Clique e assine com 88% de desconto

Namoro online pode diminuir autoestima e aumentar risco de depressão

Apesar do aumento no número de usuários, a rejeição nos aplicativos de relacionamento pode afetar a saúde mental dos usuários

Por Da Redação - Atualizado em 29 maio 2018, 20h01 - Publicado em 29 maio 2018, 18h58

Homens e mulheres que fazem uso de aplicativos como Tinder ou sites de relacionamentos têm mais baixa autoestima do que pessoas que não participam destas comunidades, é o que indica estudo publicado no American Psychological Association

Segundo Jessica Strübel, autora da pesquisa, os usuários relataram menos satisfação com o próprio corpo e aparência. “Como resultado de como o aplicativo funciona e o que ele exige de seus usuários, as pessoas que estão no Tinder depois de um tempo podem começar a se sentir despersonalizadas e descartáveis em suas interações sociais, desenvolvem maior consciência [e crítica] de sua aparência e corpo”, explicou ela no relatório.

Aumento do namoro online

O número de pessoas que estão usando aplicativos de namoro tem aumentado nos últimos anos. Os aplicativos de encontros Tinder, Bumble, Match, Plenty Of Fish e Zoosk estão entre os 50 apps sociais de maior bilheteria da Apple Store.

O Match.com, site de encontros disponível para diversos países, já tem mais de 7 milhões de assinantes pagos, um aumento de 3,4 milhões desde 2014. Além disso, lançou uma pesquisa para descobrir as tendências de namoro de seus usuários. Os resultados revelaram que 15% dos solteiros (1 em cada 6) admitiram estar viciados no processo de procurar encontros online.

Publicidade

Outro dado mostrou que existe entre os usuários vício pela procura do namoro via internet: Millennials têm 125% mais propensão a se sentirem viciados em namoro; os homens atingem os 97% se comparado às mulheres. Enquanto isso, 54% delas afirmaram estarem esgotadas pelo processo de procura por parceiro.

Já o Tinder registra diariamente 1,6 bilhão de visualizações nos perfis de seus usuários, o que leva a 1,5 milhão de encontros por semana – uma média de um ou dois por usuário. De acordo com estudo publicado pela Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, a cultura de conexão do Tinder não é mais a mesma; agora as pessoas utilizam o aplicativo para conseguir relações sexuais de curta duração, o que indica uma queda na busca por relacionamentos sérios.

A dor da rejeição

A grande maioria das pessoas já saiu com alguém e achou que o encontro foi muito bom, mas ao tentar entrar em contato com a pessoa novamente, não há qualquer retorno. Essa rejeição pode acontecer ainda mais fácil e mais rápido online.

De acordo com a CNN, um estudo de 2011 publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences revelou que a rejeição estimula a mesma parte do cérebro que processa a dor física. Isso porque o cérebro não é capaz de distinguir a diferença entre um coração partido e um osso quebrado. “A rejeição social e a dor física são semelhantes não apenas pelo fato de serem angustiantes, mas compartilham uma representação comum em sistemas cerebrais somatossensoriais também”, contaram os pesquisadores.

Publicidade

Em 2016, a Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, realizou um estudo que relacionou o vício em tecnologia à ansiedade e à depressão. Os pesquisadores entrevistaram 300 estudantes universitários em relação a saúde mental e o uso de telefone celular e internet, além das motivações para a utilização de dispositivos eletrônicos. “As pessoas que se descreveram como tendo comportamentos realmente viciantes em relação à internet e celulares tiveram uma pontuação muito maior nas escalas de depressão e ansiedade”, disse Alejandro Lleras, principal autor da pesquisa.

Publicidade