Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Covid: Mais de 5 mil pessoas estão morrendo por dia na China, diz estudo

Estimativa foi feita pela empresa de dados de saúde Airfinity. OMS também demonstrou preocupação com a situação no país oriental

Por Diego Alejandro
22 dez 2022, 15h01

Mais de 5 mil pessoas provavelmente estão morrendo todos os dias de Covid-19 na China, estimou a empresa de dados de saúde Airfinity. A avaliação diverge bastante dos dados oficiais, que relatam 1.800 casos e apenas sete mortes oficiais na semana passada.

A empresa, com sede no Reino Unido, afirma que usou modelagem baseada em dados regionais chineses para produzir números que também colocam as infecções diárias atuais acima de um milhão. A Comissão Nacional de Saúde da China (NHC) ainda não se pronunciou sobre os números, e outras avaliações – como um estudo recente da Universidade de Hong Kong dizendo que a China chegará a 1 milhão de mortes por Covid-19. Nesta quarta-feira, 21, o país não reportou novas mortes e apenas 2.966 novos casos sintomáticos.

Por quase três anos, o governo chinês usou bloqueios rígidos, quarentenas centralizadas, testes em massa e rastreamento rigoroso de contatos para conter a propagação do vírus. Chamada “Covid Zero”, essa estratégia, porém, foi abandonada no início deste mês, após uma onda de protestos em toda o país.

O presidente da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a agência está “muito preocupada” com o aumento dos casos e que precisa de mais informações sobre a gravidade da Covid-19 na China, particularmente sobre internações em hospitais e unidades de terapia intensiva, “para fazer uma avaliação de risco abrangente da situação.”

Continua após a publicidade

A Airfinity prevê que o surto pode ter dois picos de 3,7 milhões por dia no meio de janeiro, em regiões onde os casos estão aumentando e 4,2 milhões por dia em março, em outras províncias. Atualmente, os casos crescem rapidamente em Pequim e na província de Guangdong, no sul, disse a empresa – juntas, elas compreendem mais de 150 milhões de habitantes.

Em uma coletiva, Wang Guiqiang o chefe do departamento de doenças infecciosas do hospital da Universidade de Pequim, disse que apenas as mortes causadas por pneumonia e insuficiência respiratória em decorrência da Covid-19 seriam classificadas como óbitos pela doença. Ataques cardíacos ou doenças cardiovasculares que causam a morte de pessoas infectadas não receberão essa classificação.

Já a chefe de vacinas e epidemiologia da Airfinity, Louise Blair, alega que essa mudança foi “diferente de outros países que registram mortes dentro de um período de tempo de um teste positivo e pode minimizar a extensão das mortes observadas na China”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.