Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Secretaria de Saúde do Paraná descarta caso suspeito de coronavírus

Caso do homem de 29 anos é um dos três considerados suspeitos pelo Ministério da Saúde. Pasta estadual investiga situação de mulher internada em Curitiba

Por Luís Lima
Atualizado em 29 jan 2020, 15h08 - Publicado em 29 jan 2020, 09h53

A Secretaria de Saúde do Paraná descartou a suspeita de coronavírus em um homem de 29 anos nesta quarta-feira 29. O paciente está internado em isolamento no Hospital Santa Cruz, em observação. Em resposta a VEJA, a secretaria informou que segue investigando um segundo caso suspeito, de uma mulher de 23 anos. Ambos viajaram à China nos últimos dias e apresentaram sintomas como febre e infecção respiratória leve.

“Não tem motivo para alarme ou comoção popular. Tudo está dentro dos padrões esperados”, disse o secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, em coletiva nesta manhã. Sobre a situação da mulher, ainda não descartada oficialmente, Preto avalia que “tudo leva a crer” que também não se trata de coronavírus, considerando os quadros clínico e epidemiológico, além do tempo desde que chegou da China – no último dia 5 de janeiro. Márcia Huçulak, secretária da Saúde de Curitiba, afirmou que o quadro da paciente segue “estável”, sem pneumonia.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, o homem passou pelas cidades de Xangai e Guangzhou, e a mulher, por Hong Kong, Xangai, Macau e Zhuhai.

“O homem veio a Curitiba a trabalho e procurou assistência médica em um hospital privado e segue internado. A mulher é moradora de Curitiba, e foi até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e encaminhada para internamento no Hospital das Clínicas”, informou, em nota, a secretaria de saúde paranaense na terça-feira 28. O diagnóstico definitivo da mulher deve sair no final desta quarta-feira 29, segundo o Laboratório Central do Estado (Lacen).

Continua após a publicidade

O caso descartado em Curitiba é um dos três investigados pelo Ministério da Saúde. Outros dois são monitorados em São Leopoldo (RS) e Belo Horizonte (MG). A pasta federal ainda não contabiliza o caso da mulher de 23 anos em Curitiba, considerado suspeito pela secretaria estadual.

Na terça-feira 28, o governo elevou a classificação de risco do Brasil para o nível 2, chamado “perigo iminente”. O maior nível da escala é o 3, que ocorre após a confirmação de que o vírus foi detectado em território nacional.

Filipinas

Nas Filipinas, o embaixador do Brasil em Manila, Rodrigo Amaral Souza, informou ao telejornal Hora 1, da TV Globo, que deu negativo o exame feito na menina brasileira de 10 anos que estava internada no país. O embaixador disse que será feita uma contraprova para descartar completamente o risco de coronavírus. Até a conclusão dos resultados, a menina e seus pais, seguirão em isolamento.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.