Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Vacina chinesa: Principal etapa termina no Brasil

Nove mil voluntários foram imunizados, com segurança. A próxima etapa vai incluir pessoas com perfis diferentes, como aqueles com mais de 60 anos

Por Adriana Dias Lopes Atualizado em 14 out 2020, 12h57 - Publicado em 14 out 2020, 12h49

Os estudos com a vacina chinesa CoronaVac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, atingiram uma etapa importante no país. Os testes com os 9 mil voluntários foram concluídos. Não houve efeitos colaterais importantes e a produção de anticorpos foi positiva. O resultado, que deverá se anunciado até o fim desta semana, ratifica a segurança do produto.

Os trabalhos com a CoronaVac começaram no país em julho, com voluntários preferencialmente da área da saúde. Agora, na segunda etapa já aprovada pela Anvisa, serão incluídos mais 4 mil pessoas. Desta vez serão aceitos grupos com diferentes perfis, como aqueles já infectados e com idade acima de 60 anos.

Recentemente, duas pesquisas clínicas com outros imunizantes foram suspensos por problemas com a segurança: do laboratório Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford e do grupo Johnson & Johnson.

Produzida pelo laboratório chines Sinovac, a CoronaVac é uma das vacinas mais promissoras para a Covid-19. Ela é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos do vírus inativos.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade