Clique e assine a partir de 9,90/mês

Programa Mais Médicos começa com faltas no Rio

Em Duque de Caxias, dos 13 profissionais selecionados, apenas cinco apareceram. A maior parte dos médicos, composta por moradores da capital, vai trabalhar no programa Saúde da Família

Por Cecília Ritto - Atualizado em 24 maio 2016, 16h31 - Publicado em 2 set 2013, 17h05

O programa Mais Médicos começou mal em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A cidade, a aproximadamente 25 quilômetros da capital, receberia o segundo maior contingente de profissionais no estado, com um total de 13 médicos. No entanto, só cinco compareceram ao primeiro dia de trabalho. Dois deles são estrangeiros, um colombiano e um português, com prazo para comparecimento até 16 de setembro. O restante, no entanto, não tem a mesma desculpa: os 11 são fluminenses ou paulistas formados em faculdades de medicina do Rio de Janeiro – ou seja, não vieram de longe por causa do programa. Parte deles reside no município do Rio.

Leia mais:

Leia mais: Brasileiros inscritos no Mais Médicos passam a atuar hoje

Sandro Fernandes, coordenador do programa Saúde da Família de Caxias, para onde irão 12 médicos, pretende cancelar o mais rápido possível as matrículas para abrir vagas para outros profissionais. “Alguns devem ter desistido. Há algumas semanas, uns selecionados vieram aqui em Caxias e ficaram em dúvida. Hoje tivemos mais um sinal de que alguns não comparecerão. Estamos tentando entrar em contato com esses profissionais para liberar a vaga para novos médicos”, explica Fernandes.

Continua após a publicidade

Na manhã desta segunda-feira, foi feita uma recepção aos cinco médicos no hospital Moacyr do Carmo para apresentar a rede municipal. A função principal dos que apareceram será prestar atendimento clínico, realizar visitas domiciliares, acompanhar o pré-natal e a saúde das crianças de zero a dois anos, e verificar, com frequência, a saúde de pacientes com doenças como diabetes e hipertensão. Para Fernandes, são duas as possíveis explicações para a desistência dos médicos. Uma, acredita ele, é a carga horária de 40 horas semanais. A outra é a necessidade de trabalhar em atenção básica. De acordo com Fernandes, os médicos que seriam alocados em Caxias são, em grande parte, recém-formados ou profissionais que trabalham em hospitais de grande porte.

Nossa medicina é quase de curandeirismo’, diz doutor cubano

Médicos estrangeiros escolhem áreas menos carentes

Médicos cubanos sabiam de plano do Brasil há seis meses

Continua após a publicidade

Cubanos não podem deixar alojamento, diz estrangeiro

“No edital do ministério da Saúde, estava prevista a apresentação dos médicos neste dia 2. Nós, da secretaria municipal de Saúde de Caxias, também avisamos a cada um que começaria nesta segunda”, afirma Fernandes. A cidade abriu 32 vagas para o programa Mais Médicos e espera que, até o fim do ano, todas estejam preenchidas.

LEIA TAMBÉM:

Ministério Público do Trabalho abre inquérito sobre Mais Médicos

Continua após a publicidade

Fenam atuará em duas frentes contra o Mais Médicos

Entidades médicas condenam a contratação de médicos cubanos

Publicidade