Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estudo comprova a relação entre a depressão e o sono ruim

De acordo com especialistas, cerca de 75% dos pacientes deprimidos relatam dificuldade para dormir ou insônia

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2018, 19h36 - Publicado em 31 jul 2018, 17h39

Pesquisadores ingleses e chineses descobriram uma ligação neural entre depressão e problemas de sono, segundo estudo publicado no JAMA Psychiatry. De acordo com especialistas, cerca de 75% dos pacientes deprimidos relatam dificuldade para dormir ou insônia. A equipe envolvida na pesquisa revela que as áreas do cérebro associadas à memória de curto prazo e emoções negativas podem prejudicar o sono dos pacientes, uma vez que os pensamentos pessimistas são um fator relevante para a aparição de distúrbios do sono.

Além disso, a privação de sono, causada pela vida moderna, faz aumentar os riscos de desenvolver depressão, evidenciando a extensa ligação entre os problemas. Diante da descoberta, os cientistas acreditam ser possível melhorar a qualidade de sono dos pacientes com depressão e criar possibilidades de tratamento, que visem a tratar ambos os transtornos.

Depressão e sono

Os resultados foram obtidos através da análise de dados de cerca de 10.000 pessoas, que avaliou os mecanismos neurais capazes de demonstrar a conexão entre os dois problemas. De acordo com o estudo, no cérebro de pessoas com depressão notou-se que duas áreas do córtex – o pré-frontal dorsolateral (associado à memória de curto prazo) e o órbito frontal lateral (associado à emoção negativa) – estão conectadas com a parte do cérebro responsável pela consciência do “eu” — se essa conexão aumentar as atividades nessas regiões cerebrais, isso pode resultar em má qualidade do sono.

Edmund Rolls, coautor da pesquisa, disse que os resultados permitem uma melhor compreensão da doença, que afeta mais de 216 milhões de pessoas (3% da população mundial). Para ele, o estudo fornece suporte para a teoria de que o córtex órbito frontal lateral é uma área do cérebro que pode ser explorada para desenvolver novos tratamentos para a depressão.

Distúrbio de sono

De acordo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os distúrbios de sono já são o segundo transtorno mental mais recorrente no mundo, afetando um terço da população mundial. Os tipos mais comuns são: síndrome das pernas inquietas, caracterizada por um desejo quase irresistível de mover as pernas, geralmente à noite; jet lag, que costuma afetar pessoas que viajam rapidamente em vários fusos horários; narcolepsia, que causa sonolência diurna excessiva; sonambulismo, quando as pessoas levantam e caminham durante o sono; apneia obstrutiva do sono, caracterizada pela obstrução intermitente do fluxo de ar durante o sono; e insônia, que são problemas persistentes para dormir e permanecer dormindo.

“No mundo de hoje, a falta e a privação de sono se tornaram um problema comum que afeta mais de um terço da população mundial devido às longas jornadas de trabalho, tempo de deslocamento, atividade noturna e aumento da dependência de equipamentos eletrônicos”, alertou Feng.

Segundo os pesquisadores, a relação entre depressão e sono foi observada há mais de 100 anos, mas o novo estudo conseguiu identificar os mecanismos neurais que conectam os dois transtornos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês