Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cloroquina não traz benefícios e aumenta risco de arritmias, diz estudo

A conclusão é de uma pesquisa pela Universidade Harvard e publicada pela renomada revista britânica 'The Lancet' nesta sexta-feira 22

Por Alexandre Senechal Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 22 Maio 2020, 19h35 - Publicado em 22 Maio 2020, 14h44

Usar cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus não traz nenhum benefício. Pior: aumenta o risco de arritmias cardíacas e tem mais chances de levar os pacientes a óbito. A conclusão é de um estudo feito pela Universidade Harvard e publicado pela renomada revista britânica The Lancet nesta sexta-feira 22.

“Nessa larga análise multinacional do mundo real, não observamos nenhum benefício da hidroxicloroquina ou da cloroquina (usadas sozinhas ou em combinação com um macrolídeo [uma classe de antibióticos usada para tratamento de infecções respiratórias, no estudo composta por azitromicina ou a claritromicina]) nos resultados hospitalares, quando o tratamento foi iniciado precocemente após o diagnóstico de Covid-19. A incidência também foi associada a um risco aumentado da ocorrência de arritmias ventriculares e morte após internação hospitalar”, descreve o estudo.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana ()
Clique e Assine

A extensa pesquisa observou 96.032 pacientes internados por causa da Covid-19 em seis continentes entre os dias 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril deste ano. O grupo de controle, que não recebeu tratamento com os dois remédios, teve 81.144 pessoas. Os outros 14.888 internados receberam quatro tipos diferentes de tratamento:

1) somente com cloroquina (1.868 pessoas);
2) com uma combinação de cloroquina e macrolídeos (3.783 pessoas);
3) somente com hidroxicloroquina (3.016 pessoas);
4) com uma combinação de hidroxicloroquina e macrolídeos (6.221 pessoas).

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Estudo sugere que plasma convalescente é seguro no tratamento da Covid-19

Ao final do estudo, os cientistas constataram que 7.530 pacientes do grupo de controle haviam morrido, o que representa 9,3% do total. Ou seja, 1 a cada 11 dos que estavam internados. Já em relação aos infectados que foram tratados com os dois medicamentos, a taxa de mortalidade foi maior:

1) somente com cloroquina: 307 mortes (16,4%, ou 1 a cada 6 pacientes);
2) com uma combinação de cloroquina e macrolídeos: 839 mortes (22,2%, ou 1 a cada 5 pacientes);
3) somente com hidroxicloroquina: 543 mortes (18%, ou 1 a cada 6 pacientes);
4) com uma combinação de hidroxicloroquina e macrolídeos: 1.479 mortes (23,8%, ou 1 a cada 5 pacientes).

“Esse estudo praticamente resolve a questão sobre se os medicamentos realmente funcionam ou não. Até agora só tínhamos alguns estudos feitos com um número pequeno de pacientes, e eles já mostravam que não havia benefícios ao utilizar a cloroquina e a hidroxicloroquina. Tanto que as autoridades médicas não recomendam esse tipo de tratamento”, explica José Valdez Madruga, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

“Esses dados são interessantes, porque são de vida real e tem um número grande de pacientes. Eles afastaram fatores que poderiam gerar críticas para analisarem os resultados: só incluíram pacientes que estavam internados até 48 horas e também excluíram os já entubados, em estado mais grave, e aqueles que usaram o remdesivir, o remédio originalmente criado para combater o Ebola”, analisa Madruga.

A chance de desenvolver uma arritmia cardíaca foi ainda maior de acordo com a pesquisa. Apenas 0,3% do grupo de controle teve a anomalia. Nos quatro tratamentos com cloroquina e hidroxicloroquina o número ficou entre 4,3% e 8,1%. O infectologista brasileiro explica que um dos mais importantes efeitos colaterais dos medicamentos e dos macrolídeos utilizados é justamente causar arritmia cardíaca. “Tivemos entre 14 e 27 vezes mais o aparecimento da arritmia por causa disso. Só isso é suficiente para não receitar esse medicamento”, avalia.

Na última quarta-feira 20, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta e afirmou que os medicamentos não demonstraram eficácia no tratamento contra o novo coronavírus. No mesmo dia, o Ministério da Saúde brasileiro foi na contramão das recomendações e divulgou um novo protocolo para a utilização da cloroquina em pacientes no início do tratamento – até então, a pasta recomendava apenas o uso do remédio para os internados em estado grave.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.