Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OMS suspende estudos com hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19

Decisão foi motivada por preocupações com a segurança da terapia após um grande estudo associá-la ao aumento de mortes por problemas cardíacos

Por Da redação Atualizado em 25 Maio 2020, 17h49 - Publicado em 25 Maio 2020, 14h30

Nesta segunda-feira, 25, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a suspensão dos testes clínicos com hidroxicloroquina no tratamento contra o coronavírus. A decisão foi motivada por preocupações em relação à segurança do medicamento após um grande estudo publicado na revista The Lancet associar a substância ao aumento de mortes por problemas cardíacos, como arritmia.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

“O Grupo Executivo implementou uma pausa temporária do braço da hidroxicloroquina no Estudo Solidariedade, enquanto os dados de segurança são revisados ​​pelo Conselho de Monitoramento de Segurança de Dados. […] Essa preocupação está relacionada ao uso de hidroxicloroquina e cloroquina contra a Covid-19. Desejo reiterar que esses medicamentos são geralmente considerados seguros para uso em pacientes com doenças autoimunes ou malária”, disse Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, 25.

LEIA TAMBÉM: Como é o tratamento do novo coronavírus, dos cuidados em casa à UTI

A pesquisa, realizada pela Universidade Harvard com 96.032 pacientes internados por causa da Covid-19 em seis continentes entre dezembro de 2019 e abril deste ano mostrou que o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus não traz nenhum benefício. Além disso, o tratamento está associado ao aumento do risco de arritmias cardíacas e de levar os pacientes a óbito.

Continua após a publicidade

Estudo Solidariedade

Em março, a OMS anunciou o início do estudo Solidariedade que avalia a eficácia de alguns tratamentos contra a Covid-19. Entre os compostos analisados estavam a cloroquina e a hidroxicloroquina, os antirretrovirais ritonavir e lopinavir, a combinação de antivirais com o interferon beta e o remdesivir. De acordo com a entidade, o estudo com os demais compostos seguirá normalmente.

Segundo Ghebreyesus, a “revisão considerará os dados coletados até o momento no Estudo Solidariedade e, em particular, dados robustos disponíveis aleatoriamente, para avaliar adequadamente os possíveis benefícios e malefícios desse medicamento [cloroquina e hidroxicloroquina]”.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês