Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A guerra da Ucrânia vista pelo TikTok

Como a rede social popular entre a geração Z está ajudando a mostrar a realidade do conflito e seu impacto na vida das pessoas

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
2 mar 2022, 07h00

A programação normal do TikTok, composta principalmente por danças, vídeos de pets fofinhos e dicas fitness, foi radicalmente transformada desde a última semana, quando a Rússia decidiu invadir a Ucrânia. Muitos dos vídeos que têm viralizado na internet mostrando atos de bravura e o impacto do conflito na vida de pessoas comuns estão sendo publicados na rede social e espalhados pelo mundo. As notícias do front estão vindo de membros da geração Z com smartphones nas mãos.

O próprio algoritmo do TikTok, que impulsiona vídeos que estão bombando até para quem não segue o autor da postagem está fazendo com que o conteúdo se dissemine de forma rápida, e com um alcance enorme. A plataforma conta hoje com 1 bilhão de usuários no mundo inteiro e celebridades e usuários comuns dividem os holofotes.

A rede social se tornou tão influente para a propaganda de guerra que até o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fez um apelo aos “tiktokers”. Em um discurso à nação ucraniana, disse que eles poderiam ajudar a acabar com o conflito. Muitos levaram o pedido a sério e adotaram uma postura de levar conhecimento e informação ao público ocidental.

Além das imagens em tempo real dos ataques e da destruição, muitos influenciadores e celebridades locais têm usado a plataforma para pedir ajuda humanitária e divulgar informações sobre acolhimento de refugiados. A população russa que não concorda com a invasão também está usando o TikTok para fazer duras críticas ao regime de Vladimir Putin e à invasão.

Continua após a publicidade

Mas assim como acontece em outras redes sociais, os registros verdadeiros do conflito se misturam a notícias falsas, imagens de games de guerra e velhas gravações palestinas e israelenses. Em entrevista a Reuters, um porta-voz do TikTok afirmou que está trabalhando com agências de checagem para separar as postagens verdadeiras das falsas. “Continuamos monitorando de perto a situação para responder às tendências e remover conteúdo que viola as regras, incluindo desinformação prejudicial e promoção da violência”, afirmou.

Na segunda-feira, 27 de fevereiro, o Roskomnadzor, a agência reguladora de comunicações do governo da Putin, pediu ao TikTok suspender a recomendação de vídeos de temática militar a menores de idade, afirmando que o conteúdo era “anti-Rússia”. Antes, o mesmo órgão proibiu a imprensa local de usar expressões como “guerra” e “invasão”. De acordo com o Roskomnadzor, o correto seria “operação especial em Donbass”. Vale tudo na guerra da informação.

Com informações da Reuters.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.