Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Covaxin: Anvisa veta importação de 20 milhões de doses

A negativa ocorreu após laboratório desenvolvedor do imunizante ter sido reprovado na análise de boas práticas de fabricação

Por Mariana Rosário Atualizado em 31 mar 2021, 19h53 - Publicado em 31 mar 2021, 18h29

Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu, por unanimidade, não autorizar a importação da vacina Covaxin, contra Covid-19, da farmacêutica Bharat Biotech.

A avaliação do pedido pela reguladora foi feita a partir de uma solicitação do Ministério da Saúde, no dia 22, para que fossem importadas 20 milhões de doses do imunizante, fabricado na Índia.

De acordo com o diretor Alex Machado Campos, relator do processo, após a análise dos documentos foi verificado que o pedido não cumpre com os requisitos mínimos definidos por lei para esse tipo de processo.

LEIA TAMBÉM: Tomei a vacina da Covid-19. E agora?

Análise realizada não se trata de uma avaliação para conceder uso emergencial ou registro sanitário da vacina, que necessitaria de uma avaliação robusta de qualidade, segurança e eficácia. A recusa atual leva em conta somente evidências disponíveis para que ocorresse a importação em caráter de emergência.

A Covaxin, lembra a Anvisa, conta com autorização para uso emergencial na Índia, concedida por meio da autoridade indiana (Cdsco).

Continua após a publicidade

Sobre a análise de dados de hoje, a agência diz que não foi entregue o relatório técnico da avaliação da vacina emitido ou publicado pela autoridade sanitária da Índia, conforme pede a lei para esse tipo de processo. A documentação faltante “deve ser capaz de comprovar que o produto atende aos padrões de qualidade, de eficácia e de segurança estabelecidos pela OMS”, diz comunicado da agência.

Boas práticas de fabricação

A negativa ocorreu após avaliação das informações técnicas disponíveis, sobretudo aquelas relacionadas à realização de inspeção de Boas Práticas de Fabricação na fabricante Bharat Biotech International Limited, que foi reprovada pelos técnicos.

“Não é possível conceder autorização para a importação, visto que a vacina será fabricada nessas instalações”, diz a Anvisa em comunicado. Na medida em que ocorram os ajustes necessários na planta fabril, porém, não há empecilho para que novos pedidos de importação sejam realizados, conclui o comunicado.

Novos pedidos de importação dessa vacina também poderão ser efetuados novamente, com a apresentação dos documentos necessários.

Sem as doses da Covaxin, o mês de abril perderá 19% das vacinas prometidas, conforme levantamento da reportagem de VEJA.  A maior parte das entregar previstas para o próximo mês, porém, dependem da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan, já aprovados pela agência reguladora brasileira para produzir vacinas contra a Covid-19.

Até agora, o Brasil distribuiu um volume de doses correspondente a 8,3% da população. Confira os números do país:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês