amazon também investem pesado no segmento de streaming. O serviço Ubisoft+, com franquias como Far Cry e Assassin’s Creed, antes restrito aos computadores, será lançado para consoles Xbox, da Microsoft.

Baseado no apelo do preço, o serviço de assinatura caiu no gosto dos brasileiros. “Por seu valor agregado, é benéfico para o ecossistema como um todo”, diz Bruno Motta, gerente sênior da categoria Xbox no Brasil. “É ótimo para quem joga, dado o vasto conteúdo, bom para a empresa, que tem o cliente satisfeito e fiel, e excelente para os desenvolvedores.” Segundo levantamento da Microsoft, os assinantes jogam 20% mais tempo e experimentam 40% a mais de jogos do que os consumidores tradicionais. No último balanço, o Xbox Game Pass tinha 18 milhões de assinantes globais. Com a expansão dos serviços, porém, os especialistas acreditam que vai ocorrer fenômeno semelhante ao streaming de filmes — será preciso assinar múltiplos serviços para ter acesso a tudo, o que pode pesar no bolso. “Não precisaremos mais de supercomputadores”, diz Ana Amélia Erthal, pesquisadora da Escola Superior de Propaganda e Marketing. “Bastará uma boa conexão de internet.”

Continua após a publicidade
NOVIDADE - Halo Infinite, do catálogo do Xbox: mais de 200 games -
NOVIDADE - Halo Infinite, do catálogo do Xbox: mais de 200 games – (Xbox Game Studios/Divulgação)

E vem aí, atrelada à boa conexão, a próxima era: a dos jogos em nuvem. Será possível jogar em um smartphone, tablet ou televisor. E, como intuiu Gates, a Microsoft largou na frente com a estreia, ainda em testes, do Xbox Cloud Gaming. Os jogos são executados em um data center e transmitidos ao jogador em tempo real. No Brasil, a implementação da tecnologia 5G, prevista para o segundo semestre deste ano, melhorará a fluidez. “O cloud gaming é uma jornada que começa agora a ser construída”, resume Bruno Motta. Bem-vindos a um novíssimo capítulo da história da diversão.

Publicado em VEJA de 19 de janeiro de 2022, edição nº 2772

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.