Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dê play para assinar: indústria de jogos aposta em serviços de streaming

Seguindo exemplos de sucesso da música e do cinema, serão disponíveis centenas de títulos a uma taxa mensal

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 14 jan 2022, 18h34 - Publicado em 16 jan 2022, 08h00

Bill Gates, o bilionário fundador da Microsoft, disse certa vez que “a chave do sucesso é perceber para onde o mundo se dirige e chegar lá primeiro”, preceito seguido à risca ao longo de sua trajetória como precursor da computação doméstica. Outros setores seguiram o bom e esperto conselho. A música e o cinema tiveram de se adaptar à revolução digital, transformando CDs e fitas VHS em itens de museu, enquanto plataformas como Spotify, Netflix e semelhantes se consolidaram ao oferecer um catálogo vasto a uma taxa mensal acessível. A lógica — a sacada de quem chegou antes — vem invadindo a seara de Gates, especificamente o mundo dos games.

A essência permanece a mesma desde que o primeiro console Odissey foi vendido, em 1972, seguido por Ataris, Nintendos e cia. O prazer de sentar-se à frente de uma tela e passar horas desbravando novos mundo, afinal, nunca saiu de moda. Pelo contrário. A indústria dos games é líder no ramo do entretenimento, com 175 bilhões de dólares movimentados em 2021. O que mudou foi o modo de consumir os jogos. Vale experimentar de tudo um pouco, como as séries de TV. Nesse universo de possibilidades, o Xbox, da própria Microsoft, deu tiros certeiros. Em 2017, foi lançado o Xbox Game Pass, apelidado de “Netflix dos games” por oferecer mais de 200 títulos, para console e PC, incluindo os nativos e de estúdios independentes, a uma taxa mensal que varia, hoje, de 29,99 reais a 44,99 reais. Estão lá franquias de sucesso, como Age of Empires 4, Forza Horizon 5 e o recém-lançado Halo Infinite. É uma pechincha, visto que o valor somado de todos os games, se comprados individualmente, ultrapassaria 36 000 reais.

arte games

Contudo, como diz o adágio, quando a esmola é demais, o santo desconfia — e a concorrência torce o nariz. Executivos do PlayStation, da Sony, chegaram a dizer que o modelo de assinaturas não seria sustentável, mas parecem ter voltado atrás. A empresa japonesa prepara o lançamento da Spartacus, plataforma nos moldes do Game Pass. Outras grifes, como EA, Google, Apple e Amazon também investem pesado no segmento de streaming. O serviço Ubisoft+, com franquias como Far Cry e Assassin’s Creed, antes restrito aos computadores, será lançado para consoles Xbox, da Microsoft.

Baseado no apelo do preço, o serviço de assinatura caiu no gosto dos brasileiros. “Por seu valor agregado, é benéfico para o ecossistema como um todo”, diz Bruno Motta, gerente sênior da categoria Xbox no Brasil. “É ótimo para quem joga, dado o vasto conteúdo, bom para a empresa, que tem o cliente satisfeito e fiel, e excelente para os desenvolvedores.” Segundo levantamento da Microsoft, os assinantes jogam 20% mais tempo e experimentam 40% a mais de jogos do que os consumidores tradicionais. No último balanço, o Xbox Game Pass tinha 18 milhões de assinantes globais. Com a expansão dos serviços, porém, os especialistas acreditam que vai ocorrer fenômeno semelhante ao streaming de filmes — será preciso assinar múltiplos serviços para ter acesso a tudo, o que pode pesar no bolso. “Não precisaremos mais de supercomputadores”, diz Ana Amélia Erthal, pesquisadora da Escola Superior de Propaganda e Marketing. “Bastará uma boa conexão de internet.”

NOVIDADE - Halo Infinite, do catálogo do Xbox: mais de 200 games -
NOVIDADE - Halo Infinite, do catálogo do Xbox: mais de 200 games – Xbox Game Studios/Divulgação

E vem aí, atrelada à boa conexão, a próxima era: a dos jogos em nuvem. Será possível jogar em um smartphone, tablet ou televisor. E, como intuiu Gates, a Microsoft largou na frente com a estreia, ainda em testes, do Xbox Cloud Gaming. Os jogos são executados em um data center e transmitidos ao jogador em tempo real. No Brasil, a implementação da tecnologia 5G, prevista para o segundo semestre deste ano, melhorará a fluidez. “O cloud gaming é uma jornada que começa agora a ser construída”, resume Bruno Motta. Bem-vindos a um novíssimo capítulo da história da diversão.

Publicado em VEJA de 19 de janeiro de 2022, edição nº 2772

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês