Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Relatório inédito faz radiografia e aponta soluções para fortalecer o SUS

Brasil é o primeiro país da América Latina a integrar iniciativa global que analisa pontos fortes e fracos de sistemas de saúde; veja recomendações

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 jun 2023, 20h00

Além de todos os impactos para a humanidade, a pandemia de Covid-19 colocou à prova os sistemas de saúde, que se viram pressionados para dar conta ao volume de pacientes não só com a infecção, mas com outras doenças. Pensar em políticas e estratégias para as futuras pandemias se tornou uma bandeira de estudiosos e o Brasil se tornou o primeiro país da América Latina a integrar uma iniciativa global que tem como foco analisar os pontos fracos e fortes das redes e apontar caminhos para que elas se tornem cada vez mais resilientes e sustentáveis. Em um relatório inédito com 42 recomendações, um estudo capitaneado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) propõe aumentar progressivamente o financiamento para a saúde, o acréscimo de tributos a produtos ligados a doenças crônicas, como tabaco, álcool e açúcar, além de planos de carreira para os profissionais como caminhos para fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS).

Nascida em 2020, primeiro ano da pandemia de Covid-19, a Parceria para Sustentabilidade e Resiliência do Sistema de Saúde (PHSSR, na sigla em inglês), já está presente em 30 países e tem reunido pesquisadores e gestores públicos e privados em torno de ações que são capazes de manter dois importantes pilares para os sistemas de saúde e que têm norteado estudos ao redor do mundo sobre o tema: resiliência, a capacidade de lidar e aprender com crises, e a sustentabilidade, que é manter o funcionamento do serviço sem perdas para os pacientes.

No Brasil, o relatório foi feito em parceria com o Fórum Econômico Mundial, Escola de Economia de Londres, AstraZeneca, Philips e KPMG, e foi apresentado para representantes do Ministério da Saúde e de entidades de saúde na semana passada na Embaixada do Reino Unido em Brasília.

Para o estudo, foram analisados mais de 100 documentos a partir de agosto do ano passado por pesquisadores, entidades públicas e privadas, membros do governo e agências reguladoras.

“O SUS é um dos sistemas mais democráticos do mundo e isso confere fortaleza para o sistema”, afirma Adriano Massuda, professor da FGV-Saúde que coordenou o estudo. “Na pandemia, ele manteve a capacidade de resposta apesar do cenário conflituoso com falta de coordenação do governo federal e difusão de desinformação por autoridades públicas.”

Nos sete eixos criados com base em blocos básicos da Organização Mundial da Saúde (OMS), o documento enumera gargalos da saúde pública no Brasil, como a má distribuição de profissionais pelo país, desabastecimento de insumos e medicamentos essenciais e o aumento do consumo de itens que afetam a saúde. Mas também oferece soluções, como o alinhamento das ações dos ministérios da Saúde e da Educação – para incentivar a carreira dos médicos e demais profissionais da saúde -, aumentar o financiamento para a área de 4% para 6% do Produto Interno Bruto (PIB) em dez anos, taxar produtos prejudiciais à saúde e fortalecer a capacidade de inovação disruptiva para medicamentos. Outra proposta é a criação de uma autoridade regional para conduzir a saúde pública no país.

Continua após a publicidade

“Os relatórios nacionais do PHSSR indicam que a formulação e gestão de políticas descentralizadas têm sido vantajosas em países tão diversos como o Brasil, resultando em intervenções de saúde mais adaptadas e apropriadas em âmbito local, aumentando a responsabilidade e a colaboração entre diferentes áreas”, diz Alistair McGuire, líder dos departamentos de Economia e Políticas da Saúde da Escola de Economia de Londres.

O modelo de parceria público-privada (PPP) também foi apontado como uma forma de fortalecer os sistemas. “A pandemia mostrou a necessidade do investimento em ciência, mais especificamente na pesquisa e desenvolvimento de medicamentos e em melhorias do sistema de saúde”, destacou Olavo Corrêa, diretor-geral da AstraZeneca Brasil, relembrando a parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade de Oxford para a transferência de tecnologia para o Brasil de uma das vacinas usadas na campanha contra a Covid-19.

Conheça as principais recomendações do relatório por área:

Governança

  • Aprimorar a regulamentação dos princípios do SUS (universalidade, integralidade, descentralização e participação social) para garantir um progresso sustentável e equitativo em direção ao acesso e cobertura universal de saúde em todo o país
  • Integrar informações de saúde disponíveis e bancos de dados de diferentes fontes, públicas e privadas, para fortalecer a resiliência do sistema de saúde por meio do monitoramento permanente de uma ampla gama de ameaças à saúde pública

Financiamento

  • Estabelecer um aumento progressivo de recursos financeiros aplicados no SUS, de 4% para 6% do PIB em 10 anos, visando dar maior sustentabilidade ao sistema, incluindo considerar a tributação adicional sobre produtos prejudiciais à saúde (por exemplo, tabaco, álcool, açúcar)
  • Redefinir critérios para alocar financiamento e outros recursos no SUS de acordo com as necessidades populacionais e epidemiológicas, infraestrutura de cuidados de saúde e resultados esperados nas regiões do sistema de saúde

Força de trabalho

  • Articular políticas de saúde e de educação para alinhar a formação técnica, graduação, residência e pós-graduação de acordo com as necessidades do sistema de saúde
  • Desenvolver competências em saúde digital em toda a força de trabalho em saúde e expandir a tecnologia digital em ambientes de cuidados

Medicamentos e Tecnologia

  • Fortalecer as políticas de tecnologia em saúde e de desenvolvimento produtivo para garantir o acesso universal e maior competitividade da produção local, reduzindo a dependência externa e o elevado déficit da balança comercial em produtos de alto custo
  • Priorizar a transformação digital do sistema de saúde para aprimorar a gestão, a coordenação e a integração entre os diferentes níveis de cuidado do sistema de saúde

Prestação de Serviços de Saúde

  • Priorizar a Atenção Primária em Saúde como a principal fonte de acesso para cuidados integrais, envolvendo prevenção, diagnóstico (por exemplo, exames preventivos), tratamento e cuidados paliativos no SUS, além de sua integração com outros níveis de atenção, incluindo serviços de urgência e de saúde mental
  • Estabelecer ações emergenciais para abordar necessidades de saúde não atendidas, que foram agravadas pela pandemia de COVID-19, priorizando câncer, doenças cardiovasculares e infectocontagiosas

Saúde da População e Determinantes Sociais

  • Aprimorar a regulamentação de atividades e práticas comerciais que afetam a saúde, incluindo tabaco, alimentos não saudáveis e/ou álcool
  • Promover a “Saúde em Todas as Políticas” e fortalecer a capacidades de ação intersetorial para abordar políticas que influenciam a saúde, tais como transporte, habitação, planejamento urbano, meio ambiente, educação, agricultura, finanças, tributação e desenvolvimento econômico

Sustentabilidade Ambiental

  • Fomentar a participação do setor de saúde nas pautas ambientais, incluindo estratégias de fortalecimento do SUS na região amazônica, fortalecendo o protagonismo de comunidades locais
  • Estudar estratégias e se comprometer com a transição para fontes de energia verde no SUS
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.